Movies

O Caso Richard Jewell

Clint Eastwood segue na zona de conforto dirigindo mais um longa que aposta a temática do heroísmo americano

richardjewell2019mb

Texto por Ana Clara Braga

Foto: Warner/Divulgação

A ideia do heroísmo americano é trabalhada exaustivamente em diversas produções cinematográficas. Clint Eastwood fez toma uma carreira interpretando papéis e dirigindo filmes que abordam o tema, como, mais recentemente, Sully – O Herói do Rio Hudson e Sniper Americano. Seu mais novo longa não foge a regra.

Contando a história real do segurança que consegue identificar uma bomba durante as Olimpíadas de Atlanta em 1996 e evitar uma tragédia maior, O Caso Richard Jewell (Richard Jewell, EUA, 2019 – Warner) traça uma narrativa rica sobre a construção e destruição de ídolos pela mídia. Em um primeiro momento, o protagonista é considerado um herói. Contudo, após a imprensa divulgar que ele está sob investigação, sua imagem é drasticamente transformada na do vilão.

Essa seria uma ótima reflexão, se o rumo escolhido pelo diretor não fosse tão tortuoso. Olivia Wilde interpreta a ambiciosa jornalista Kathy Scruggs, retratada no filme como uma mulher implacável, sem empatia e disposta a oferecer favores sexuais para conseguir um furo. A empresa de mídia Cox Enterprises, dona do Atlanta Journal-Constitution, jornal em que a verdadeira Kathy trabalhava, levantou acusações contra a produção por conta da retratação errônea e difamatória da jornalista. Segundo o The New York Times, não existem relatos de que a jornalista agia de tal maneira. Considerando em que vive-se a época do movimento #MeToo, é absurda a direção escolhida para a personagem de Wilde.

Richard Jewell (Paul Walker Hauser) é apresentado como um cidadão comum, que só quer servir e fazer o bem. Exageradamente ingênuo, Jewell tem fascinação por policiais e sua maior meta é tornar-se um. A empatia que deveria ser dedicada a ele é quase toda destinada a sua mãe Bobi, em uma bela atuação da sempre incrível Kathy Bates.

O filme é mais um conto americano em que “qualquer um pode ser tornar um herói”. Porém, com críticas à máquina da mídia e ao governo, que usam seus poderes para interferir na vida de pessoas comuns.

Clint Eastwood, hoje com 89 anos de idade, certamente sabe produzir dentro de sua zona de conforto. O Caso Richard Jewell é uma obra que não poderia ser feita por outro diretor e isso não é nem uma crítica tampouco um elogio. Sem ousar mas certamente causando polêmica, o diretor alcançou aqui um filme mediano e 100% americano.

Movies

O Pintassilgo

O amadurecimento de um menino que perdeu sua mãe em um atentado no museu e a sua paixão por uma pintura holandesa

thegoldfinch2019aMB

Texto por Leonardo Andreiko

Foto: Warner/Divulgação

John Crowley propõe, baseado no livro homônimo por Donna Tartt, a derivar seu filme em torno de Theo, um rapaz cuja mãe faleceu num atentado terrorista a um museu e que, como forma de lidar com o luto, rouba a lendária pintura O Pintassilgo, do holandês Carel Fabritius. Acompanhando seu crescimento a partir do evento traumático, o roteiro almeja estabelecer a transição entre as personagens de Oakes Fegley e Ansel Elgort, respectivamente Theo criança e adulto.

Com uma narrativa alinear, o filme oscila seu foco entre a adaptação de seu protagonista quando criança a uma série de eventos, iniciando pelo acolhimento por uma abastada família e o impacto que esta parte de sua vida, que se desenrola com o passar do tempo, teve quando ele entra em sua maturidade. Neste sentido, tanto o roteiro de Peter Straughan quanto a direção de Crowley desenvolvem um paralelo interessante, iniciando o filme num bem-vindo suspense. No entanto, o enfoque de sua história muda drasticamente com a chegada do segundo ato, por assim dizer.

Assim, acompanhamos Theo, já adaptado à primeira grande dificuldade, vivendo sua vida, de forma que o filme abandona sua premissa inicial e, despindo-se de todo mistério, passa a abordar a relação do personagem, interpretado aqui por Fegley, com seus amigos e parentes. O infeliz resultado é uma narrativa empacada, um filme que parece esquecer-se da história que quer contar. As constantes cenas cotidianas de Theo esfriam gradualmente o ritmo de O Pintassilgo – problema que poderia facilmente ser resolvido com a supressão de algumas cenas que adicionam pouco (ou nada) à trama.

No fim, isso não é de todo mal, sobretudo para fãs da fotografia de Roger Deakins, que transforma cada plano do longa-metragem em uma obra de arte à parte. Peca-se um pouco, no entanto, na construção da identidade estética desta fotografia, afinal Crowley decide “reaproveitar” composições que imortalizaram o trabalho de seu diretor de fotografia – uma interessante e válida homenagem, porém, ao mesmo tempo, uma indicação de preguiça da produção, ou até de dedo podre da produtora.

É importante ressaltar a qualidade da atuação de grande parte do elenco, principalmente da dupla de protagonistas. Oakes Fegley tem uma sensibilidade muito bonita ao conduzir Theo por seu coming of age traumático, enquanto Ansel Elgort consegue, sem que o roteiro o obrigue a explicitar tudo, transmitir perfeitamente a ansiedade causada por seu passado. Nicole Kidman, Jeffrey Wright e Luke Wilson também interpretam extremamente bem as figuras paternais que seus personagens representam a Theo, para bem ou para mal. O elo fraco, no entanto, é a atuação de Finn Wolfhard como o melhor amigo de Fegley. Seu adolescente russo é caricato e (mais de uma vez) o ator esquece de seu sotaque e pronuncia uma ou outra palavra com sua fonética canadense. Sua contraparte adulta, Aneurin Barnard, também entrega uma atuação caricata – o que pode indicar que o problema jaz no roteiro ou na direção que Crowley decidiu levar os personagens.

Ainda que tenha pontos bons, principalmente técnicos, O Pintassilgo vence sua plateia por nocaute, cansando-a com seu desenvolvimento, despido do conflito que, a princípio, regeria a trama que constrói. Tecido por boas atuações e uma fotografia completamente dentro do que se espera de um diretor consagrado, o filme é um tropeço de John Crowley muito menor do que, levando em conta seu problema de ritmo, poderia ter sido.

Series, TV

Game of Thrones

Por que o fim da série que se tornou objeto de culto pelo mundo todo decepcionou bastante os seus ardorosos fãs?

gotfinale01

Texto por Andrizy Bento

Foto: HBO/Divulgação

Após oito temporadas, 73 episódios e 47 Emmys (que a tornaram a série recordista de estatuetas na premiação), Game of Thrones teve seu último episódio exibido em 19 de maio pela HBO. No entanto, o que prometia ser épico, conseguiu ser apenas frustrante. Em meio à fúria despejada pelos fãs nas redes sociais – ainda mais cáustica que o fogo expelido pelos dragões de Daenerys Targaryen em seus inimigos – até havia um ou outro espectador argumentando que a finale teve, sim, suas qualidades e que o saldo final não foi tão ruim – de um ponto de vista analítico, houve até quem defendesse e justificasse as decisões tomadas pelo roteiro. Contudo, não há quem considere o último episódio da série realmente satisfatório.

Satisfatório é diferente de “atender às expectativas dos fãs e entregar exatamente o que eles querem ver na tela”. Em suma, está longe de significar fanservice. Assim como decepcionante não quer, necessariamente, dizer ruim. No caso de GoT, no entanto, a finale conseguiu ser os dois. Ao invés de proporcionar aos espectadores as devidas resoluções de conflitos e encerramentos de arcos narrativos, o desfecho deixou ainda mais pontas soltas e perguntas sem respostas – resultado sistêmico de toda uma temporada deficiente. Aliás, convém salientar que, desde a quinta, a qualidade da produção vinha caindo drasticamente.

Baseada na saga de livros best-seller As Crônicas de Gelo e Fogo, de autoria do escritor norte-americano George R. R. Martin, a série estreou em 17 de abril de 2011 na HBO. Ambiciosa, a produção idealizada por David Benioff e D. B. Weiss investia em cenas gráficas de nudez, sexo e violência e, por apresentar uma narrativa envolvendo a disputa por um trono e permeada por alguma magia, foi até mesmo apelidada de “O Senhor dos Anéis para adultos”. Claro que esses se tratavam apenas de alguns dos aspectos que tornavam o produto mais atraente. Porém, o estrondoso sucesso da qual a série desfrutou nos anos em que se manteve no ar, vai muito além das comparações com o livro de J. R. R. Tolkien ou do teor sexual e violento de suas cenas.

Sua consagração por especialistas e a assombrosa audiência que conquistou se devem a vários outros fatores: a força da narrativa, a entrega do elenco, o carisma de uma galeria numerosa de personagens, o acuro na composição dos planos, os enquadramentos soberbos, o requinte de cenários e figurinos, as batalhas magistralmente executadas e que em nada ficavam devendo a blockbusters cinematográficos, toda uma atraente rede de intrigas e um jogo de poder que nos instigava a acompanhar semanalmente os episódios. Não surpreende que a HBO, em estratégia para evitar a pirataria, tenha optado pela transmissão simultânea em mais de 170 países – o interesse do público era tamanho que GoT se tornou a série com o maior número de downloads ilegais no mundo. Afinal, quem não via Game of Thrones e não debatia acerca das teorias que constituíam um dos grandes atrativos da produção era imediatamente excluído das rodas de conversa nas segundas-feiras.

gottyrion

A história é situada no continente fictício de Westeros, lar dos Sete Reinos e das terras inexploradas além da grande Muralha. Em linhas gerais, a série se propõe a narrar a luta de famílias nobres pelo Trono de Ferro ou por sua independência, recorrendo a violentos confrontos e alianças forjadas a partir de interesses políticos, em sua maioria, sórdidos. Esse é o fio condutor da trama.

A primeira temporada da produção tem início com a visita de Robert Baratheon – Rei e Senhor dos Sete Reinos – ao castelo de Winterfell, onde reside Ned Stark, o Protetor do Norte, junto de sua família. O objetivo da visita é fazer um convite formal a Ned para que ele seja a Mão do Rei – uma espécie de primeiro conselheiro. Este, no entanto, acaba tomando conhecimento acerca de uma conspiração que levou ao assassinato da Mão do Rei anterior e as suspeitas recaem sobre os Lannister, incluindo a Rainha Cersei e seu irmão Jaime, com quem ela vive um caso secreto e incestuoso.

Distante dali, no Mar Estreito, Viserys Targaryen, conhecido como o Príncipe Exilado, planeja o casamento de sua irmã, Daenerys, a Princesa de Pedra do Dragão, com Khal Drogo, líder do povo Dothraki – uma tribo de guerreiros que percorre o continente de Essos. Com o casamento, o príncipe exilado visa a conseguir um exército a fim de retomar o Trono de Ferro que é seu por direito. No passado, Baratheon conquistou a coroa assassinando Aerys II Targaryen (o Rei Louco) e Rhaegar – respectivamente, o pai e o irmão de Viserys. Após esse acontecimento, ele e a irmã foram exilados nas Cidades Livres do Continente de Essos. Desde então, o príncipe é movido pelo intenso desejo de vingar sua família e retomar o poder e a coroa a qualquer custo.

Assim, fomos arremessados aos bastidores cruéis e sangrentos da guerra dos tronos. A primeira temporada representou não apenas o ponto de partida, como o esboço a partir do qual se desenhou toda a série. Traçou cenários que, mais adiante, viriam a impactar as vidas e jornadas de dezenas de personagens. Inseriu simbologias e easter eggs que, no decorrer dos anos de exibição, vieram a fazer a diferença no todo. No entanto, da maneira superficial como foi colocado até aqui, não é possível compreender exatamente a razão que levou Game of Thrones a ser esse fenômeno de audiência. É realmente necessário assistir à série e acompanhar as reviravoltas da trama intrincada para entender os motivos de tanto estardalhaço em torno de GoT. O fato é que testemunhar a evolução dos personagens, a construção dos elos entre eles, a ganância e a sede de poder que ditavam os rumos do jogo, bem como todos os meandros que culminaram em batalhas colossais, é que tornou a jornada tão divertida de se assistir durante oito temporadas. Daí toda a ansiedade com que os espectadores aguardavam pelos domingos em que os episódios eram veiculados pela HBO.

Aprendemos a exercitar o desapego (afinal, um protagonista morre já na finale da primeira temporada!), nos acostumamos a prender o fôlego devido à aflição causada pelos épicos confrontos e ao temor de perder um personagem fan favorite. A produção nos presenteou com momentos gloriosos em termos televisivos como, por exemplo, o nono episódio da sexta temporada, o já clássico e plasticamente impecável A Batalha dos Bastardos, que dificilmente encontrará rival à altura em outro produto do gênero. Game of Thrones nos ensinou que, na guerra dos tronos, ou você ganha ou você morre – literalmente. Alimentou teorias, não teve pudores em abusar do fator surpresa, apresentou audaciosos e chocantes plot twists, jamais entregou somente o que o público queria ver, não se limitou a agradar à audiência. Seu legado é incontestável. Uma pena o fim dessa história ter deixado um gosto tão amargo na boca de seus fiéis espectadores.

gotsansastark

Desde que a série começou a ser exibida, no já longínquo ano de 2011, o mundo passou por transformações significativas no tocante ao cenário político, econômico e social. Esse tipo de mudança, não raramente, acaba por impactar e se refletir também na cultura pop. Normal, afinal a produção cultural e artística de qualquer época é sempre um retrato de sua geração, para o bem ou para o mal, em maior ou menor escala, intencional ou inconscientemente. No caso do recorte de tempo que compreende a exibição de Game of Thrones, por exemplo, as pautas feministas ganharam ainda mais força dentro e fora das redes sociais e ativistas vocais se dedicaram a apontar o sexismo enraizado em diversos livros, histórias em quadrinhos, roteiros de cinema e televisão. Muitas das cenas de estupro protagonizadas por personagens femininas relevantes passaram a ser questionadas e duramente criticadas – uma vez que algumas delas tratavam-se de cenas de sexo consensual nos livros e outras sequer existiam em sua mídia de origem. Ao longo das temporadas, a nudez (majoritariamente feminina) e o sexo (por vezes gratuito) diminuíram exponencialmente, bem como a violência tornou-se mais contida e menos sangrenta. Contudo, a despeito do desenvolvimento das personagens femininas, que passaram a ter mais do que seus corpos expostos e a violência sexual tida como o rito de passagem que as fortaleceu, foram elas as mais injustiçadas no último ano da série.

É simplesmente lamentável ver como as mulheres de GoT foram diluídas no decorrer de toda essa temporada final. O roteiro se concentrou na rivalidade entre elas; em expor fraquezas, fragilidades e vaidades das mesmas; em mostrar como elas não sabiam lidar com o poder. Cersei Lannister, uma vilã inteligente e uma das maiores estrategistas da trama, ganhou desfecho abrupto e totalmente insípido. Apesar de ter sido Arya Stark a derrotar o grande vilão, Rei da Noite, sua tão almejada vingança contra Cersei não foi concretizada e a personagem limitou-se a ver Porto Real se transformar em destroços e cinzas, enquanto Daenerys Targaryen sobrevoava a cidade em seu Dragão que, impiedosamente, cuspia fogo em mulheres e crianças inocentes. Sansa Stark, que havia crescido tanto como personagem, foi reduzida ao papel de uma garota caprichosa que não queria ter seu reinado, no Norte, ameaçado. E Daenerys… A figura forte, imponente, majestosa, intrépida e destemida – um exemplo de heroína que apresentou uma das evoluções mais notáveis ao longo da série – simplesmente enlouqueceu. Tornou-se a Rainha Louca, facilmente corruptível pelo poder, herdando o temperamento de seu pai e, ao invés de quebrar a roda (como proclamava) corroborou o discurso simplista de que a descrição da Casa à qual o indivíduo pertence dita todo o rumo de seu destino. Pior: terminou a série morta pelo punhal do homem a quem amava e que também tinha seu sangue – seu sobrinho, Aegon Targaryen, mais conhecido como o bastardo Jon Snow.

E a coerência desapareceu à medida que o inverno chegou.

Eis um problema flagrante de toda produção seriada. Existe uma ânsia incompreensível dos showrunners por querer encerrar todos os arcos narrativos apenas no último capítulo, ao invés de responder às perguntas gradativamente, fechar os ciclos aos poucos, de modo orgânico. Creio que o mais adequado seria dedicar uma ou duas temporadas para resolução de todos os conflitos e, assim, oferecer desfechos satisfatórios para cada personagem. Game of Thrones foi um exemplo e, infelizmente, não o único de uma trama que acumulou muitas questões a serem resolvidas somente na finale e, óbvio, não conseguiu contemplar todas elas.

Outra possível explicação para o resultado ter ficado tão aquém do esperado está no fato de a história ainda não ter sido finalizada nos livros. Porém, esses argumentos não são suficientes para justificar uma finale tão ruim, uma vez que a série possuía força o bastante para se sustentar de maneira independente, como qualquer bom produto transmídia deve fazer. Existe um sem número de erros crassos de continuidade e cenas que, simplesmente, não fizeram sentido para o espectador atento que, assim como o Norte, se lembra disso depois. E, diferentemente dos Lannister, os roteiristas não pagaram todas as suas dívidas.

gotdaenerysjonsnow

A última temporada trai toda a mitologia da saga tão cuidadosamente arquitetada até ali, joga para escanteio a construção e o desenvolvimento de personagens, traz diálogos que contradizem o cânone e a essência da trama. Sim, Game of Thrones sempre trabalhou com reviravoltas, traições, choque, morte de personagens importantes. O problema não são estes mecanismos – que, aliás, movimentaram a trama desde seu primeiro episódio e com os quais estávamos plenamente habituados, convém dizer. O problema é como eles foram utilizados, escancarando a falta de planejamento de produtores e roteiristas. Esses artifícios foram despejados na tela de maneira simplesmente desleixada.

As falhas, no entanto, não são apenas de ordem narrativa, mas também estética. Um nítido exemplo é a batalha contra os White Walkers, que prometia ser o ápice da trama desde o primeiro episódio, e é extremamente inferior ao acuro visual da Batalha dos Bastardos. Entre copos da Starbucks esquecidos nas mesas de jantar de Winterfell e um confronto nonsense contra a Frota de Ferro, liderada por Euron Greyjoy – que resultou na morte anticlimática de um dragão – tudo foi absurdamente descuidado. Porém, nada foi mais incoerente, insatisfatório e insosso do que o conselho formado para deliberar sobre o novo rei após a morte da Rainha Daenerys Targaryen. Nas palavras de Tyrion Lannister:

“O que une as pessoas? O ouro? Os exércitos? As bandeiras? As histórias. Não há nada mais poderoso no mundo que uma boa história. Ninguém pode detê-la, nenhum inimigo pode vencê-la. E quem possui histórias melhores que Bran, o Quebrado? O menino que como não podia andar aprendeu a voar…”

O menino que passou a série inteira sem fazer absolutamente nada e se tornou, primeiramente, o Corvo de Três Olhos para então virar rei…

O discurso de Tyrion é interessante e bem escrito, mas um desperdício de palavras bonitas expressas pelo personagem que, durante oito temporadas, destacou-se como o mais profícuo emissor de quotas contundentes e memoráveis.  As palavras do outrora sábio anão estão lá unicamente para disfarçar a negligência dos roteiristas. O grande conselho é uma das piadas mais mal contadas da finale, pois é formado por nada menos do que três membros da Casa Stark, um tio dos Stark, um primo dos Stark, amigos dos Stark, uma cavaleira juramentada a proteger a Casa Stark, um Dorne, uma Greyjoy, mais alguns figurantes e um prisioneiro! Não sei dizer exatamente o que dói mais, se é o fato de que está óbvio quem seria favorecido por um conselho formado por estes membros ou Tyrion, prisioneiro por ter traído Daenerys, ter indicado o nome de Bran e, praticamente decidido o novo governante de Westeros – e ainda com o bônus de ser a Mão do Rei.

E isso não é tudo: por que Tyrion, prisioneiro, pôde participar da votação e Jon, igualmente encarcerado e com sangue Targaryen, não? Onde estão os membros representantes de outras Casas? Aqueles presentes na reunião do conselho não compreendem nem metade das famílias nobres de Westeros. Aliás, toda essa sequência serviu, especialmente, para embasar um futuro cenário de instabilidade política; afinal, as outras Casas podem, e com razão, questionar o favorecimento aos Stark considerando os componentes desse conselho fajuto. Sem falar do fato de Bran ter concedido a independência ao Norte. Quanto tempo mais até os demais Reinos reivindicarem a independência utilizando o Norte como argumento e isso resultar em uma nova guerra? Ademais, a figura de Bran como rei simplesmente não convence, pois não foi bem construída. Bran, o Quebrado, nunca teve aspirações ao trono e não fez nada de realmente útil durante toda a série que justificasse sua coroação. Ele nem mesmo queria ser rei. E esse papo de que é exatamente não desejar a coroa que o torna merecedor, simplesmente não funciona dentro daquele universo proposto.

Oito anos após o primeiro suspiro de Westeros na telinha, finalmente chegamos ao final da saga – uma finale que nos ofertou apenas um trono queimado (metáfora política sobre a destruição da iconografia; dos símbolos de poder capazes de corromper e que precisam ser derrubados); Porto Real transformada em cinzas; Tyrion Lannister, um fan favorite outrora inteligente e brilhante orador, reduzido ao papel de um fraco, traidor, guiado pelas emoções, capaz de atos estúpidos e autor de algumas das frases mais problemáticas da temporada; Daenerys, uma personagem feminina forte convertida em uma tirana genocida e, posteriormente, morta pelo seu amado; Jon Snow, o bastardo que continuou bastardo e se uniu aos selvagens do Povo Livre nos derradeiros momentos do show; Bran, o Quebrado, como um rei inexpressivo e inexperiente em relação aos assuntos da coroa; e, enfim, um final feliz para os Stark como recompensa por ter sido a família que mais sofreu desde o primeiro ano de série e que, talvez, tenha sido um dos únicos pontos gratificantes para uma relativa quantidade de espectadores. Eis o saldo final de Game of Thrones. Um fim melancólico, insuficiente e decepcionante.

Music

Diário de bordo: Killing Joke

Um grande fã da banda conta tudo o que viu e viveu ao lado de seus ídolos durante três dias no Brasil e na Argentina

killingjoke2018spjaz_edifortini

Texto por Guto Diaz (Secret Society)

Fotos por Edi Fortini (Edi Fortini Photography show no Brasil) e Guto Diaz (selfies no Brasil e bastidores na Argentina)

Cada data da banda não é apenas um show. Para aqueles que já tiveram a oportunidade de assistir aos ingleses ao vivo, o Killing Joke é quase uma instituição religiosa, uma congregação, uma comunhão ritualística. Ou, como eles mesmo preferem se referir as suas apresentações, “a gathering” (e a seus fãs como “the gatherers”).

A primeira vez que ouvi o termo “gathering” foi em 1994, quando tive acesso ao meu primeiro computador com internet discada. Nesta época me deparei com o mais antigo e fiel fã clube da banda, que continua em atividade. The Gathering é um mailing listdedicado exclusivamente para trocas de informações entre fãs do Killing Joke. A partir daquele momento, conheci um novo universo. Tive contato com Gatherers do mundo inteiro, Inglaterra, Estados Unidos, México, praticamente toda a Europa e também do Brasil. Neste mailing list fiz amizades que duram até hoje. A grande maioria somente virtuais, uma irmandade, que não se conhecem pessoalmente mas que compartilham a mesma admiração e respeito pelo Killing Joke.

O fã clube The Gathering sempre foi muito ativo e com integrantes muito participativos dentro do universo Killing Joke. Foram lançados através do The Gathering álbuns exclusivos para os fãs, como a coletânea dupla Unspeakable, de 1999, somente com material raro da banda nunca antes lançados; Unsignable, em 2002, somente com bandas formadas por Gatherers (minha ex-banda, Primal…, participou com a faixa “The Walk Of Ants”) e uma coletânea para arrecadar fundos para um gatherer que estava com câncer, Attack For The Benefit Of A Friend With Cancer, em 2005. Neste disco, o Primal…, participou com a faixa “Timeless Wintertime”).

Em 2007, aconteceu um fato muito triste mas também de muita união na história da banda: faleceu o baixista Paul Raven (que substituira Youth a partir de 1983). Todos os integrantes originais acabaram se encontrando no funeral pela primeira vez depois de muitos anos. Naquele encontro teve início a “nova” fase do Killing Joke. Ninguém poderia imaginar que mais de 20 anos depois eles iriam se reunir com a formação original e produzir álbuns tão significativos quanto os três últimos lançados por esse time: Absolute Dissent (2010), MMXII (2012) e Pylon (2016).

Em 2008, após a decisão de voltarem com a formação original, a banda fez uma grande turnê europeia para celebrar a reunião, tocando sempre duas datas em cada cidade. Na primeira noite eram executados na integra os dois primeiros álbuns Killing Joke (1980) e What’s THIS For…! (1981). Na segunda, Pandemonium (1994) e diversos singles e lados B.

Decidi encarar duas datas em Bruxelas nos dias 29 e 30 de setembro daquele ano, onde aconteceria uma “small gathering”. Nesta viagem, conheci pessoalmente vários gatherers, vindos de diversos pontos da Europa, como Espanha, Inglaterra, Escócia, Alemanha, França, Holanda e, claro, da Bélgica. Nessa ocasião, houve meu primeiro contato com os integrantes do Killing Joke numa festa que rolou em um pub logo após a primeira noite. Tive a honra de conhecê-los pessoalmente, tirar fotos, sentar na mesma mesa e beber junto com a banda, contar que eu tinha vindo do Brasil única e exclusivamente para vê-los pela primeira vez ao vivo. Foi memorável.

No final de 2017, eles anunciaram uma nova turnê mundial chamada Laugh At Your Peril, comemorando os 40 anos da banda e ainda divulgando o álbum Pylon. Pela primeira vez na História foram incluídas datas no México e na América do Sul. Eu nunca imaginaria que algum dia eles viriam para o Brasil. Assim que os ingressos foram colocados à venda,  fiz todo meu planejamento para assisti-los em São Paulo no Carioca Club.

Algumas semanas antes do início da turnê sul-americana recebi uma mensagem do amigo francês Stephane Frenchy Frenzy (que havia conhecido na gatheringem Bruxelas) perguntando se eu iria assistir algum outro show da turnê, além de São Paulo. Ele estaria vindo acompanhar a banda (junto com David Molyneaux, gatherer da Inglaterra) para filmar os quatro shows, agendados para final de setembro em São Paulo, Buenos Aires, Santiago e Lima. Na mesma hora decidi acompanhá-los para mais uma data e consegui agendar o mesmo voo e o mesmo hotel em que eles ficariam em Buenos Aires.

Marcamos nosso encontro para o sábado 22 de setembro em São Paulo, um dia antes do show. Fui ao encontro do Stephane no hotel em que ele estava hospedado, no bairro de Pinheiros, e saímos para almoçar. Levei-o em uma clássica churrascaria paulistana para conhecer o rodizio de carnes e também a famosa caipirinha de cachaça. Stephane adorou e enquanto estivemos lá pudemos conversar muito sobre o Killing Joke, o The Gathering, nossos vidas pessoais, trabalho, política, cultura gauchesca (sim, tentei explicar-lhe um pouco dos pampas!). Um pouco mais tarde chegaram na churrascaria, o gatherer paulista Celso Junior “N0153” (que eu conhecia há mais de vinte anos pela internet, mas nunca havia encontrado pessoalmente) e dois amigos, Marcelo e Rodrigo, também superfãs do KJ e que vieram de Brasília para assistir ao show.

Após o almoço fomos dar uma volta pela Avenida Paulista e acabamos em um bar na Augusta, onde eu havia marcado de encontrar com outro grande fã do Killing Joke,meu amigo de longa data Felipe Mattos. Conheci o Felipe há mais de quinze anos na época do Soulseek e da troca de música pela internet; ele virou um fã inveterado da minha banda na época, o Primal…, e a gente compartilhava o mesmo gosto musical por diversos grupos como Killing Joke e o Voivod. Tomamos mais uma dezena de cervejas e caipirinhas e assim terminou nossa primeira noite em São Paulo. Stephane foi embora para o hotel e eu para casa do meu primo. Marcamos de nos ver no dia seguinte logo após o almoço, David Molyneaux iria chegar pela manhã do México e iríamos todos nos encontrar em frente ao Carioca Club. Stephane e David vieram com a missão de filmar com quatro câmeras os quatro show deles na América do Sul (imagens que provavelmente serão utilizadas futuramente) e teriam de chegar mais cedo para montar o equipamento.

killingjoke2018gugugeordiekillingjoke2018bigpaulgugukillingjoke2018youthgugukillingjoke2018credencial

São Paulo, 23 de setembro

Cheguei no Carioca Club por volta das 14h e me encontrei com Stephane e David. Ficamos em frente à casa conversando e aguardando os preparativos. Logo depois chegaram os “brazilian gatherers” (Celso Junior “N0153” e seus amigos de Brasília, mais Rodrigo e Marcelo e meu amigo Felipe Mattos). Aos poucos começaram a aparecer em frente ao Carioca, outros alguns fãs ansiosos pela chegada da banda e a tensão foi aumentando.

Enquanto isso, lá dentro, a equipe do Killing Joke já deixava tudo preparado para a passagem de som. A banda veio para essa perna da turnê com uma turma bem enxuta: Christopher (tour manager), Waynne Smart (técnico de PA), Damon Head (técnico de bateria e palco) e Diamond Dave (técnico de palco, guitarra e baixo, uma figura emblemática que já acompanha a banda em viagens há mais de 15 anos), Roi Cabaret (o tecladista de apoio) e os quatro integrantes originais (Jaz Coleman, Kevin “Geordie” Walker, “Big” Paul Ferguson e Martin “Youth” Glover).

Eram mais ou menos umas 17h quando a van estacionou em frente do Carioca Club. Jaz Coleman foi o primeiro a descer já levantando os braços e fazendo a maior festa para algumas dúzias de fãs que aguardavam ansiosos. Eles todos foram muito receptivos e atenderam com fotos e autógrafos todos que ali estavam. Neste momento já pude trocar rápidas conversas com todos. Com exceção de Jaz e Geordie, que não possuem Facebook, eu já vinha falando antecipadamente com Big Paul e Youth sobre a turnê. Jaz e Big Paul foram uma simpatia, lembraram-se de mim de dez anos atrás em Bruxelas, me chamaram pelo nome (sou conhecido no The Gathering como Diaz From Brazil).

Após atenderem os fãs, pediram licença e foram para o soundcheck. Em seguida, Stephane veio até nós e, muito gentilmente, veio nos comunicar que a banda havia nos autorizado assistir à passagem de som. Fomos eu, Felipe, Celso “N0153” e os dois amigos de Brasília. Foi a meia hora mais emocionante de nossas vidas. Apenas nós cinco assistindo à passagem de som do Killing Joke. Inacreditável! Durante o soundcheck eles tocaram “Love Like Blood”, “Bloodsport” e “In Cythera” (que acabaria não sendo tocada no show). Após o soundcheck, que foi bem rápido e eficiente, aproveitamos para comprar merchandisingda banda. Eu peguei uma camiseta oficial da turnê e um quadro pintado à mão pelo baixista Youth com um retrato estilizado do Jaz Coleman, que estava sendo vendido durante a turnê.

Então os “brazilian gatherers” se posicionaram em frente ao palco colados na grade para aguardar o início do show. Abriram as portas e aos poucos o público foi enchendo a casa – pelo que soubemos mais tarde, o público foi de cerca de 900 pessoas. Um pouco antes das 20h soltaram a intro do show. As últimas turnês tem sempre sido iniciadas com a música “Masked Ball”, de Jocelyn Pook e tema do filme Eyes Wide Shut, de Stanley Kubrick. A banda entrou no palco e o público foi ao delírio. O show começou com o grande clássico “Love Like Blood”, do álbum NightTime, de 1985. Em seguida, veio a superdançante “European Super State” (do disco MMXII) e “Autonomous Zone” (do recente Pylon).

Uma pequena pausa para respirar e eles mandaram “Eighties”, clássico absoluto, também do álbum NightTime, que ficou anos mais tarde ainda mais famosa devido a um suposto plágio do Nirvana no riff da música “Come As You Are”. O show seguiu com “New Cold War”, também de Pylon, e “Requiem”, faixa que abre o primeiro disco do Killing Joke. Esst é uma que não pode ficar de fora de nenhum show deles. Um verdadeiro marco do pós-punk, que já foi regravada por bandas como Foo Fighters e Helmet.

A banda estava afiadíssima ao vivo. Todos demonstravam extrema alegria de estarem tocando para o público sul-americano pela primeira vez. Jaz tem carisma e presença de palco impressionantes e sabe como conduzir a plateia, sempre falando algumas frases polêmicas para anunciar a música seguinte. A próxima, “Follow The Leaders”, ele anunciou citando as eleições americanas e o new world order do presidente Trump. O show continuou com a instrumental “Bloodsport”, antes da qual Jaz comentou sobre a urgência do ser humano em caçar mais sua sede de sangue e seu instinto animal.

O ponto alto do show, na minha opinião, foi a escolha de algumas músicas não comuns no repertório. Caso de “Butcher,” de Whats THIS For…!, um de meus discos prediletos do Killing Joke (lembro até hoje quando ouvi pela primeira vez esse disco, em meados dos anos 1980, na casa da Moema, antiga empresária da minha primeira banda Epidemic; a sonoridade deste disco foi responsável pelo meu amor por essa banda e mudou completamente minha percepção musical na época). Na sequência vieram mais duas totalmente inesperadas: “Loose Cannon”, do disco sem título de 2003 (em que Dave Grohl gravou as baterias), e “Labyrinth”, de Pandemonium.

É impressionante sentir o poder da banda ao vivo. O som e o timbre da guitarra de Geordie é um show à parte, pesadíssimo, melódico e com os característicos acordes dissonantes, tirados das suas duas harpas douradas, as Gibson ES295, uma de 1952 e a outra 1953, (uma semiacústica icônica que ficou famosa por ter sido utilizada por Scotty Moore nas primeiras gravações de Elvis Presley e considerada a primeira guitarra do rock’n’roll). No baixo, o seminal produtor Youth, famoso por produzir disco álbuns e singlesde artistas como Kate Bush, U2, Siouxsie & The Banshees, James, Cult, Marilyn Manson, Art Of Noise, Erasure, Orb, PM Dawn, Dido, Verve e Charlatans, bem como ter gravado três álbuns com o projeto Fireman junto com ninguém menos que Paul McCartney. Na bateria, o mais velho dos integrantes, Big Paul, entrega batidas tribais nem um pouco convencionais, com ritmos perfeitos e com uma pegada e peso espetaculares. Jaz Coleman é o maestro bastardo, que conduz a plateia ao frenesi com suas danças e movimentos que mais parecem uma marcha para o apocalipse e seus olhos arregalados e vidrados como os de um louco.

O show seguia com “Corporate Ellect” do álbum MMXII; “Asteroid”, de 2003, na qual o público cantava em uníssono o refrão; e “The Wait”, uma das mais pesadas do show (gravada pelo Metallica em 1987, para o EP Garage Days). Fechando a primeira parte, um dos primeiros singles do Killing Joke: “Pssyche”, lado B do single Wardance, de 1979. O quarteto saiu do palco muito aplaudido e o público presente no Carioca Club começou a pedir mais, com muitos gritos de Killing Joke. Logo a banda retornou ao palco para o encorecom duas músicas do primeiro álbum (“Primitive” e “Wardance”) e mais a maravilhosa “Pandemonium”, faixa-título do disco homônimo. Eles largaram seus instrumentos e vieram todos para a frente do palco para se despedir da plateia, com seus sorrisos estampados no rosto mostrando como estavam felizes pela receptividade do público brasileiro em sua estreia por aqui.

Após o show ficamos todos em completo êxtase e alegria. A apresentação superou nossas expectativas. A banda estava em ótima forma, mas cansada, como contaram mais tarde (chegou pela pela manhã, vinda direto do México). Conversamos com outros fãs que estavam ao nosso lado e ficamos discutindo o set list, os pontos altos, a performance e o peso da banda ao vivo, etc.

Logo depois que Stephane e David desmontaram os equipamentos de filmagem, eu e Felipe fomos convidados para ir ao camarim e participar da Cheese Party. Stephane é amigo de longa data da banda e a acompanha em turnê desde 1991. Sempre que o Killing Joke toca na França, ele promove no camarim a famosa Cheese Party, regada a vinhos e queijos franceses. Eu já havia visto diversas vezes fotos deste acontecimento, mas nunca imaginei que um dia iria participar dele. Entramos no backstage supereufóricos e pudemos cumprimentar e agradecer a banda pelo excelente show. Jaz serviu uma taça de vinho para a gente e ficamos ali conversando sobre a gig. Perguntaram quais músicas foram nossas preferidas na noite e comentei que havia sido “Butcher” e “Labyrinth”, mas que faltaram algumas outras (“Change” era uma que tanto eu quanto o Felipe queríamos muito ter ouvido). Aproveitei o momento de descontração e saquei da minha mochila um pôster da banda que eu havia levado, já com a intenção de conseguir autógrafos. Este pôster oficial acompanha o livro Twilight Of The Mortals, registro fotográfico sobre o Killing Joke, lançado no final de 2017 pelo fotógrafo dinamarquês e amigo pessoal da banda Mont Sherar. Consegui pegar o autógrafo de todos os quatro. O mais curioso é que nenhum deles ainda tinha visto pessoalmente esse pôster, por isso foi muito emocionante a reação deles. Geordie, sempre o mais reservado de todos, foi muito simpático e cordial. Fez comentários sobre o pôster e sobre o livro – e eu pude elogiar sua técnica única de tocar guitarra. Mostrei para Youth o seu quadro que eu havia comprado no merchandising e ele agradeceu muito. Tive uma enorme surpresa quando Big Paul veio até mim e me presenteou com uma cópia autografada de seu recém-lançado disco solo Remote Viewing, gravado em parceria com Mark Gemini Thwaite (Gary Numan, Mission, Peter Murphy). Jaz, como sempre uma figura ímpar, mostrou-se simpático e falante e soltou sua característica gargalhada.

Como tudo que é bom acaba, a banda começou a arrumar seus pertences e o tour manager veio avisar que logo mais iriam embora, pois o voo para Buenos Aires seria às três horas da madrugada e eles não teriam muito tempo para descansar. Saímos do Carioca Club e lá ainda estavam uns 50 fãs aguardando. Como era de se esperar, eles atenderam todos com muita cordialidade. Tiraram fotos, deram autógrafos e muitas risadas; uma atitude muito bacana. Ainda acompanhei Stephane e David até o hotel para ajudar a carregar os equipamentos de filmagem e depois fui embora para casa do meu primo. O próximo encontro estava marcado para as 8h30 da manhã do dia seguinte em Guarulhos. Nosso avião para Buenos Aires sairia às 10h30.

killingjoke2018davidstephanegugu

Buenos Aires, 24 de setembro

Encontrei Stephane e David no aeroporto, fizemos o check in e embarcamos para a segunda parte de nossa aventura com o Killing Joke. Os próximos dois dias seriam emocionantes: teríamos o show na segunda e um dia inteiro livre com a banda na terça.

Chegamos em Buenos Aires às 14h30, pegamos um uber e fomos para o hotel. Deixamos nossas malas e em seguida fomos para o local do show, o pequeno e aconchegante espaço Roxy La Viola, no bairro Palermo e apenas a duas quadras de distância do nosso hotel. Ao chegarmos, encontramos com toda a equipe: Diamond Dave, Damon Head, Waynne Smart e o tour manager Christopher. Stephane e David começaram a montar os equipamentos de filmagem enquanto a equipe preparava o palco para o soundcheck.

Durante a montagem tive a oportunidade de chegar bem próximo das duas Gibson ES295 de Geordie. Como é incrível ver de perto os detalhes dessa verdadeira obra de arte. As guitarras têm mais de 65 anos cada e Geordie usa as mesmas desde 1981. Portanto, só com ele elas já estão há pelo menos 37 anos. Ambas foram utilizadas em todos os álbuns do Killing Joke desde então. Deu pra ver todos os pequenos detalhes e os desgastes das mesmas: a ferrugem que já se espalhou pelos captadores e pelas ferragens, a pintura já totalmente craquelada… Foi emocionante chegar perto destas armas de guerra, responsáveis pelo som único e característico do Killing Joke.

Tudo preparado para a passagem de som e filmagem, ficamos em frente ao Roxy aguardando a banda e aos poucos foram chegando os ansiosos fãs argentinos. Assim como em São Paulo, quando a van chegou trazendo os músicos foi a mesma festa. Eles já desceram atendendo todos que estavam em frente ao local com fotos, autógrafos, muitas risadas, altas conversas. Prestei bastante atenção na atitude da banda nesse momento e também no semblante dos fãs ao encontrarem com seus ídolos. Eles receberam todos com muito entusiasmo e cordialidade. Após atenderem os argentinos, entramos todos para o soundcheck e os testes de filmagem. Ficamos eu Stephane e David num camarote um pouco mais elevado do lado direito, bem próximo ao palco. Ali tínhamos uma posição privilegiada para assistir ao show e também para o registro das filmagens. A passagem de som foi bem rápida e tranquila: tocaram “Love Like Blood”, “SO36” (que não entrou no set de São Paulo), e novamente “In Cythera” (que só foi executada uma única vez ao vivo durante a turnê no México, mas a qual tivemos a oportunidade de ouvir ao vivo nos dois soundchecks). Passagem de som finalizada, ficamos sentados no camarote aguardando a abertura da casa. Neste momento vieram Jaz, Geordie e Big Paul e sentaram-se ali conosco. Paguei uma rodada de cerveja para todos e ficamos conversando. Como era de se esperar, eu estava com um sorriso de orelha a orelha. Jaz veio até mim e perguntou porque eu não parava de rir (por que será?). Estava praticamente vivendo um sonho acordado, acompanhando minha banda preferida e tendo esse contato mais próximo com todo o processo que envolve uma turnê, viagem, montagem, passagem de som, a espera antes de começar o show. Emocionante!

Abriram as portas do Roxy e o público começou a entrar. Eles continuaram sentados ali no camarote (apenas Youth ficara no camarim). Atenderam rapidamente mais alguns fãs para fotos e logo entraram para o backstage. Aos poucos a casa enchia e dava para sentir a emoção do público. Assim como no Brasil, era a primeira vez que o Killing Joke se apresentava na Argentina e muita gente aguardava havia anos por esse momento. Um pouco diferente de São Paulo, cuja média de público era de quarentões, em Buenos Aires a a idade aparentava ser menor. Vi vários jovens na plateia ostentando camisetas não só do Killing Joke mas também de Alien Sex Fiend, Nick Cave, Ministry, Joy Division. O local ficou abarrotado de gente. Segunda consta, o show foi sold out, atingindo a capacidade da casa, de 500 lugares.

Ansiedade aumentando, começou a intro “Masked Ball” e o público ficou eufórico. A banda entrou no palco completamente ovacionada pela plateia. O show começou com “Love Like Blood” e e o público argentino logo comprovou o porquê serem considerados um dos mais calientes das américas: todo mundo pulando e cantando junto foi de arrepiar. O set seguia praticamente igual do dia anterior em São Paulo: “European Super State”, “Autonomous Zone”, “Eighties” (nessa ninguém ficou parado; o público realmente estava de parabéns por tamanha empolgação). Consequentemente, a banda recebia essa energia do público e retribuía com uma performance eletrizante e com mais garra ainda. Teve ainda “New Cold War”, “Requiem”, “Follow The Leaders” e “Bloodsport. Novamente o ponto alto do show na minha opinião, foi “Butcher”, do álbum Whats’ THIS For…!. Esta música ao vivo é sublime. Pós-punk minimalista e pesado. O clima e a letra são de revirar o estomago. “Butcher the womb and expect her to bear”.

O show prosseguia com “Loose Cannon” (dedicada por Jaz Coleman ao “true hero” Simon Bolivar), “Labyrinth”, “Corporate Ellect”, “Asteroid”, “The Wait”. Até os quatro encerrarem a primeira parte com a melhor versão de “Pssyche” que eu ouvi na vida. Como tenho todos os discos ao vivo do Killing Joke e diversos bootlegs, posso afirmar que nunca tinha ouvido uma versão tão pesada e coesa como essa. O curioso dessa canção é que é a única na discografia da banda que tem partes distintas cantadas primeiro pelo baixista Youth (depois Jaz Coleman canta a segunda parte e ela finaliza com o baterista Big Paul). Simplesmente sensacional!

Mal a banda deixou o palco era o ouvido uníssono o público argentino gritando Killing Joke e pedindo mais. No retorno dos músicos, mais duas surpresas: a hipnotizante “SO36” (do primeiro álbum, de 1980) e “The Death And Ressurection Show”, de 2003. Ambas não haviam sido executadas em São Paulo. Em seguida, “Wardance” e “Pandemonium”, na qual Jaz já profetizava, nos anos 1990, os tempos sombrios que viriam assolar o planeta (“I can see tomorrow, I can see the world to come, I can see tomorrow, hear the pandemonium”). Novamente tenho que atestar que o público argentino foi espetacular. Não parou um minuto sequer de pular e cantar junto. Em São Paulo foi tudo bacana, mas a plateia não estava tão empolgada (dias depois fui saber através dos amigos Stephane e David, que em Santiago a recepção fora ainda mais insana do que em Buenos Aires e que a própria banda considerara o melhor show da turnê até então).

Desmontamos os equipamentos de filmagem enquanto a equipe desmontava o palco. Aproveitei para conversar com alguns argentinos sobre a crise e a falta de emprego no pais, e perguntar sobre o paro geral que aconteceria no dia seguinte (tudo iria fechar, inclusive o aeroporto, todos protestando contra o péssimo governo Macri). Pude sentir pelos comentários que lá a situação está ainda pior do que no Brasil.

Fomos até o camarim para preparar mais uma edição da Cheese Party, mas como o local era muito pequeno, ficou decidido que a festa seria no hotel onde a banda estava hospedada, o Scala, na avenida Bernardo de Irigoyen, bem no centro de Buenos Aires.

Assim como em São Paulo, após o show, a banda saiu do Roxy e atendeu todos que aguardavam lá fora, sem frescuras e extremamente sorridentes e simpáticos. Ficamos curtindo a empolgação dos fãs. A banda se despediu do público, entrou na van e foi embora. Seguimos até o nosso hotel para descarregar os equipamentos e em seguida nos dirigimos para o Scala. Chegando lá, já encontramos com o Geordie (e algumas groupies) em frente ao hotel, entornando no bico, uma garrafa de tequila. Segundo relatos da própria banda, ninguém consegue acompanhar o Geordie quando o assunto é bebida. Por isso, nem ouse tentar.

Subimos para o quarto de Jaz Coleman e lá começaram os preparativos para mais uma edição da Cheese Party. Stephane preparou uma mesa com pães, torradas e seu kitde aparatos para servir os queijos. Abrimos algumas garrafas de vinho, taças foram enchidas para todos e a festa começou. Eu não estava acreditando no que estava acontecendo: festinha priva no quarto do Jaz, com a banda e equipe. Incrível! Youth entrou no quarto e colocou um som no seu celular ligado naquelas pequenas caixinhas JBL. Todo mundo numa sintonia muito bacana. Conversei bastante com todos da banda e equipe. O tour manager perguntou de onde eu era no Brasil. Quando falei que era de Curitiba, ele comentou que já havia vindo para cá diversas vezes trazendo shows de bandas como Exodus, Destruction, Grave Digger, Testament, Incubus, entre outras. Enquanto isso, Stephane ia cortando os queijos e servindo a todos um a um, sempre comentando um pouco sobre cada queijo, um melhor que o outro. Mostrei a Jaz minha tatuagem da aranha que fiz no Peru, quando estive em Nazca em 2011. É a mesma que o vocalista tem nas costas do macacão que usa no show. Contei que, assim como ele, eu havia visitado os mais importantes sítios arqueológicos da Bolívia e Peru, como Tiwanaco, lago Titicaca, linhas de Nazca, cemitério de Chauchila, e as ruínas de Olantaytambo e Macchu Pichu. Conversamos um pouco sobre as civilizações pré-Incas e todas as maravilhas e mistérios dos Andes.

Como não era permitido fumar no quarto, descemos para a área externa do hotel e fomos acompanhados por Jaz Coleman, que queria um charuto. Ficamos ali por uma meia hora conversando sobre o show, a escolha do set list e assuntos aleatórios, Ele comentou que a banda vai fazer mais uma turnê em 2019 e pretendem voltar para a América do Sul porque estavam adorando a receptividade dos fãs.

Subimos novamente ao quarto para mais uma rodada de queijos e vinhos e mais conversa e diversão. Aos poucos o vinho e os queijos foram acabando e o pessoal dispersando, cada um para seu quarto. Já eram quase 3 horas da manhã e decidimos também ir embora para nosso hotel para descansar. O dia tinha sido intenso e teríamos uma terça-feira inteira pra curtir com a banda. Nos despedimos e marcamos de encontrá-los no hotel na manhã do dia seguinte para tomarmos café juntos. Chamamos um uber e fomos embora para o nosso hotel. Demorei pelo menos uma hora para conseguir relaxar e pegar no sono. As imagens dos acontecimentos daquele dia ficavam constantemente passando pela minha cabeça como um filme. Eu estava eufórico e muito feliz, mas precisava descansar. E o dia seguinte seria ainda mais emocionante.

killingjoke2018venueargentina

Buenos Aires, 25 de setembro

Acordamos, nos encontramos no lobby do hotel, e fomos direto para o Scala. Era terça-feira em Buenos Aires, dia do paro geral. Estava tudo fechado, parecia feriado. Chegamos no Scala e fomos para a área do café. Estavam lá Big Paul e Diamond Dave e um pouco depois chegaram Jaz, Geordie e Roi. Youth não apareceu. Ficamos mais de uma hora tomando café juntos e conversando os assuntos mais variados possíveis: política, trabalhos, projetos futuros, viagens, filhos, casamentos, divórcios.

Na hora do almoço cada um foi para um lado e ficamos somente eu, Stephane, David e Jaz. Ele pediu que a gente o levasse para comer churrasco argentino. Pegamos um táxi em frente ao hotel (me sentei no banco de trás, entre Jaz e David) e pedimos que o motorista nos levasse para Puerto Madero para procurar algum lugar que estivesse aberto. Praticamente todos os restaurantes estavam fechados. Avistamos um que estava aberto e pedimos para ele nos deixar em frente. O nome do local era Rodizio. Era especializado em carnes argentinas, buffet de saladas, aperitivos e carnes servidas no rodízio. Sentei ao lado do Jaz Coleman e solicitamos a carta de vinhos, Jaz pediu que escolhêssemos o melhor Malbec que tivesse na carta, o garçom nos indicou alguns e então escolhemos o Rutini Malbec. Jaz nos contou que quando se trata de vinho ele toma somente três taças porque a quarta traz azar.

Antes de nos servirmos, ficamos ouvindo as teorias e as histórias mais absurdas que ele tem para contar. Falou muito sobre os illuminati, os Rothschild, os Rockfeller, o 11 de Setembro, UFOs e estações alienígenas no espaço, família, problemas com as antigas gravadoras e promotores da banda e o recente cancelamento do box em vinil – ele estava muito puto com os responsáveis da atual gravadora. Perguntei se estava ciente sobre a crise no Brasil e ele respondeu com muito conhecimento de causa, comentou sobre o golpe e o impeachment da presidente Dilma Rousseff, apontou as grandes corporações internacionais e principalmente os Estados Unidos de serem responsáveis por instalar essa crise no país bem como em toda América Latina. Jaz viaja um pouco nas suas teorias de conspiração, mas é uma pessoa inteligentíssima e cativa a atenção quando está falando.

Decidimos nos servir no buffet e começou o rodizio, o que eu prontamente ia traduzindo do espanhol para o inglês para eles saberem o que estavam servindo. Sinceramente, esse rodizio deixou a desejar. Nós, brasileiros, que estamos acostumados com churrascarias, conhecemos e sabemos quando uma carne está bem feita. Poucas opções de carnes estavam boas, como a picanha e a costela, mas na grande maioria, as carnes que foram servidas, estavam, como eles mesmo disseram, “chewy”, duro de mastigar. Jaz não gostou!

Finalizamos nosso almoço e fomos dar uma volta a pé por Puerto Madero. Em seguida tomamos um táxi de volta para o hotel. Lá chegando fomos para a área externa para mais uma seção de charutos com o mestre Coleman. Ele trouxe um kit portátil muito bacana, com várias opções de charutos e cortadores. Nesta hora fomos acompanhados por Diamond Dave e por Maria Ekaterina, uma garota argentina que estava no show no dia anterior e também era megafã da banda. Estava uma tarde agradabilíssima em Buenos Aires e o tempo parecia que estava suspenso. O tempo todo eu refletia sobre tudo que estava acontecendo. Estava muito emocionado de ter esse contato mais próximo e mais humano com meus maiores ídolos e compreender que, ao final do dia somos todos iguais, todos temos nossas alegrias, problemas, dilemas.

Quem acompanha o Killing Joke sabe que Jaz Coleman, além do seu trabalho com a banda, é uma conceituado maestro e arranjador. Ele toca violino, piano e instrumentos de sopro. Já gravou diversos projetos solo e paralelos à banda, como Songs From The Victorious City, (álbum de world music, gravado no Cairo com a musicista Anne Dudley, do Art Of Noise) e Oceania (disco de música tradicional maori, gravado na Nova Zelândia, onde ele vive há mais de vinte anos, em parceria com a cantora Hinewehi Mohi. Uma curiosidade deste álbum: a música “Kotahitanga” foi tema da novela Uga-Uga, exibida pela Rede Globo em 2000. Com a mesma Mohi, Jaz foi o responsável em alterar o hino nacional da Nova Zelândia do inglês para a língua maori nativa. Em 2003, ele escreveu e arranjou todas as orquestrações do álbum Harem da cantora Sarah Brightman. Escreveu e arranjou os álbuns sinfónicos Riders On The Storm: The Doors Concerto, com Nigel Kennedy; Us & Them: Symphonic Pink Floyd e Kashmir: Symphonic Led Zeppelin, ambos com a produção de Youth; e Symphonic Music Of The Rolling Stones. Produziu ainda singlese álbuns de bandas como Mission, Shirad, Cechomor, Zilch, Nitzer Ebb e Front Line Assembly, além de ter lançado, em 2003, um livro superbacana chamado Letters From Cythera, que vinha acompanhado do sua mais recente obra solo orquestrada, The Island – Symphony No.2, gravada pela orquestra filarmônica de Auckland.

O próximo projeto do vocalista, previsto para o final deste ano, é o disco The Great Invocation – A Killing Joke Symphony, integralmente escrito e arranjado por Jaz Coleman e gravado pela Filarmônica de São Petersburgo na Rússia. Enquanto estávamos conversando, ele entrou nesse assunto e falou um pouco sobre o novo álbum. Contou que já havia finalizado as mixagens e masterizações e faltavam somente alguns últimos detalhes para o lançamento. De repente, ele se levantou e convidou todos que estavam ali na mesa para subirem no seu quarto para ouvir as gravações. Então lá fomos nós para mais uma aventura: eu, Stephane, David, Diamond Dave e Maria. Sentamos todos na antessala do quarto de Jaz e ele ligou o celular nas caixinhas JBL para dar início à audição, em primeira mão, do “Symphonic Killing Joke. Ficamos os seis em completo silêncio ouvindo o novo álbum, ninguém sequer respirava direito. Jaz ficou praticamente o tempo todo com os olhos fechados movimentando as mãos no ar, regendo a orquestra imaginária enquanto rolavam as músicas. Em alguns momentos ele abria os olhos e chamava nossa atenção para que atentássemos a algum detalhe da música ou alguma mudança mais drástica. A experiência foi muito emocionante. Ficamos uma hora e meia (que é a duração do álbum) juntos com o criador, ouvindo sua obra mais recente. Em tempos de era digital, na qual os discos costumam vazar na internet, é mais do que normal ouvir algo antes do seu lançamento. Mas ouvir pela primeira vez uma obra ao lado de quem criou e escreveu foi uma das coisas mais fantásticas que já me aconteceu.

Após a audição ficamos todos muito emocionados e com lágrimas nos olhos, tamanha a beleza e sutileza da obra. Elogiamos muito o trabalho, fizemos nossos comentários. Jaz perguntou a cada um de nós qual música tínhamos gostado mais e o porquê. Eu fiquei muito impressionado com as versões de “Raven King”, “Intravenous” e “Adorations”, que foram as que mais me marcaram nesta primeira audição. Disse a ele que fora o momento mais incrível que já tinha acontecido na minha vida e que nunca mais iria esquecer aquele dia e toda vez que eu ouvisse o álbum dali em diante sempre iria lembrar desta tarde memorável ao lado de pessoas maravilhosas.

Descemos novamente para a área externa do hotel para mais alguns cafés, cigarros e charutos e continuamos a conversar sobre o álbum sinfónico. Jaz comentou que pretende lançar outros no futuro e que até já começou a escrever alguns arranjos. Nos contou também sobre como foi difícil a escolha das músicas num repertório tão extenso, o processo de escrever as partituras, as escolhas de instrumentos para cada parte e sobre sua estadia na Rússia durante as gravações com a Filarmônica de São Petersburgo

Já estava começando a anoitecer quando fomos todos para o restaurante do hotel, pedimos algumas cervejas e continuamos a conversar com Jaz. Ele contou que pretende em 2019 realizar um evento especial para os gatherers. A ideia são acampamentos em locais sagrados nos Andes, onde acontecerão visitas guiadas, leituras, música, cerimonias ritualísticas. Uma verdadeira celebração entre os gatherers!

Aos poucos foram aparecendo o restante dos integrantes da banda e equipe e todos decidiram jantar ali mesmo no hotel. Dei várias dicas de lugares para se visitar em Santiago. Falei que tinham que visitar o Cerro Bella Vista para ter uma visão privilegiada da cidade de Santiago. Também sugeri que almoçassem no mercado central de Santiago, especializado em frutos do mar, para provar o delicioso King Crab e o Ceviche. O local vale a visita pois tem uma arquitetura muito bonita,  e o projeto foi desenhado por Gustave Eiffel. Espero que eles tenham tido a oportunidade de ir, já que na manhã seguinte se dirigiriam para Santiago e, assim como em Buenos Aires, teriam um dia livre na cidade.

Após o jantar, Jaz Coleman se despediu e foi para o seu quarto. Fomos então até o lobby do hotel e ficamos tomando rum e conversando bem descontraidamente com Big Paul e Diamond Dave, um pouco depois se juntaram a nós Damon Head e Waynne Smart. Todos foram muito amáveis conosco. Chegou nossa hora de nos despedir e irmos embora. Foi muito emocionante receber um abraço carinhoso de todos, banda e equipe, me desejando boa viagem, dizendo que eu era um cara muito legal e que esperavam me encontrar na próxima turnê. Big Paul me perguntou qual seria a primeira coisa que eu faria ao chegar no Brasil e eu lhe disse que seria ver minha filhinha Kali, pois eu estava com muitas saudades dela. Fomos então embora para nosso hotel. Na manhã seguinte nós também nos despediríamos: Stephane e David seguiriam a banda em Santiago e Lima, eu retornaria ao Brasil.

De todas as pessoas as que mais tenho que agradecer por esses três dias foram esses figuras, Stephane e David, dois seres extremamente cordiais, inteligentes, engraçados e muito companheiros. Apesar de nunca termos nos conhecido pessoalmente e da barreira da língua, parecia que já nos conhecíamos havia muitos anos. Os dois eram uma comédia. O tempo todo faziam piadinhas entre eles (a richa antiga entre Inglaterra e França!), tirando selfies fazendo caretas, rindo que nem palhaços – tanto é que eu os apelidei de Inspetor Clouseau e Mr Bean, de tão engraçados que eram. Ao nos despedirmos no aeroporto de Buenos Aires na quarta-feira pela manhã, ambos me convidaram para visita-los no exterior, quando eu quiser as portas estarão abertas. São esse tipo de amizade que só o Killing Joke consegue proporcionar entre os “gatherers”. Eu nunca esquecerei os momentos que passamos juntos. Foi graças a eles também que tive o acesso e contato tão próximo com a minha banda preferida.

E assim acabou minha aventura com o Killing Joke. Retornei para o Brasil e já no avião comecei a planejar escrever esse relato da viagem. Foram três dias muito intensos ao lado de pessoas bacanas e da melhor banda do mundo. All hail the almighty Joke!

killingjoke2018guitarragerodiekillingjoke2018gugujaz.jpg