Music

L7 – ao vivo

Duas aulas de feminismo e resistência, performances juvenis arrebatadoras mais aquela certeza do eterno caráter transgressor do rock alternativo

L7portoalegre2018_fernandohalal

Suzi, Jennifer e Donita em Porto Alegre

Texto por Fernando Halal (Porto Alegre) e Abonico R. Smith (Curitiba)

Fotos de Fernando Halal/FHF (Porto Alegre) e Priscila Oliveira/CWB Live (Curitiba)

Um quarto de século após a histórica apresentação no Hollywood Rock, onde ofuscaram até mesmo um tal de Nirvana, as musas do L7 voltaram ao Brasil para uma disputada turnê que percorreu cinco capitais. Mas este é um cenário bem diferente daquele encontrado em 1993. O grunge perdeu vários de seus heróis para as drogas e a depressão. Chris Cornell, Layne Staley, Scott Weiland, todos deixaram uma lacuna difícil de preencher. Kurt Cobain virou mártir absoluto. E o rock, como todos sabemos, jamais teve um movimento de renovação tão forte quanto aquele.

E quanto ao L7 de hoje? Haveria ainda espaço para as notórias excentricidades do quarteto, como jogar absorventes na plateia ou mostrar a bunda para a TV em horário nobre, como na última vez delas por aqui?  Obviamente não. Até porque, no mundo pós-grunge, o politicamente incorreto é uma lembrança remota. Mas não se engane: em Porto Alegre, a noite de 4 de dezembro de 2018 teve peso e sujeira transbordantes. As atrações de abertura do Morrostock Vênus em Fúria seguiram o clima e também se destacaram pela representatividade: teve o dínamo punk Replicantes (da irrequieta vocalista Julia Barth) e, antes deles, Bloody Mary Una Chica Band, o projeto garage noise da multi-instrumentista Marianne Crestai (ex-Pullovers). Em suma, distorção girl power foi o que não faltou.

As cortinas reabriram para a atração principal. No palco, as pioneiras do movimento riot grrrl continuam velozes, lisas, empilhando riff em cima de riff – elas só estão mais sorridentes, e acredite, isso é muito bom. O grupo voltou em 2015 na sua formação mais clássica, após o hiato de quase uma década e meia. Donita Sparks (voz/guitarra), Suzi Gardner (guitarra), Jennifer Finch (voz/baixo) e Dee Plakas (bateria) seguem entregando um show vigoroso e que não evidencia qualquer marca do tempo. O repertório passeia por todas as fases, com destaque para os álbuns Bricks Are Heavy (1992) e Smell The Magic (1990), sempre com uma energia absurda. A chance de testemunhar ao vivo petardos como “Fast And Frightening”, “Pretend We’re Dead” e “Everglade” era o sonho molhado de qualquer jovem espectador da MTV dos anos 1990, e o L7 não decepcionou. Ainda houve espaço para a clássica “Shitlist”, que figurou na trilha sonora de Assassinos por Natureza (1994), além de faixas mais recentes, como “Come Back To Bitch” e “Dispatch From Mar-a-Lago”.

Definitivamente, a idade não chegou para a banda; não é todo dia que se pode testemunhar quatro mulheres na faixa dos 55 anos batendo cabeça, ajoelhando até o chão e fazendo air guitar sem soar datado ou ridículo. Sorte que o L7 nunca foi uma banda qualquer. Muito mais que um show de rock feito para tiazinhas pagarem suas contas, o que se viu foi uma celebração à vida e ao barulho, ao poder feminino, a envelhecer com desprendimento e amor próprio. Não é pouco, mesmo. (FH)

***

l7curitiba218_prioliveira

Donita e Jennifer em Curitiba

O neoliberalismo é uma doutrina opressora, tanto social quanto economicamente. Vamos começar a sentir isso na pele logo a partir da virada do ano. Os britânicos sabem muito bem o que foi o regime mão-de-ferro da primeira ministra Margaret Thatcher entre 1979 e 1990. Já os americanos experimentaram uma versão um pouco menos severa durante os oito anos (1981-1989) em que o republicano Ronald Reagan esteve à frente da Casa Branca.

E o que isso tem a ver com o rock’n’roll? Simplesmente, muito. Afinal, não fosse a apatia geral da juventude do país naquela época talvez não houvesse surgido em torno dos principais centros universitários do país uma geração inconformada que uniu música e atitude e revolucionou o rock daquela época. Esta turma consolidou, com muito punk e hardcore na veia e uma boa dose de um heavy metal mais desacelerado, o que viria a ser chamado posteriormente pela indústria de “alternativo” e mais tarde ficaria conhecido no Brasil sob a alcunha geral de indie.

E quais eram as melhores armas para se enfrentar os tempos bicudos de opressão socioeconômica somada a pessimismo, depressão e desesperança? Um caldeirão de ativismo político repleto de elementos como cinismo, deboche, tosqueira, improvisos, quebra de paradigmas e sobretudo o eterno desafio ao estabilishment. Foi nos porões, muquifos e vans pela estrada afora por todo o país que aquela geração gerou uma série de ícones underground. Uns tornaram-se muito populares, mesmo não sabendo trabalhar direito com os percalços trazidos pela fama, como foi o caso de Nirvana e REM. Outros chegaram a flertar com o sucesso de massa por um curto intervalo de tempo. Vários outros construíram uma carreira consolidada e respeitada e até hoje, ainda na ativa ou não, conquistaram o direito definitivo de morar no coração de uma devotada legião de fãs.

O L7 se equilibra nestas duas últimas categorias. De volta aos palcos e estúdios após um longo hiato que durou de 2001 a 2015, o quarteto prepara aos poucos um novo disco – duas canções já foram apresentadas, “I Came Back To Bitch” e “Dispatch From Mar-a-Lago”, a última um tapa na cara do presidente Donald Trump tal qual faz o Batman no Robin naquele famoso meme. Enquanto isso, Donita Sparks (guitarra e voz), Suzi Gardner (guitarra e voz), Jennifer Finch (baixo e voz) e Dee Plakas (bateria e vocais) continuam espanando a poeira circulando pelos palcos alternativos dos EUA e do mundo. No final de 2018, deram uma circulada por Chile e Brasil, fazendo seis shows em sete dias, no melhor esquema “banda em início de carreira”, apenas trocando a van por aviões em virtude das grandes distâncias do lado de baixo do Equador.

Na noite de 5 de dezembro a banda passou por Curitiba, como headliner da segunda edição do festival Coisarada, realizado no Hermes Bar. E por lá mostraram que continuam com seu teen spirit imutável. O que poderia significar percalço – como gripe, doença e o peso da idade (que hoje varia dos 52 aos 58 anos) – foi tirado de letra durante quase uma hora e meia de show, com muita garra, vontade e alma rock’n’roll. A dupla Sparks-Finch, então, é um caso à parte em sua performance: não faltaram as tradicionais balançadas de cabeça, poses para fotógrafos e tiradas bem-humoradas ao microfone.

O repertório ficou dividido entre os quatro clássicos álbuns lançados entre 1990 e 1997: Smell The Magic, Hungry For Stink, The Beauty Process: Triple Platinum e Bricks Are Heavy, com ligeira tendência preferencial para o último, de onde saíram sete faixas para o set list. A sonoridade, claro, torna-se bem mais crua ao vivo. Sem muitas sutilezas, tal como um monolítico bloco de riff se pequenos solos em bases que trafega entre o punk e o heavy e a adição de melodias pegajosas mais versos curtos, diretos e sem firulas líricas. E, claro, com os tradicionais erros seguidos da parada da banda inteira para começar a mesma música de novo. A beleza da imperfeição.

O começo foi arrasador, com a ousadia de engatilhar quatro clássicos logo de cara (“Deathwish”, “Andres”, “Everglade” e “Monster”). Do meio para o final foi mais um show para fãs de carteirinha, aquelas pessoas que cantam as letras todas, que esperavam ouvir também as duas novidades na noite, que se encatam com o resgate de pérolas “lados B” dos discos. Para o bis foram reservados um cover de heróis delas (neste caso, “American Society”, do obscuro grupo punk de uma early eighties Los Angeles Eddie & The Subtitles) mais o hit “Pretend We’re Dead” (até hoje presente nos playlists de rádios brasileiras de perfil rock) e a cult “Fast And Frightening” (o verso “Got so much clit she don’t need no balls” será sempre um irresistível slogan da banda).

Terminado o show do L7 ficou a feliz sensação de que, mais uma vez, esta mesma geração põe a cara a tapas para mostrar o quão nocivo, transgressor e perigoso o rock ainda pode ser, sobretudo diante de pretensões autoritárias e opressivas de se governar o mundo e controlar a vida das outras pessoas. Sorte que bandas como estas fizeram muitos discípulos por aí. Em Curitiba, as duas atrações de abertura provaram isso: o Shorts, com seu misto de blues, noise e psicodelia; e o ruído/mm, com suas várias ambientações instrumentais que muitos chamam de post-rock. Garanto que, ao sair de um Hermes Bar lotado e plenamente satisfeito com a trinca da noite, ninguém pensou que o rock está morto ou ainda precisa ser salvo. Pelo contrário, aliás. Quem precisa ser salvo são os outros. Pessoas e gêneros musicais. (ARS)

Set list Porto Alegre e Curitiba: “Deathwish”, “Andres”, “Everglade”, “Monster”,  “Scrap”, “Fuel My Fire”. “One More Thing”, “Off The Wagon”, “I Need”, “Slide”, “Crackpot Baby”, “Must Have More”, “Drama”, “I Came Back To Bitch”, “Shove”, “Freak Magnet”, “(Right On) Thru”, “Dispatch From Mar-a-Lago” e “Shitlist”. Bis: “American Society”, “Pretend We’re Dead” e “Fast And Frightening”.

Music

Teenage Fanclub – ao vivo

A celebração do fim de uma era com despedida de Gerard Love, clássicos álbuns inteiros e incógnita sobre o futuro da banda

teenagefanclub2018london01_johnmarshall

Texto por Henrique Laurindo (Buffalo Postcard)

Foto de John Marshall (GigPix)

Há alguns meses foi anunciado que os escoceses do Teenage Fanclub revisitariam seu catálogo lançado pela Creation Records nos anos 1990 em uma série de shows pelo Reino Unido. Na sequência, para o total choque dos fãs, também foi anunciado que Gerard Love, baixista, vocalista e um dos fundadores e principais compositores deixaria a banda, abrindo assim especulações sobre o futuro dos Fannies, como são carinhosamente apelidados.

Foi então que na fria noite londrina de terça-feira, 13 de novembro,  sob muitas palmas e antecipação, que a primeira formação clássica do Teenage Fanclub (Norman Blake, Raymond McGinley, Gerard Love e Brendan O’Hare) subia ao palco o Electric Ballroom para tocar na íntegra os clássicos álbuns Bandwagonesque e Thirteen, discos que influenciaram toda uma geração e que faziam a ponte com outros tunesmiths do passado: o Big Star.

Três bateristas. Três bandas diferentes. “Uma banda só é tão boa quanto seu baterista” é o chavão repetido por músicos e jornalistas desde os primórdios do rock’n’roll. Isto foi exemplificado sem sombra de dúvidas nessas três noites que fecharam a turnê britânica do Teenage Fanclub.

Com Brendan O’Hare as músicas são mais retas, direto ao ponto e com um punch incrível. “Starsign” mostrou que talvez eles não mais conseguissem repetir a vitalidade de outrora,  porém isso foi revertido na igualmente rápida “Radio”, já no segundo set. Bandwagonesqueterminou com a instrumental “Is This Music”, como Norman e Love trocando instrumentos e reunindo pela primeira vez no palco todos os músicos que fazem parte dessa tour: Frances McDonald (bateria, violão, teclados e vocais), Dave McGowan (guitarra, violão, teclados), Paul Quinn (bateria), alem dos já citados Norman, Raymond, Gerard e Brendan.

Na quarta-feira, foi a vez do baterista Paul Quinn e dos álbuns que, na minha opinião, são o ápice da criatividade do Teenage Fanclub: Grand Prix (dependendo em quem acreditar, isso pode ser lido como Grɒ̃ ‘Pri ou Grand Pricks – deixo a tradução pra vocês) e Songs From Northern Britain.

Se com Brendan as musicas eram urgentes e juvenis, com o tecnicamente superior Paul Quinn o foco passa a ser nas melodias impecáveis, em canções mais sólidas e fluidas. Nessa segunda noite, o som da casa também estava bem melhor ajustado.

Também foi no segundo dia que a importância de Gerard Love ficou ainda mais evidenciada: músicas como “Don’t Look Back”, “Sparky’s Dream” e “Ain’t That Enough” foram cantadas com tanta devoção pelo público que levou a todos questionaram como será possivel pra banda continuar na estrada sem um membro tão importante. Contrastando com essa triste noção que esses seriam os três últimos shows do baixista (fato a todo instante lembrado pelos fãs que gritavam “Don’t leave Gerry, we love you!”) o grisalho e fanfarrão escocês Brendan O’Hare deu um show à parte: abraçava todo mundo, interrompia as musicas, roubava o microfone de Norman Blake pra dar impagáveis tiradas, pulava e dançava. Sua presença e alegria em estar tocando com seus velhos amigos contagiou e confirmou a todos presentes que estávamos diante de algo muito especial.

O ultimo dos três dias foi reservado para Howdy! (disco que adoro, mas que divide a opinião dos fãs) mais b-sides e raridades, incluindo a ótima cover pra “He’d Be A Diamond”, escrita pelo enigmático Nicholas Saloman aka The Bevis Fond. Nesse show, Frances McDonald foi à bateria para algumas músicas. O contraste com os outros bateristas era evidente. McDonald é um músico completo, tecnicamente excelente, mas sem a personalidade de seus antecessores.

O show poderia ter terminado com a penúltima musica “Broken” (lado b de “Ain’t That Enough”), que, com seu clima Stones e letra simples e direta, provocou um singalong emocional da plateia que mais uma vez lotava a venue. Arrepiou. Mas a banda não queria acabar em clima de tristeza. Então Brendan voltou à bateria e Norman Blake declarou: “Esse foi o nosso primeiro single”. A banda, então,  entregou-se a um bombástico e caótico “Everything Flows” que culimnou com Blake na bateria e Brendan fazendo microfonias na guitarra. Ao final deste terceiro show, a banda abandona o palco e caminha para um futuro incerto.

Brendan, moleque maroto que é, outra vez roubou a cena e declarou: “Best dicks in the world!”. Nós sabemos disso, Brendan. Nós sabemos.

Set list 13.11: “The Concept”, “Satan”, “December”, “What You Do To Me”, “I Don’t Know”, “Star Sign”, “Metal Baby”, “Pet Rock”, “Sidewinder”, “Alcoholiday”, “Guiding Star”, “Is This Music?”, “Hang On”, “The Cabbage”, “Radio”, “Norman 3”, “Song To The Cynic”, “120 Mins”, “Escher”, “Commercial Alternative”, “Fear Of Flying”, “Tears Are Cool”, “Ret Liv Dead”, “Get Funky” e “Gene Clark”.

Set list 14.11: “About You”, “Sparky’s Dream”, “Mellow Doubt”, “Don’t Look Back”, “Verisimilitude”, “Neil Jung”, “Tears”, “Discolite”, “Say No”, “Going Places”, “I’ll Make It Clear”, “I Gotta Know”, “Hardcore/Ballad”, “Start Again”, “Ain’t That Enough”, “Can’t Feel My Soul”, “I Don’t Want Control Of You”, “Planets”, “It’s A Bad World”, “Take The Long Way Round”, “Winter”, “I Don’t Care”, “Mount Everest”, “Your Love Is The Place Where I Come From” e “Speed Of Light”.

Set list 15.11: “I Need Direction”, “I Can’t Find My Way Home”, “Accidental Life”, “Near You”, “Happiness”, “Dumb Dumb Dumb”, “The Town & The City”, “The Sun Shines From You”, “Straight & Narrow”, “Cul de Sac”, “My Uptight Life”, “If I Never See You Again”, “Thaw Me”, “One Thousand Lights”, “Did I Say”, “My Life”, “The Shadows”, “Every Step Is A Way Through”, “The Count”, “Long Hair”, “Some People Try To Fuck You”, “Getting Real”, “He’d Be A Diamond”, “Broken” e “Everything Flows”.

Music

Against Me! – ao vivo

Extenso set list e um largo sorriso estampado no rosto de Laura Jane Grace marcam a estreia da banda em solo brasileiro

againstme2018cwb01_gigante

Texto por Abonico R. Smith

Foto de iaskara

Ela não entendia muita coisa do que a plateia gritava em português ao final de quase todas as músicas que a banda tocava, mas captou a mensagem e também mandou o seu recado, ao microfone, contra a nova onda de fascismo que varre o mundo, em especial o Brasil nos dias atuais. Foi o que bastou para o salão de shows do Jokers, lotado, explodir em êxtase já quase no final do show. Era a coroação de uma noite de glórias, tão esperada havia anos por muitos fãs brasileiros.

Naquela noite de 19 de outubro de 2018 estreavam, tardiamente, Laura Jane Grace e seu Against Me! em solo brasileiro. Depois de mais de vinte anos da formação da banda e do lançamento de sete álbuns, o quarteto, enfim, realizava em Curitiba seu primeiro show no país, abrindo uma turnê brasileira que incluiria passagens em outras duas capitais (São Paulo e Natal) e marcava também o lançamento da edição nacional de sua autobiografia Tranny – Confissões da Anarquista Mais Infame e Vendida do Punk Rock. E claro que tudo isso seria uma noite bastante politizada.

O Against Me! transformou-se em sinônimo de banda política com o passar dessas duas últimas décadas. Não a política partidária ou econômica. Mas a política das coisas pequenas e cotidianas, do comportamento, da sexualidade, do rock’n’roll, do contestamento ao que já está estabelecido. Por isso, Laura Jane Grace é tão reverenciada. Seja pelas letras repletas de sarcasmo e ironia, incluindo um certo tom jocoso de autodepreciação – que sempre funciona para captar a identificação do público. Seja pelas melodias pegajosas, que ajudam a grudar as suas letras no cérebro e fazem todo mundo cantar junto com ela a hora que for. Seja pela questão de gênero, que envolve uma recente transição sexual. Seja pelas atitudes fora dos palcos, que colocam-na como uma das grandes expoentes da música LGBT mundial. Por isso, a turma do #EleNão entoava gritos contra um certo capitão. Aquela noite também era de protesto.

A celebração ficou por contato do extenso repertório, elaborada especialmente pela banda para sanar a sua ausência até então dos palcos brasileiros. Talvez por isso tenha havido a opção de resgatar, de modo equilibrado, as três distintas fases do Against Me!. Das 26 músicas pinçadas para o set list da noite no Jokers, quase metade representavam os três primeiros álbuns, lançados entre 2002 e 2005, quando a banda iniciava seus passos no circuito do punk rock americano com canções mais juvenis, urgentes, diretas e barulhentas. Da fase que representou o período de contrato por uma grande gravadora (com dois álbuns produzidos por Butch Vig entre 2007 e 2010, singles nas paradas de sucesso, números musicais em cultuados programas de entrevistas e humor na TV, presença no topo das listas dos melhores discos do ano), um belo recheio de sete músicas. Da fase em que Tom Gabel deixou de existir para dar lugar a Laura Jane Grace (mais dois discos entre 2014 e 2016, sendo o primeiro o essencial Transgender Dysphoria Blues, no qual o conceito é justamente a disforia de identidade de gênero da vocalista), outras sete. Então fã nenhum pode sair reclamando. Teve para todos os gostos, teve para todas as fases.

Um show do quarteto também significa que as músicas falam por elas mesmas. Daí a opção de Laura por falar bem pouco entre as canções. Era uma pancadaria atrás da outra. Quase sem interrupção, com uma banda afiadíssima, contando com o esperado retorno do baixista Andrew Seward, que passou os últimos cinco anos tocando outros negócios, e o novo baterista Atom Willard, nome experiente do rock alternativo, que encaixou-se como uma luva na engrenagem motora do ritmo do Against Me!.

Então, por quase duas horas, a plateia curitibana foi levada à loucura. Do início arrasador (com a dobradinha “FuckMyLife666” e “Transgender Dysphoria Blues”) ao final do set, com uma série de clássicos enfileirados (“I Was A Teenage Antichrist”, “The Ocean”, “Dead Friend”, “333”, “True Trans Soul Rebel” e “Black Me Out”) foi um festival de punhos erguidos no ar, coro em uníssono durante todas as letras e stage divings celebradíssimos – em especial o de uma garota de apenas dez anos de idade, fanática pela banda e levada pelos pais também fãs assumidos. Ainda deu tempo para um bis longo fuçar o repertório da primeira fase do grupo e entregar canções não tão óbvias como um presente especial para quem esperou por tanto tempo.

Na letra de “True Trans Soul Rebel”, Laura pergunta se Deus abençoaria seu coração transexual. Deus é amor, alegria e energia. E ele, com certeza, estava presente junto aquelas pessoas que se espremiam cantando tudo em alto e bom som no Jokers. Um belo e largo sorriso, estampado em seu rosto frequentemente coberto pelos longos cabelos, entregava o estado de espírito da vocalista. Uma verdadeira alma trans rebelde. Rebelde e muito feliz no Brasil.

Set list: “FuckMyLife666”, “Transgender Dysphoria Blues”, “Pints Of Guinness Make You Strong”, “Cliché Guevara”, “Rice And Bread”, “Pretty Girls (The Mover)”, “Miami”, “From Her Lips To God’s Ears (The Energizer)”, “New Wave”, “Piss And Vinegar”, “Ache With Me”, “Haunting, Haunted, Haunts”, “Walking Is Still Honest”, “Those Anarcho Punks Are Mysterious…”, “Animal”, “Americans Abroad”, “I Was A Teenage Antichrist”, “The Ocean”, “Dead Friend”, “333”, “True Trans Soul Rebel” e “Black Me Out”. Bis: “Joy”, “Baby, I’m An Antichrist!”, “We Laugh At Danger (And Break All The Rules)” e “Sink, Florida, Sink”.