Movies

O Farol

Thriller psicológico com Robert Pattinson e Willem Dafoe aumenta as expectativas para o futuro da carreira do diretor Robert Eggers

thelighthouse2019MB

Texto por Leonardo Andreiko

Foto: Vitrine Filmes/Divulgação

Sendo um dos mais antecipados filmes do ano passado, O Farol (The Lighthouse, Canadá/EUA, 2019 – Vitrine Filmes), de Robert Eggers, distancia-se do horror comercial que ocupou as telas dos cinemas brasileiros – com cobertura modesta em Curitiba, o longa só está em exibição no Cine Passeio. Estrelado por Robert Pattinson e Willem Dafoe, O Farol é de cair o queixo.

O roteiro, assinado por Eggers e seu irmão Max, retrata o isolamento de Thomas Wake (Dafoe) e Ephraim Wilson (Pattinson), que fora contratado por aquele para ser seu ajudante no farol que comanda no meio do mar. Aos poucos, o clima na pequena ilha que habitam torna-se cada vez mais nervoso – (e o espectador acompanha esta tensão), transformando O Farol num retrato do enlouquecimento ao mesmo tempo que uma visita ao enlouquecimento que nos é subjetivo. O texto é conciso, oscilando entre o falatório de Wake e o silêncio inquieto de Wilson, amparado por um simbolismo que flerta com a mitologia greco-romana e uma estética aterrorizante, mas não do jeito jumpscare de se aterrorizar.

Em vez de “terror” de fato, esta é uma obra de thriller psicológico. Convida o espectador para uma jornada tão enclausurada quanto a de seus personagens por meio de sua razão de aspecto: o filme é praticamente quadrado, mais estreito que os filmes clássicos dos primórdios do cinema, filmados em uma razão 1.33:1. O Farol, por sua vez, é fotografado em 1.19:1.

Essa é somente uma das inúmeras decisões de Eggers que destacam seu trabalho de direção. As imensas sombras projetadas nas paredes e nos próprios atores, o enquadramento de seus personagens (muitas vezes em um contra-plongée anguloso) e a utilização de planos longos são marcas registradas aqui, aproximando a obra da estética do impressionismo alemão, com reflexos da inventividade do noir. Tal proximidade é fruto da colaboração do diretor com o diretor de fotografia Jarin Blaschke, com quem trabalhou em A Bruxa. Ele faz um ótimo uso do filme de 35mm, que confere mais desta atemporalidade à trama. Ainda há a manipulação da cor do filme – que traz céus mais escuros que o mar em planos de beleza ímpar.

A montagem de Louise Ford (pasmem: também egressa de A Bruxa) é exemplar. Criando um ritmo que é próprio de O Farol, Ford corta apenas quando necessário, entregando ao espectador planos longos, com mise-en-scène exemplar de Eggers, mas sem medo de justapô-los aos densos close-ups, onde Dafoe e Pattinson têm total controle da tela – e mais podem brilhar.

Contudo, há um ponto de primor em O Farol que nada contra a revisitação estética do passado do cinema: a música de Mark Korven (pasmem: ele também trabalhou em A Bruxa). O compositor cria uma atmosfera eletrizante e desconfortável, com timbres atuais e uma experimentação que é típica deste século 21, que acaba por atribuir à obra um frescor contemporâneo. Não é nada extremamente inovador, mas é único ao longa. As sequências não teriam tanto impacto psicológico sem a música de Korven.

Ela acompanha todo um desenho de som, de Mariusz Glabinski e Damian Volpe, que a auxilia a desenvolver essa atmosfera opressiva e de tensão inigualável. No entanto, este filme faz jus às capacidades criativas do desenho de som de modo tal que nenhum título lançado em 2019 (embora tenha se atrasado por aqui, O Farol teve lançamento mundial no ano passado), em um instante que se impregna na memória. Assim que assistir ao longa, o leitor será capaz de identificar o momento que descrevo. E digo mais: O Farol deveria se encerrar ali.

O Farol se destaca entre todos os lançamentos dos últimos anos, aumentando as expectativas para a carreira de Robert Eggers vertiginosamente. Com sensibilidade, tensão e a medida certa de experimentação para afastá-lo do convencional sem fazê-lo de vez, o filme é destaque em todas as áreas da produção cinematográfica. Do começo a depois de seu fim, ele te prende na cadeira da sala de cinema. E o convida a enlouquecer junto ao seu incrível elenco.

Music

Gang 90 – ao vivo

Taciana Barros reúne músicos da banda e chama convidados especiais em apresentação para celebrar a aura do fundador Júlio Barroso

Gang90Amarço2019sp_taciana_dufraipont

Taciana Barros

Texto por Fábio Soares

Fotos por Edouard Fraipont

No final da tarde do domingo de Carnaval, 24 de fevereiro, dezenas de blocos ainda agitavam os quatro cantos da capital paulista. Porém, na Zona Oeste, um carnaval particular prometia agitar o Sesc Pompeia: a Gang 90 estava de volta! Capitaneado pela multi-instrumentista Taciana Barros, o projeto A Nossa Onda de Amor Não Há Quem Corte, que acompanhou o lançamento do livro de mesmo nome – compilação de poemas, letras e textos escritos por Julio Barroso (1953 – 1984) – revisitou o universo idealizado por ele em duas noites que misturaram os formatos de show, peça teatral e sarau.

A apresentação no Sesc Pompeia imergiu a audiência numa viagem áudio-literária. Na banda principal, veteranos consagrados como Paulo Le Petit (baixo), Beto Firmino (teclados e voz) e Herman Torres (guitarras) além do reforço de peso de Edgard Scandurra (Ira!) nas guitarras e bateria. Nos vocais de apoio, Bianca Jhordão (Leela) e a cantora e atriz Eloiza Paixão, encarnaram as Absurdettes acompanhando Taciana nas coreografias oitentistas.

Gang90Bmarço2019sp_eloizabiancataciana_dufraipont

Eloiza Paixão , Edgard Scandurra, Taciana Barros e Bianca Jordão

Na abertura, o swing de “Palavras Não Bastam” (do álbum Pedra 90, de 1987) deu o tom, seguido de “Rosas & Tigres” (do álbum homônimo, de 1985) e “Marginal Conservador”, do aclamado álbum de 1983, com seus acachapantes versos “Já me sentindo dopado pelo álcool/ A correr pelas veias/ Com meu ciúme e amor/ Eu teci varias teias”. Nos interlúdios, intervenções poéticas de Ian Uviedo, Natália Barros e do vocalista dos Mickey Junkies, Rodrigo Carneiro. Trechos de poemas beat, escritos de Júlio e o Manifesto Modernista eram o ingrediente a mais na apresentação, que teve, é claro, seus pontos altos nos clássicos radiofônicos e televisivos do grupo.

“Nosso Louco Amor” foi a responsável pela viagem no tempo à abertura da novela global de Gilberto Braga, de 1983. Já em “Telefone”, Taciana convidou o público a entoar o refrão sem parar, deixando bem claro que só uma “onda de amor” é capaz de nos fazer passar incólumes nestes atuais tempos conturbados que vivemos.

Coube a Filipe Catto, a provável participação mais visceral da noite. Sua emocionada interpretação de “Do Fundo do Coração”, do álbum Rosas & Tigres fez com que o cantor se declarasse à timoneira do projeto: “Taciana não sabe, mas escreveu esta canção para mim, muito antes de eu nascer”.

Gang90Cmarço2019sp_filipetaciana_dufraipont

Filipe Catto e Taciana Barros

No fim, a catarse teve seu epílogo com a reprise de “Perdidos na Selva”. O eterno hit lá do comecinho dos anos 1980, apresentado ao país durante uma performance no festival MPB Shell 81, transmitido pela Globo, pôs todo mundo pra dançar no Sesc Pompeia. De ponto onde eu estava, poderia apostar que na cabeça de Taciana Barros passou-se a sensação de alívio pelo dever cumprido com maestria. Onde estiver, Júlio Barroso deve ter aberto um “sorrisão Colgate” com tamanha homenagem. Ele pode. Ele merece.

Set List: “Palavras Não Bastam”, “Qualquer Gesto”, “Rosas & Tigres”, “Marginal Conservador”, “Nosso Louco Amor”, “Jack Kerouac”, “Românticos A Go-Go”, “Noite e Dia”, “Do Fundo do Coração”, “Perdidos na Selva”, “Quero Sonhar Com Você”, “Cara Pálida”, “Convite Ao Prazer”, “Telefone”, “Eu Sei Mas Eu Não Sei”. Bis: “Perdidos na Selva”.