Movies

Um Lugar SIlencioso: Parte II

Segundo capítulo da trilogia parte do fim do filme anterior para um misto de cenas de tensão com roteiro repleto de conveniências

Texto por Leonardo Andreiko

Foto: Paramount/Divulgação

Um Lugar Silencioso atraiu o olhar do público com uma proposta refrescante no cenário do horror. Como todo o movimento que muitos entendem como pós-horror, o primeiro capítulo dessa trilogia anunciada é tematicamente adensado e entrega sequências agoniantes. A expectativa para Um Lugar Silencioso: Parte II (A Quiet Place Part II, EUA, 2020 – Paramount), portanto, não poderia ser maior.

O ponto de partida do longa, dirigido e roteirizado por John Krasinski, é exatamente após o fechamento de seu antecessor, quando parte para um thriller com sequências pontualmente enervantes enquanto a família Abbott se refugia após os eventos anteriores. Eles encontram abrigo em uma fábrica onde se esconde Emmett (Cillian Murphy), que passa a acompanhá-los.

Aqui, Krasinski passa a integrar a fala com mais recorrência, valendo-se de diversos artifícios narrativos ao longo do filme para validar decisões, conveniências e ações de seus personagens. Embora não haja qualquer novidade surpreendente no andamento e na trama desta segunda parte, a decisão de separar os acontecimentos em duas linhas narrativas oferece um dinamismo extremamente necessário ao ritmo do longa.

Isso porque ele enfrenta um desafio complicado, pois, ao revelar a fraqueza de seus alienígenas, é forçado a abandonar o medo que ofereceriam aos personagens. Há claras indicações e possibilidades de matá-los, o que os torna, quando muito, conflitos genéricos numa trama que pretenderia abordar outros temas. Contudo, por já explorar a dinâmica familiar e suas implicações no primeiro longa, Krasinski não tem material suficiente, em última análise, para oferecer uma perspectiva engajante em algum conflito de ordem psicológica. Se começamos esperando um suspense conectado às tendências do horror contemporâneo, encontramos uma trama de ação com a interessante e eletrizante abordagem sonora da mise-en-scène.

O quadro de um filme outrora esquecível expande-se, aqui, para além da tela, uma construção tridimensional do espaço ao redor que efetivamente constrói a tensão e o drama. Justamente por isso, os ocasionais jumpscares são uma das melhores utilizações da técnica no horror moderno. Há, de fato, uma quebra de ritmo e não a construção de tensão que os torna previsíveis em muitos filmes. E, claro, nossa atenção à esfera sonora do longa nos torna propensos ao susto da crescente sonora.

Embora seja uma experiência engajante de início, com sequências de tensão primorosamente conduzidas, o roteiro repleto de conveniências faz de Um Lugar Silencioso: Parte II um longa morno. Ele não chega a ser ruim, mas também não é memorável.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s