Movies

Brooklyn Sem Pai Nem Mãe

Trama escrita, dirigida e protagonizada por Edward Norton como um detetive cheio de tiques e TOCs rompe com a clássica estética noir

motherless brooklyn MB

Texto por Leonardo Andreiko

Foto: Warner/Divulgação

Brooklyn Sem Pai Nem Mãe (Motherless Brooklyn, EUA, 2019 – Warner), o novo filme de Edward Norton e segundo de sua carreira de diretor, é uma história detetivesca com enfoque em Lionel Essrog, portador de uma síndrome que provoca tiques nervosos, vocais e comportamentos obsessivo-compulsivos. Após a morte de seu chefe e mentor, Lionel desvenda uma trama política com diversos podres por baixo dos panos.

O texto, também de Norton, é adaptado de um livro homônimo de Jonathan Lethem e explora dois conflitos de Lionel: a busca pelo assassino de Minna, seu mentor interpretado por Bruce Willis, e a batalha diária contra uma doença incurável – e toda dor de cabeça que vem com isso. É justamente esse aspecto do personagem que prende o foco do filme e de seu espectador – a brilhante atuação de Norton é capaz de criar um protagonista multidimensional, capaz de comédia, mas também do drama. No entanto, Lionel é muito passivo. Isto é, os elementos da trama ocorrem a ele, não por causa dele, traço que se reflete no andamento de duas horas e meia – o que, infelizmente, é “tempo demais” para um longa-metragem hoje em dia.

Norton não é o único a realizar um ótimo trabalho em frente às câmeras. A maior companheira de tela de Lionel é Laura Rose, interpretada por Gugu Mbatha-Raw. Ela trabalha na intensidade certa, dosando bem as reações de outra personagem muito reativa. Alec Baldwin, o antagonista da trama, cria um personagem consciente de sua ameaça, sem precisar extrapolá-la para surtir efeito.

A fotografia traz à tona uma decisão estética interessantíssima de Brooklyn Sem Pai Nem Mãe, à qual até o roteiro contribui, em certa instância. Este é um longa com trama girando em torno de um detetive, nos anos de ouro dos Estados Unidos, em plena Nova York. Ainda assim, a obra rompe com diversas tradições do film noir, imortalizado como o “filme de detetive” por excelência. As cenas rodadas de dia, sem sombras duras projetadas ou até mesmo o chiaroscuro (o alto contraste entre sombras e realces), distanciam-se em muito dessa decisão estética que imperava lá pelos anos 1940 e 1950. No entanto, é possível ver as homenagens ao estilo fílmico em cenas noturnas, que são poucas, mas abusam dos conceitos do chiaroscuro para trazer dramaticidade. Ainda há de se levar em conta o esforço do desenho de produção em construir a ambientação da história, das grandes externas aos sets internos e intimistas, dentre os quais podem ser destacados  clube de jazz e o escritório de Minna. Convém, também, levar em conta o impacto que a música de Thom Yorke, tal como a versão de Wynton Marsalis, tem sobre a obra. Um dos momentos mais emocionantes, ainda no primeiro ato, é amparado inteiramente em Daily Battles, que toca até perto de seu final.

Enfim, Brooklyn Sem Pai Nem Mãe é um filme interessante, bem feito, bem atuado e bem dirigido. No entanto, ele não tem quaisquer características excepcionais: da mesma forma que é bom também mas não é memorável. Diferentemente de demais títulos esquecíveis, esse não é assim por ser mediano. Sua história é interessante, estética apurada e ótimas atuações fazem de Motherless Brooklyn um belo filme de telecine, daqueles ao qual assistimos tranquilamente no fim de semana, zapeando os canais da TV por assinatura.

Music

How To Dress Well – ao vivo

Sozinho no palco, Tom Krell arrasta os espectadores do Balaclava Fest para sua dimensão íntima de abstrações e sentimentos

balaclavafest2019howtodresswell_fabriciovianna

Texto por Daniel González Xavier

Foto: Fabricio Vianna/Balaclava/Divulgação

O norte-americano Tom Krell, nome por trás do projeto solo How To Dress Well, iniciou sua apresentação para as poucas pessoas que acabavam de adentrar o espaço Club da Audio (SP), após o encerramento do show do Wild Nothing no Balaclava Fest do último 27 de abril. Logo de cara, estabeleceu um pacto de intimidade e cumplicidade com o público presente através de sua emocional mescla de electronica, R&B e pop experimental que irradiava, junto às cores e texturas, provenientes das projeções visuais generativas no fundo do palco.

Minutos depois o espaço estava lotado e o How To Dress Well arrastava os expectadores para sua dimensão íntima e pessoal, em um difícil equilíbrio entre sutileza e força através da combinação de cálidas harmonias, vozes em falsete e beats evocados por sintetizadores e sequenciadores de ritmo. O músico se alternava entre dois microfones carregados de efeitos para sobrepor e acoplar a própria voz, que se materializava de diversas formas rumo à construção de atmosferas, ora sombrias ora luminosas.

Impressionou a capacidade de Tom Krell em transpor para o palco seus pensamentos, tristezas e temores como se não houvesse filtro entre seus sentimentos e sua música. As letras fluíam de forma terna, mantendo o peso das palavras através de uma voz reconhecível, mesmo quando sobreposta por capas e efeitos.

Porém o melhor de seu live esteve guardado nas entrelinhas. Eram estalidos, rupturas sonoras, glitches e abstrações que emergiam abruptamente, criando fraturas e dissonâncias para logo se harmonizarem com a sua particular mistura de pop e rhythm and blues.

Set List: “Human Disguised As Animals ŸNonkilling 1”, “Body Fat”, “Nonkilling 3 ŸThe Anteroom ŸFalse Kull 1”, “Nonkilling 13 ŸCeiling For The Sky”, “Love Means Taking Action”, “Vacant Boat”, “Suicide Dream 1 (Orchestral Version)”, “Nothing”, “Words I Don’t Remember” e “Nonkilling 6 ŸHunger”.