Music

Jarv Is…

Disco de estreia de nova banda formada pelo ex-líder do Pulp traz de volta as letras afiadas e acrescenta instrumentos não muito comuns ao rock

Texto por Ana Clara Braga

Foto: Divulgação

Os tempos áureos do britpop foram há duas décadas e meia. Porém, algo não muda até hoje: Jarvis Cocker continua sendo lembrado como uma dos nomes mais famosos e intelectuais do movimento. Sua banda, o Pulp, foi responsável pelo que talvez possam considerar-se as músicas mais “cabeça” da época. Agora, algum tempo depois, ele mostra ainda estar com a caneta afiada, mesmo que agora sem sua antiga banda. 

Em 2017, depois de dois trabalhos solo em seu nome (lançados nos já longínquos anos de 2006 e 2009) e mais um em parceria com o pianista Chilly Gonzales, Cocker formou um novo grupo. Mais complexo que o nome Jarv Is… era o conceito prévio: seria apenas para tocar ao vivo. Após alguns ajustes, porém, a banda produziu seu primeiro álbum, intitulado Beyond The Pale (Rough Trade/ForMusic). Com sete extensas faixas, o disco é produção não linear e traz composições que borram os limites entre o ao vivo e a maneira costumeira de se gravar separadamente cada instrumento no estúdio.

Uma das características mais marcantes do Pulp era o tom cinematográfico de suas músicas. Em Beyond the Pale essa característica está presente: as canções parecem grandiosas, por vezes longas demais. É possível sentir doses de Leonard Cohen e Nick Cave ao longo do projeto, o que adiciona novas camadas ao já cativante charme de Cocker.

“House Music All Night Long” é o maior destaque do disco. “Lost In The Land Of The Living Room Adrift In A World Of Interiors” torna-se facilmente um hino para o ano de 2020. A música relembra o que o Pulp produziu de melhor nos anos 1990. “Sometimes I Am Pharaoh”, por sua vez, destaca-se por ter uma das melhores produções, algo que remete às canções inebriantes do Animal Collective. 

Em Beyond the Pale, a composição é certeira e o ponto mais alto do trabalho. Todas as sete faixas são de alguma forma reflexivas, como poesias codificadas. Cocker presenteia o público com metáforas, críticas, jogos de palavras dignos de seu talento.  “I can resist gentrification, but I cannot resist temptation”, entoa ele em “Swanky Modes”.

Enquanto nas letras o disco atende a todas as expectativas, a produção é inconstante. A banda que acompanha Jarvis é ótima e adiciona diversos elementos não comuns ao rock – como harpa e violino. Porém, a duração de algumas faixas e a falta de uma transição mais suave comprometem a experiência. O conceito de banda-viva é visível, mas infelizmente seria melhor aproveitado se escutado ao vivo, durante um concerto. Um pente fino poderia ter dado mais refinamento à melhor obra de Cocker desde seus dias de ídolo do britpop.

Beyond the Pale é uma experiência musical nascida da visão de um dos músicos mais interessantes das últimas décadas. É, também, apenas o primeiro projeto da nova etapa da carreira de Jarvis Cocker e torna-se bem sucedido em cativar o público já arrebatado por ele durante todo esse tempo a ponto de deixar um gostinho de quero mais.

Movies

Você Não Estava Aqui

Diretor Ken Loach escancara a uberização da sociedade e as falsas ideias trazidas aos trabalhadores pela ilusão da ideia de meritocracia

sorrywemissedyouMB

Texto por Ana Clara Braga

Foto: Vitrine Filmes/Divulgação

Em 2020 é difícil encontrar alguém que não use os serviços de Uber, iFood, Amazon e outros apps de entrega baixados no celulares. A comodidade de conseguir o que deseja diante de alguns cliques tem um preço invisível aos olhos do consumidor. Você Não Estava Aqui (Sorry We Missed You, Reino Unido/Bélgica/França, 2019 – Vitrine Filmes), mais recente trabalho do diretor britânico Ken Loach, aborda a chamada uberização da sociedade e como esse movimento pode afetar pessoas que buscam sair de dívidas e melhorar de vida.

Ricky (Kris Hitchen) é um pai de família que embarca no desafio de tornar-se trabalhador informal, com a ilusão de que terá mais liberdade e facilidade em ascender. Sua esposa Abby (Debbie Honeywood) espreme seus horários como cuidadora de idosos e enfermos em uma agência que pouco se preocupa com os clientes. Enquanto isso, os filhos do casal, um adolescente problemático e uma garotinha sentimental, sentem na pele a ausência e a crise da família.

Já na cena inicial o filme mostra a que veio. O novo chefe de Ricky explica o modelo de trabalho (entregas) e romantiza a profissão dizendo que ele não estará trabalhando para a empresa e sim com a empresa e não terá contrato. O que está nas entrelinhas é que o protagonista está iniciando um emprego sem direitos trabalhistas. Para poder começar as entregas, vende o carro da família para adquirir uma van e passa a trabalhar longas horas.

O roteiro é simples e cru. Tem uma aura de documentário, como se houvesse câmeras escondidas acompanhando as dificuldades de uma família real. É fácil esquecer que se está assistindo a um produto fictício, até porque não é necessário usar a imaginação para saber que o que se passa na tela é real.

Ken Loach, em entrevista promocional desta obra, disse que uma das maneiras de frear a extrema direita é acabando com as inseguranças trabalhistas. Os subempregos relatados no filme são fontes de frustração e infelicidade para os personagens e tantos outros trabalhadores que se iludem com falsas promessas de independência.

Você Não Estava Aqui (o título em português é uma ligeira adaptação da mesma frase em inglês utilizada em um bilhete oficial quando o destinatário não é encontrado no momento da entrega da encomenda) é um soco no estômago para todos que utilizam aplicativos e serviços para facilitar a vida. O diretor é certeiro ao optar pela simplicidade do cotidiano. Isso já o suficiente para atingir o público. Nada neste longa é por acaso. Todos os elementos apresentados, mesmo que sutilmente, tem lugar na trama, sejam eles chaves, porta-retratos ou garrafas plásticas.

Se em Tempos Modernos Charlie Chaplin criticou a mecanização do trabalho proposta pelo fordismo, Loach, em Sorry We Missed You, denuncia o tratamento desumano ao qual o proletariado se submete quando enganado pela ideia de meritocracia. A uberização da sociedade é cruel. Como nas palavras do próprio diretor, “não é mais necessário que um patrão use o chicote, porque o trabalhador explora a si mesmo”.

Movies

1917

História ambientada na Primeira Guerra Mundial é tecnicamente perfeita porém sem conteúdo substancial

movie1917mb

Texto por Leonardo Andreiko

Foto: Universal Pictures/Divulgação

O mágico Roger Deakins. Sam Mendes, o diretor de Skyfall e Beleza Americana. Composição de Thomas Newman. No elenco, Colin Firth, Andrew Scott e Benedict Cumberbatch, o duo de Sherlock. Mais Richard Madden e Dean-Charles Chapman, Robb Stark e Tommen Baratheon, respectivamente. Mais George McKay, de Capitão Fantástico. Vários ingredientes para o sucesso, não é? Nem tanto.

1917 (Reino Unido/Estados Unidos, 2019 – Universal Pictures) chega aos cinemas brasileiros com um grande hype. Recém-coroado melhor filme de drama pelo Globo de Ouro (algo questionável, para ser bondoso), sua trama, que se passa na Primeira Guerra Mundial (começando em 6 de abril de 1917, precisamente), acompanha os cabos Schofield e Blake (McKay e Chapman, respectivamente) na missão suicida de atravessar as linhas inimigas e cancelar um ataque inglês, que, caso efetuado, cairá direto numa armadilha alemã.

Tecnicamente, o filme é irretocável. Como sempre, a fotografia de Deakins desenvolve a atmosfera, repleta de trincheiras e cidades destruídas, criando magnitude e opressão no mesmo plano. Cada quadro, uma pintura, sem dúvidas. Aqui, no entanto, há um desafio a mais: 1917 é rodado inteiramente em planos sequência, com muita movimentação de câmera e personagens.

Numa versão grandiosa da abertura de Skyfall, Mendes acompanha cada passo de Schofield e Blake, do momento em que são chamados pelo General Erinmore (Firth) até a completude de sua missão. Há uma clara ciência dos riscos, em especial em diálogos, mas o comprimento infindável dos planos torna a tensão da guerra muito mais palpável.

O desenho de som (indicado ao Oscar, aliás) é primoroso, mesclando o hiperrealismo que o gênero pede à sensacional trilha de Thomas Newman, que combina os opressores sintetizadores segurando uma nota com momentos épicos, melódicos e grandiosos. A edição, por outro lado, fica renegada a um trabalho de colar peças no exato momento em que a direção planejou que elas fossem coladas. A dimensão criadora da montagem é inexistente aqui, o que não é em si um demérito, mas uma pena – visto que se perde muito da atuação do ótimo elenco ao abolir a opção de um plano/contra-plano.

No entanto, com todos os seus méritos, 1917 é um filme de espetáculo, e é somente assim que funciona. A excelência de Deakins e o movimento incessante da câmera carregam o filme por suas quase duas horas, porém a falta de densidade dos protagonistas e diálogos curtos e grossos – um ponto alto do longa, já que não se espera exposição à toa no meio de uma guerra, não é? – afasta o público de imersão na jornada do personagem, tornando essa duração um pouco arrastada, quase entediante em dados momentos. Assim, os personagens tornam-se vazios e os coadjuvantes mais ainda – completamente efêmeros e, se não fosse pela densidade das atuações, momentos esquecíveis.

O longa é repleto de bons momentos, com tensão e atuações fenomenais, só que os respiros entre eles desaceleram demais a trama, sem tração para manter o espectador emocionalmente envolvido. 1917 é, no entanto, um ótimo retrato da guerra, crua e assoladora. Neste sentido, o tempo do filme somente engrandece o comentário, por aterrar o público não somente nas batalhas, mas no dia a dia, as longas caminhadas, a fome e o medo de um cabo na Grande Guerra. Contudo, os personagens não passam disso: soldados na WWI, perdendo a camada emocional tão poderosa da sétima arte.

Tecnicamente superior à maioria dos filmes de guerra, 1917 é um experimento cinematográfico impactante, uma experiência fílmica de colar o espectador na cadeira. Quando respira, porém, lembra o público que é oco, uma experiência sem substância. Lindo pacote, presente medíocre.