Music

Phil Spector – Parte 1

Produtor musical que revolucionou o rock e o pop morre aos 81 anos enquanto cumpria pena de prisão por feminicídio

Texto por Carlos Eduardo Lima (Célula Pop)

Foto: Michael Ochs Archives/Redferns/Reprodução

Morreu ontem, dia 16 de janeiro de 2021, o produtor musical e gênio Phil Spector. As fontes do Departamento de Correções e Reabilitação da Califórnia deram conta do falecimento pela manhã de domingo e disseram que a causa será determinada pela necropsia a ser realizada pelas autoridades do estado, mas sites como o TMZ já apontam complicações advindas da covid-19. Spector estava preso, acusado do assassinato da atriz Lana Clarkson, que foi alvejada por ele em sua mansão na madrugada de 3 de fevereiro de 2003. A condenação saiu apenas em abril de 2009.

Spector iniciou a carreira ainda quando estava no high school – o equivalente americano do nosso ensino médio – e produziu e gravou o primeiro sucesso com o grupo Teddy Bears, “To Know Him is To Love Him”. A partir daí, ele iniciou uma carreira brilhante como produtor de estúdio, criando e inventando vários efeitos e técnicas para obter novas sonoridades no estúdio, entre elas, aquela batizada de wall of sound. Isto consistia num arranjo específico de microfones e ênfase em instrumentos de harmonia, privilegiando a força de todos eles ao mesmo tempo, dando a sensação de arremessá-los nos ouvidos do público, criando a tal sensação de “emparedamento” sonoro.

Por conta disso, influenciou, produziu e gravou muitos artistas, de Righteous Brothers, Darlene Love e Ronettes a Beatles, John Lennon, George Harrison, Leonard Cohen, Tina Turner e Ramones. Sempre deixava sua marca característica nas gravações: a sensação de impacto advinda do uso dos instrumentos harmônicos, o que levava a experimentações com várias guitarras e vários pianos sendo gravados ao mesmo tempo, além do uso de orquestras e naipes de metal. Spector assinou, por exemplo, a produção de Let It Be, o último álbum lançado pelos Beatles, e sua presença divide até hoje os fãs. Muitos preferem a versão lançada nos anos 2000 como o título de Let It Be … Naked, que tira a presença dos naipes de orquestra e outros efeitos. Outros – eu incluído – preferem o original.

Brian Wilson, líder e mente brilhante dos Beach Boys, sempre se declarou fã do trabalho de Spector no estúdio, especialmente da técnica do wall of sound. Tal visão influenciou diretamente a produção de um disco-chave para a história do rock, Pet Sounds, lançado em 1966. Além disso, Wilson sempre declarou que “Be My Baby”, sucesso de 1963/1964 das Ronettes, trio vocal produzido por Spector, é a sua música preferida de todos os tempos.

Apesar de todo o sucesso e reconhecimento, Phil Spector era um homem de comportamento violento, fato notório mesmo antes das complicações penais por conta do assassinato do qual foi acusado em 2009. Ronnie Spector, ex-integrante das Ronettes e ex-esposa do produtor, sempre declarou os problemas que viveu enquanto esteve casada com ele.

Neste início de 2021 vai-se um gênio. Louco, controverso, violento. Mas um gênio.

>> Clique aqui para ler o texto sobre oito canções essenciais produzidas por Phil Spector

Um comentário em “Phil Spector – Parte 1”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s