Movies

Yesterday

O consumo musical de hoje em dia é questionado com história costurada por canções dos Beatles em um mundo onde a banda não existiu

yesterdayboyle2019a

Texto por Janaina Monteiro

Foto: Universal Pictures

Talvez um mundo sem Rolling Stones seja possível. Sem Beatles, porém, jamais. Pelo menos essa é a visão de Yesterday (Reino Unido, 2019 – Universal Pictures), filme dirigido pelo aclamado Danny Boyle, do cult Trainspotting e do oscarizado Quem Quer Ser um Milionário?, que estreia no Brasil com dois meses de delay.

Em resumo, o longa é uma bela homenagem aos Fab Four, com críticas sutis ao showbiz frente ao mundo volátil de hoje e carregando uma mensagem totalmente John Lennon no final. Quem assina o roteiro é Richard Curtis, o neozelandês naturalizado britânico especialista em comédias românticas água com açúcar como Quatro Casamentos e um Funeral Um Lugar Chamado Nothing Hill. Da dobradinha inglesa, quem se sobressai é o roteirista que imprime sua digital ao filme, abafando a direção de Boyle.

O longa conta a história de Jack Malik (interpretado pelo britânico filho de pais indianos Himesh Patel) que vive em Lowestoft, condado de Suffolk, Inglaterra, com sua vidinha de repositor num supermercado. Em paralelo, ele se apresenta em pubs e festivais, tocando as composições que compõe, às quais ninguém dá muita atenção. Pela decoração do quarto de Malik, dá pra perceber sua paixão por indie rock: há pôsteres da banda escocesa Fratellis; do álbum In Rainbows, dos ingleses do Radiohead; e dos americanos Killers. Além de cantar, Malik é multi-instrumentista (toca piano, violão e guitarra) e guarda uma supercoleção de discos de vinil dentro do armário.

Quem dá suporte à sua carreira são os amigos. Em especial Ellie Appleton (Lily James), parceira desde a infância e que se tornou uma espécie de manager de Malik. Lily é uma garota meiga e romântica, que dá aulas de matemática numa escola e, claro, nutre uma paixão platônica por Malik.  Quando, frustrado, o rapaz pensava seriamente em desistir do sonho de se tornar um cantor famoso, o inesperado acontece. Ao voltar para casa pedalando após um show praticamente às moscas, ele é atropelado por um ônibus durante um apagão planetário, como o bug que todos esperavam na virada do milênio. Jack vai parar no hospital e lá já percebe que há algo mais estranho do que ele ter ficado banguela. O rapaz cantarola trecho de uma canção dos Beatles e Ellie sequer reconhece. Ao receber alta, ganha um violão novo de presente e interpreta a canção que batiza o longa, “Yesterday”, que Paul McCartney compôs logo após lembrar-se de uma melodia vinda durante um sonho.

E então o mote do filme começa. Malik reage ao impacto de saber que é o único que se lembra de Beatles, num misto de indignação e nervosismo. Os amigos do protagonista chegam a comparar “Yesterday” com “Fix You”, do Coldplay – um dos momentos hilários do longa. O mundo, então, torna-se estranho, vazio e sem sentido para o rapaz que, por várias vezes, recorre ao Google para descobrir se algo mais desapareceu no fog. Será que o Oasis sequer existiu também?

Malik se vê na obrigação de mostrar ao mundo o que só ele lembra e, de quebra, consegue impulsionar sua carreira ao se apropriar da obra de Paul, John, George e Ringo, despertando, claro, curiosidade e desconfiança por conta de toda essa explosão criativa que surge da cabeça de quem compunha canções banais.

Conforme ele mergulha na memória para buscar cada palavra e cada acorde do repertório beatle, revela-se a trilha sonora do filme, repleta de “lados A” como “I Wanna Hold Your Hand”, “In My Life”, “Help!”, “Eleanor Rigby”, “I Saw Her Standing There”, “All You Need Is Love”, “Let It Be”, “Hey Jude”, “Here Comes The Sun” e “Ob-La Di Ob-La-Da”. Para relembrar a dificílima letra de “Eleanor Rigby”, precisa ir a Liverpool e visitar alguns lugares, por exemplo. E assim várias canções do quarteto vão dando um contorno ao filme, cada qual situada com um propósito definido.

Os “novos hits” passam a chamar atenção e Malik conhece Ed Sheeran, a grande surpresa do longa. O astro pop interpreta ele mesmo, como uma autocaricatura, um clown, e é responsável por arrancar boa parte das risadas do público (algo me diz que Sheeran teve aulas com Hugh Grant!). As obras-primas despertam também os olhares da manager de Sheeran, Debra Hammer (a comediante Kate McKinnon, que dá um show ao personificar a produtora sem escrúpulos).  De rapaz desconhecido, Malik vira ídolo pop. Alcança e conhece de perto a fama, primeiro abrindo shows do astro ruivo inglês que compôs “Shape Of You”, cujo refrão surge repetidamente no filme. Numa das cenas, os dois chegam a disputar quem faz a melhor música na hora (adivinhe quem ganha!).

A partir do momento que o protagonista começa a fazer sucesso com os hits dos Beatles – e obviamente desbanca Ed Sheeran – é possível perceber críticas implícitas sobre as mudanças sofridas na indústria do entretenimento nestas últimas décadas. Como a tecnologia transformou o processo de criação (quem é capaz de fazer uma letra como Eleanor Rigby hoje?) e facilitou o consumo de música pop requentada (porque a original Coca-Cola também desapareceu do mundo e só existe Pepsi?); e também como o marketing digital revolucionou a divulgação do trabalho dos artistas. A direção de Boyle, com seus efeitos visuais e ritmo dinâmico, nos faz mergulhar na era dos downloads, aplicativos e redes sociais e refletir sobre essas alterações tão impactantes na indústria cultural. Sgt Pepper’s Lonely Hearts Club Band perde o colorido e “Help!” se transforma num hardcore meia boca.

O eixo principal do filme, porém, é o relacionamento entre Malik e Ellie, que fica conturbado depois que o rapaz atinge o estrelato. Mas a tensão entre o casal só vem à tona nos minutos finais. Aliás, Yesterday desanda da metade para o fim (se perde assim como a série Lost) e a expectativa de um desfecho criativo é atropelada por um ônibus biarticulado.

Mesmo assim vale assistir a Yesterday pelo tributo, pelos covers bem executados por Patel, para rir de Ed Sheeran e, sobretudo, refletir sobre o modo como consumimos cultura e amor hoje em dia. Como já diziam os Beatles, bem fresquinho na memória: “in the end the love you take is equal to the love you make”.

Music

Franz Ferdinand

Oito motivos para não perder o novo show da banda escocesa que toca novamente ao Brasil esta semana

franzferdinand2018

Texto de Abonico R. Smith

Foto: Divulgação

Já são seis álbuns (um em conjunto com outra banda, o Sparks) em dezesseis anos de carreira. Vindo de uma turma de amigos formada na escola de arte na cidade escocesa de Glasgow, o Franz Ferdinand não tardou a dominar o mundo com sua música que mistura uma forte herança do pós-punk, riffs de guitarra que te pegam de jeito, batidas que são um convite irresistível à dança onde quer que você esteja e aquele vocalista gato que arranca suspiros de desejo de boa parte do público feminino. Depois de várias passagens pelo Brasil, eles estarão por aqui novamente semana, para três apresentações: dia 11 de outubro (quinta) em Curitiba, 12 (sexta) em São Paulo e 13 (sábado) em Natal (mais informações sobre estes shows você tem aqui, aqui e aqui, respectivamente).

Por isso, o Mondo Bacana cita oito motivos pelos quais você não deve deixar de ver algumas dessas gigs, duas vinculadas ao projeto Popload Gig e a última dentro do festival Mada.

Geração “renascimento do rock”

Lá pelo final dos anos 1990 rolavam altos comentários de que o rock estava “morto”. A popularidade crescente da música eletrônica, o fato de pela primeira vez em um ano mais picapes terem sido vendidas em Londres do que guitarras e o direcionamento da indústria fonográfica mainstream para as cantoras pop deu aquela sensação de abatimento completo do gênero e que nada mais de interessante poderia sair de lá. Até que, na virada do século, vieram os Strokes, White Stripes e todo um resto de excelentes bandas. O Franz Ferdinand, formado em 2002, é um destes nomes que “salvaram” o rock para quem insistia em matá-lo de qualquer jeito.

Sangue escocês

Uma coisa é fato no rock britânico: se uma banda vem da Escócia são grandes a possibilidade dela trazer algo contagiante e uma boa proposta musical. Não se sabe se é por causa do whisky, das trufas, das highlands, do tempo instável que muda a cada cinco minutos ou da fama de Glasgow de ser uma cidade com veia artística pulsante e eternamente efervescente. A lista de bons sons alternativos que vêm do país ao norte da Grã-Bretanha é enrome. Fazem parte dela Jesus and Mary Chain, Primal Scream, Teenage Fanclub, Belle and Sebastian,  Mogwai, Pastels, Glasvegas, Fratellis, Travis, Camera Obscura, Sons and Daughters, Delgados, Aztec Camera, Vaselines, Beta Band… Precisa mais exemplos?

Vocalista gato e classudo

Não bastassem as mulheres morrerem de amores e suspiros por Alex Kapranos, o cara ainda canta muito bem. Compensa o vozeirão grave, que tenderia a soar monocórdico, com uma boa dicção, mesmo tendo aquele sotaque escocês, e aquele carisma em cima do palco. E, convenhamos, o cara veio da escola de arte e é um crítico gastronômico de primeira. Chegou a publicar um livro falando sobre as comidas que experimentou durante as viagens do início de carreira de sua banda.

Dois por um

Os fãs de primeira hora do Franz Ferdinand podem até ter ficado tristes quando, em 2016, foi anunciada a saída do guitarrista/tecladista Nick McCarthy, figura central ao lado de Kapranos nos vocais e nas composições da banda. Entretanto, Alex, o baixista Bob Hady e o baterista Paul Thomson não deixara por menos. Incorporaram logo dois outros nomes de primeira para o line up loficial. Vieram o guitarrista Dino Bardot e o produtor Julian Corrie, que aqui se divide entre guitarras e sintetizadores. Ambos, por sinal, também fazem os vocais de apoio para Kapranos nos shows. Esta está sendo a primeira grande turnê após o batismo em estúdio.

Always Ascending

Normalmente o Franz Ferdinand costuma abrir o set list dos shows com esta música nova, que também abre o novo disco, além de dar nome a ele. Em estúdio ela faz o grupo soar muito mais eletrônico, tal qual nunca havia sido antes. Também, pudera: quem assina a coprodução do trabalho, ao lado do próprio FF, é o francês Philippe Zdar, uma das metades do duo francês Cassius, representante de primeira grandeza do electrohouse que colocou o país em sintonia com as pistas de dança do fim dos anos 1990 para cá. Ao vivo, porém, a música acaba ganhando uma pegada mais rock e meio que se junta ao clima dançante de outras mais antigas.

Disco novo

Fazer turnê de disco novo para um artista que já tem bom tempo de estrada pode se tornar um saco para aqueles fãs que só querem saber de ver e ouvir os seus ídolos tocando somente os hits. Nesta turnê, em especial, entre cinco e sete faixas do álbum Always Ascending (são dez no total!) têm figurado no repertório das últimas apresentações. Entretanto, canções como “Glimpse of Love” e “Finally” não costumam constrastar tanto com o resto do material mais antigo. Portanto, quem gostou do novo disco não vai reclamar. Quem ainda não o conhece também não.

Velharias clássicas

Não tem erro. Metade do repertório da cada show vem pelo menos dos clássicos perpetrados nas rádios e pintas da dança pelos dois primeiros álbuns do FF. “Take Me Out”, “Do You Want To”, “Michael”, “The Dark Of The Matinée”, “Walk Away”, “This Fire”… Com toda a certeza todas estas estarão permeando o set de qualquer apresentação deles que você vá ver. E mesmo já tendo ouvido umas quatro mil vezes cada, vai chegar na hora do vamos ver ao vivo e você estará lá, dançando sem parar e cantando tudo junto com Kapranos, a plenos pulmões.

Pós-punk na veia

Imagine uma apresentação de mais uma hora com batidas pós-punk, uma atrás da outra, quase interrupções. Um show do Franz Ferdinand é assim. Fica impossível não sair com o suor escorrendo, expressão extenuada mas com a alma bem feliz. A receita disso é justamente a força rítmica que o FF imprime possui. Um dos nomes mais signifcativos entre aqueles que incorporaram uma espécie de releitura do pós-punk no início deste século, o grupo escocês prova que, lá naquele já longínquo ano de 1978, quarenta anos atrás, os músicos do punk insatisfeitos com a agressividade e verborragia desbocada do gênero estavam mais do que certos ao desacelerar os andamentos e torcar a temática dos pontiagudos questionamentos socioeconômicos por uma verve mais artsy, incorporando elemento de vanguardas culturais do Século 20 e propostas mais ousadas de conteúdo e referências. Mesmo tendo sido eclipsado pela primeira geração de astros que, com a MTV, aprendeu a técnica de transformar a carreira em algo audiovisual (Madonna, Prince, Michael Jackson, Cyndi Lauper), o pós-punk, assim como seu predecessor punk, resistiu bravamente por todo este tempo e continua firme e forte até hoje.