Music

Gulabi + Dopamina + Naome Rita – ao vivo

Punk rock, feminismo, letras pungentes e três boas bandas underground deram o tom do sábado pré-carnavalesco em Curitiba

_MG_5557

Naome Rita

Texto por Guilherme Motta

Fotos: Nicole Micaldi

Para entrar no embalo do carnaval, no último sábado antes da folia, dia 23 de fevereiro, as mulheres da cena musical punk curitibana realizaram um evento animal na Casa Luz Del Fuego (antiga Lavanderia), na capital paranaense. O evento contava com dois ambientes. Em um deles, tocaram três bandas formadas apenas por mulheres. Em outro havia DJs convidados soltando as mais diversas tracks para embalar o bailinho.

Como aqui o papo é de punk rock e afins, então vamos direto ao ponto. Naome Rita, Dopamina e Gulabi. Essas são as três bandas que se apresentaram no menor, mais quente e aconchegante espaço destinado a shows da cidade. Um evento organizado apenas por mulheres, movimentando a cena punk feminina, que infelizmente nos últimos tempos tem mostrado pouco a cara pela cidade. Porém, felizmente esta noite mostrou o quanto a cena tem força e é unida pelo slogan “Punk rock não é só pro seu namorado”.  Inclusive, todas os grupos envolvidos ali têm em comum a participação em uma coletânea-tributo a uma das bandas mais animais do cenário punk feminista (e que será lançada em breve), o Bulimia.

_MG_5580

Dopamina

A abertura do evento ficou por conta do duo curitibano Naome Rita, que colocou todos para dançar apertadinhos no porão. As letras explicitamente politizadas abordam assuntos como feminismo, assédio e política em geral. Os riffs de guitarra passeiam entre o mais puro punk rock e em alguns pontos lembram o rock alternativo dos anos 1990. Não se pode deixar de falar aqui no destaque da noite, a música “Dado”, uma homenagem ao querido ator Dado Dollabela (quer alguém “mais feminista” que ele?!?!).

Em seguida, para dar continuidade ao estrondo, entrou para se apresentar outra banda curitibana, a Dopamina. Punk puro, político, do jeito que tem que ser feito, com poucos acordes, velocidade e gritos de resistência. O power trio colocou todo mundo pra cantar Bad Religion! E também, como não podia faltar claro, Bulimia.

_MG_5583

Gulabi

Fechando o espetáculo e a noite, a banda paulista Gulabi, que conta com uma integrante curitibana. Instrumental rápido e direto, sem firula. Um tapa na cara. As duas vocalistas se revezam nos gritos de ordem, em especial na música “Nada Aos Fascistas!”. Resistência e correria é o que define todas ali. Uma energia em que não existe possibilidade alguma de ficar parado sem dar um empurrão aqui e outro ali no meio da galera.

Resta aqui um pedido pra toda cena punk feminina, para que continuem fazendo eventos assim, tomando o espaço que sempre foi ocupado majoratiriamente pelos homens. Revivam os cenários dyke punk e riot grrrl. Que entre meados dos anos 1980 até a década seguinte colocou em destaque para o mundo muitas bandas femininas influentes para o punk como um todo. Espera-se que agora, um tempo depois, elas continuem surgindo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s