Music

Jesus And Mary Chain – ao vivo

Retorno dos escoceses, agora tocando em um ambiente fechado, teve sabor especial para os fãs brasileiros

jamc2019spfabiosoares

Texto e foto por Fábio Soares

Meu par de experiências anteriores em apresentações do Jesus and Mary Chain não foi nada agradável. Em 2008, no extinto festival Planeta Terra, eu era uma ilha shoegazer cercada de fãs do Offspring por todos os lados – tendo em vista que a organização do evento escalou os Reid Brothers antes da trupe de Dexter Holland e seu insuportável (pseudo)punk rock. Já em 2014, no Festival Cultura Inglesa, problemas técnicos, chuva e falta de punch em cima do palco pôs aquela apresentação no halldas “esquecíveis” de meu currículo. Mas ainda bem que o tempo passou…

Quando uma nova apresentação de Jim e William foi anunciada em São Paulo, corri para garantir meu ingresso por um motivo muito simples: para mim, o JAMC (assim como o Interpol) não funciona a céu aberto. Sempre quis vê-los num minúsculo pub esfumaçado. Mas como quem não tem cão caça com gato, o Tropical Butantã abrigaria minha primeira vez com os ourives do shoegaze com um teto sobre minha cabeça. Na plateia do último 27 de junho, noite de Popload Gig, cabelos grisalhos davam o tom (eu, incluso). E tudo o que queríamos era, ao menos, um arremedo do que este gigante alternativo proporcionou a três décadas: um infinito universo de possibilidades sonoras, encharcadas de microfonias, sobreposição de efeitos fuzz e letras melancólicas. Expectativa grande, casa cheia e eis que, com pouco menos de quinze minutos de atraso, Will (guitarra) e Jim (voz) adentram o palco ladeados pelo baixista Mark Crozer, pelo baterista Brian Young e pelo outro guitarrista Scott Van Ryper.

“Amputation” abriu os trabalhos com um certo ar de nostalgia porque a bolacha que a abriga como faixa de abertura (Damage And Joy) é uma compilação de sobras de estúdio da banda durante um dos períodos em que William e Jim não se falaram. Aliás, chuto que das mais de cinquenta primaveras que a dupla tem de vida, em 70% delas um desejou ver o outro no fundo de um penhasco ou de uma piscina. Não se suportam. Se aturam. Mas ninguém quer saber disso.

“April Skies” mostrou à plateia como seria o tom da apresentação. A minimontanha de amplificadores montadas no palco foram ajustadas no volume cem para delírio dos presentes (eu incluso de novo). No palco, a fumaça artificial, iluminação etérea e a proposital contraluz entregavam que a música (pura e simples) seria a estrela da noite. Em “Head On”, emocionados semblantes cantavam o refrão em uníssono. Em “Blues From A Gun”, a potência dos equipamentos foi testada ao máximo. A impressão que se tinha é que ursos polares acordaram no Ártico com o volume das guitarras de William e Van Ryper. A performance do último, aliás, merece destaque: com trejeitos insanos e surrando o instrumento, o guitarrista lembra (e muito) Jonny Greenwood, a seminal guitarra do Radiohead. “Between Planets” pôs os esqueletos acima dos quarenta anos para chacoalhar, “The Living End” trouxe a divina sujeira de Psychocandy à tona e “All Things Pass” (a melhor faixa de Damage And Joy) teve efeito hipnótico ao recinto. O volume altíssimo dava às cartas à medida que apresentação se encaminhava para o fim da primeira parte magistralmente fechada com “Reverence”. Sujeira? Microfonia? Pra caralho! Graças a Jesus!

O bis se iniciou com um filme na cabeça de todos os presentes. Se tem algo que me deixa puto, é constatar que “Just Like Honey” jamais é citada em listas de “melhores canções de todos os tempos”. Dane-se! No top ten de meu coração, ela sempre figurará. A seguir, a execução de “Cracking Up” deve ter rendido uma multa ao Tropical Butantã por excessivo barulho após às 22h. Ainda atordoado e sem perceber a rapidez da apresentação que descia como água, o público viu o teto tremer, devido à exacerbada microfonia de “In a Hole” e celebrou “I Hate Rock ‘N’ Roll” como o fim do mundo que todos alí queriam ter.

Ao final, luzes acesas, amplificadores ligados e microfonia latente. Um público em êxtase por, finalmente, ver o gigante escocês do shoegaze numa sonora cápsula particular que fez nosso mundo girar ao contrário por noventa minutos. Zumbidos acompanharam o sistema auditivo de cada um no caminho de casa. Mas quer saber? Com certeza, ninguém reclamou. Afinal, a volta de Jesus entre os seus seguidores nunca foi tão saborosa.

Set list: “Amputation”, April Skies”, “Head On”, “Blues From a Gun”, “Mood Rider”, “Black And Blues”, “Far Gone And Out”, “Between Planets”, “Taste Of Cindy”, “The Living End”, “Never Understand”, “All Things Must Pass”, “Some Candy Talking”, “Halfway To Crazy” e “Reverence”. Bis: “Just Like Honey”, “Cracking Up”, “In a Hole”, “War On Peace” e “I Hate Rock’n’Roll”.

Music

Oruã + Fogo Caminha Comigo – ao vivo

Poder conhecer um novo local para shows íntimos em Curitiba coroou a alegria de uma noite comandada por ruídos, barulho e experimentações

oruã2018curitiba_lucianovitor

Texto e foto por Luciano Vitor

Essa pequena resenha demorou por motivos particulares, mas a alegria de ter presenciado dois shows pra lá de especiais foi motivo de uma alegria enorme no dia 16 de novembro na pequena e confortável Casa Vermelha. Próxima ao Largo da Ordem, um epicentro cultural do centro da capital paranaense, esta é uma casa transformada em local de shows, ao mesmo tempo um pequeno bazar vintage, bar com chope a preços módicos e comida vegana! Olha, já vi muitos lugares abrirem e em pouco tempo encerrarem suas atividades, mas a Casa Vermelha é tão legal e tão aconchegante que desejo vida longa ao mais novo endereço para shows intimistas em Curitiba!

Quem abriu os trabalhos da noite foi o grupo Fogo Caminha Comigo (que nome sensacional!!!). Cria da geração Y e adepto do noise, o quarteto formado por Ralph, Julio, Richardson e Romulo não começou bem. Uma microfonia na passagem de som incomodou o pequeno público, a ponto de alguns espectadores saírem de dentro da Casa Vermelha e só retornarem após o incômodo ser resolvido. Após uns dez minutos de intensa microfonia, começou propriamente o show. A primeira impressão que ficou foi de uma banda que sabe bem passear pelo post-punk, shoegazee um quê de emocore muitíssimo bem-casados. As linhas melódicas são interessantes, com o vocal um pouco abafado pelos instrumentos. No final das contas, revelou-se uma banda boa que requer mais rodagem e principalmente mais experiência na gravação. Seu único disco, chamado A Melancolia Vai Nos Separar Outra Vez, lançado em 2017 merece uma ouvida mesmo tendo seus altos e baixos. 

A expectativa era grande para o Oruã. Era o início da tour dos cariocas, que faziam de Curitiba apenas a segunda parada. O quarteto (em disco é um trio; nas apresentações, Joab Regis, o craque das baquetas de Lê Almeida e do John Candy, faz a percussão) chegou umas duas horas antes do show, vindo direto de São Paulo e trouxe não apenas um carro com cinco pessoas, malas, instrumentos e merchan, mas também a chance de finalmente adentrar o sul do país naquela que podemos afirmar ser a turnê mais ambiciosa do grupo formado há pouco mais de um ano.

A arrumação e passagem de som da banda foi tão rápida que nem dava para perceber que, apesar das muitas horas de estrada, o grupo estava com muita vontade de tocar. Com um set list calcado inteiramente em seu álbum de estreia, Sem Bênção, Sem Crença, lançado pelo selo independente Transfusão Noise Records, o grupo não aliviou nas experimentações ao calcar a pegada noite com os solos de guitarra de Lê, o baixo de João Luiz e a bateria de Phill Fernandes.

Na minha opinião, o grupo foi um pouco tímido no início. A verdadeira essência da banda apareceu em Curitiba do meio para o final do show. Como um atleta de alto rendimento que transforma o meio da corrida em diante na arrancada, o Oruã sentiu a plateia nos primeiros vinte minutos para, aí sim, exercitar a viagem sonora que costuma realizar ao tocar o seu debut de 2017. O show ficou acachapante e monstruoso, sem poupar as tradicionais levantadas de guitarra de Lê Almeida nem as viagens percussivas entre a bateria e percussão. A sensação era a de um embate entre a escola de bateria indie tradicional de frente com a família lo-fi Oruã, onde cabe todos os estilos possíveis.

E o DJ? Ainda há de ressaltar o DJ, cujo nome me esqueci de anotar. Um jovem que discoteca apenas com compactos em vinil com os melhores sons desconhecidos (ou não?) que eu já pude ouvir em toda a minha vida. Clássicos desconhecidos e lindos!

Aquela noite de 16 de novembro foi uma maravilha e, infelizmente, para poucos.