Movies

O Homem do Norte

Diretor Robert Eggers aposta em sanguinária história viking sobre a sede de vingança como a grande força do protagonista

Texto por Carolina Genez

Foto: Universal Pictures/Divulgação

Tudo começa no século 9, acompanhando a volta do Rei Aurvandil (Ethan Hawke) para sua família, formada pela Rainha Gudrún (Nicole Kidman) e seu filho, o jovem príncipe Amleth (Oscar Novak/Alexander Skarsgård). Porém, logo após sua volta, o rei é brutalmente assassinado pelo irmão Fjölnir (Claes Bang), bem na frente de seu filho. Depois de assistir a sua mãe e seu povo serem tomados pelo assassino, Amleth resolve fugir. Ele se refugia no mar, prometendo um dia se vingar.

O Homem do Norte (The Northman, EUA, 2022 – Universal Pictures) foca na mitologia nórdica, seus rituais e profecias. Por isso, traz uma verdadeira imersão nas tradições e costumes da Era Viking. Dessa forma, os aspectos sobrenaturais ocupam suma importância no longa, principalmente a profecia em torno do príncipe Amleth. Tal profecia, aliás, é uma das coisas que mais movem o príncipe, garantindo assim para o filme uma verdadeira “jornada do herói”.

Os aspectos místicos da narrativa são colocados de modo natural e harmônico com o resto da trama. Essa inserção pode ser vista em diversos momentos como nos diálogos em que são abordados Odin e as Valquírias, na maneira como o diretor trabalha a relação da mitologia com os animais e no conforto que os personagens têm de que a Valhalla os aguarda. A imersão do espectador na época dos vikings também é proporcionada pela irretocável ambientação realizada por meio de figurinos, cenários e armas, todos recriados com muitos detalhes.

O roteiro foi escrito pelo próprio diretor Robert Eggers, badalado por seus trabalhos em A Bruxa (2015) e O Farol (2019), em parceria com o dramaturgo islandês Sigurjón Birgir Sigurðsson. A inspiração veio de um conto, que também teria servido de base para William Shakespeare na hora de escrever Hamlet, uma de sua mais famosas obras, que se passa na Dinamarca. Talvez isso tenha ligação com a decisão de manter no longa tem um certo aspecto teatral, principalmente em seus diálogos.

A história da vingança pessoal do príncipe também remete a diversas outras histórias cinematográficas como Coração Valente (1995). Além da trama parecida, a similaridade entre este e o filme “escocês” de Mel Gibson também está presente na brutalidade. Em O Homem do Norte, a violência é bem explícita e sangrenta, sempre com combates muito bem elaborados e coreografados. A forma como o diretor trabalha com a sede de vingança é muito interessante, já que o sentimento é exposto de maneira cíclica – cada feito de Amleth gera consequências, de certa forma trazendo à tela a frase “violência gera violência”.

A fotografia em um file de Eggers volta a impressionar. Aqui são os tons escuros e cinzentos que acabam sobressaltando as horas sangrentas da tela, além de gerar um quê de melancolia. O sound design também se destaca, dando espaço para os sons da natureza e da respiração dos atores, o que aumenta ainda mais a tensão e o suspense.

Ao longo da sua história, o príncipe cruza caminhos com Olga, vivida pela maravilhosa Anya Taylor-Joy. Ela serve como um respiro para a violência, tanto para o protagonista, quanto para os espectadores. A personagem dela forma uma aliança com Amleth e garante mais motivações para o herói. Em relação às interpretações, todos os atores trazem grandes performances e sotaques, mas o destaque é mesmo o protagonista. Vivido em sua fase adulta por Alexander Skarsgård de forma convincente e poderosa, Amleth encarna em diversos momentos uma verdadeira besta. O sueco traz um personagem bruto mas extremamente ferido por seu passado e que encontra como força a vingança contra seu tio.

Apesar de seus fatores positivos, O Homem do Norte ultrapassa as duas horas de duração e acaba se perdendo lá pela metade, se prolongando-se em momentos que não eram assim tão necessários. Ainda assim, a produção garante um épico viking que cumpre as expectativas com uma trama superimersiva e uma história interessante,  que, mesmo já vista em outras obras, consegue se reinventar e impressionar com impecáveis cenas de luta e grandes atuações.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s