Movies

Joias Brutas

Trama caótica, montagem tensa e Adam Sandler fugindo de suas habituais comédias estereotipadas tornam este filme uma divertida surpresa

uncutgems2019mb

Texto por Leonardo Andreiko

Foto: Netflix/Divulgação

É relativamente fácil vermos um filme que cria tensão. Essa ferramenta de linguagem está tão incrustrada no cinema contemporâneo que a tomamos por dada. Difícil, no entanto, é um longa que o faça a todo momento – das mais variadas formas possíveis.

Joias Brutas (Uncut Gems, EUA, 2019 – Netflix) é dirigido pelos irmãos Josh e Benny Safdie, escrito por eles junto a Ronald Bronstein e montado pelos dois últimos. Essa autoralidade, que passa da cadeira da direção para inundar as diferentes etapas da produção cinematográfica, é típica da obra dos Safdie. E se paga completamente neste longa.

A trama acompanha a turbulenta vida de Howard Ratner, um joalheiro nova-iorquino que, ao mesmo tempo que deve muito dinheiro, vê a oportunidade de uma venda astronômica. Tal como sua rotina, a história é frenética. O protagonista vai e volta, num entra-e-sai de lugares, negócios e acordos que, embora bastante simples, tornam-se difíceis de acompanhar. No entanto, a história não seria a mesma – e, por consequência, não seria tão boa – caso não houvesse dois pilares: a direção e a montagem por um lado, Adam Sandler no outro.

Comecemos por aqueles. A constante câmera na mão, perdida no meio de um mar de ações do elenco, é efusiva e sinaliza bem a correria em que Joias Brutas se estabelece. Os Safdie dão bastante espaço para seus atores, porém quase nenhum para sua câmera – sempre claustrofóbica, fechada e cambaleando de quadro a quadro. A fotografia de Darius Khondji é indissociável desse estilo. Granulada, lavada e por muitas vezes fora de foco, ela constrói não somente a cidade em que Howard vive, mas suas incertezas e planos mirabolantes.

Enquanto isso, cabe aos montadores a criação de um ritmo onipresente à obra. O cinema acelerado dos Safdie, a megalomania de Howard e as constantes discussões polifônicas que montam a trama são sempre extrapolados pela constante troca de câmeras, ângulos e pontos de vista. Contudo, a preocupação em construir o ritmo não permite que se perca a coesão narrativa e a sensação de unidade do longa. É bagunçado, mas é um só. Quis ser bagunçado.

E não seria estranho, portanto, que o protagonista fosse a bagunça personificada. Howard fala demais, é canastrão e vivaz, mas autêntico e de uma certeza inabalável. Seu adultério, vício por apostas e a interminável construção de plano atrás de plano para ganhar dinheiro não são somente características externas ao personagem, dadas pela trama porém introjetadas nele mesmo por seu ator. Sandler vive Howard, numa interpretação que resgata a constante “interpretação de si mesmo”, joga-a contra a parede e propõe uma persona que não foge dos maneirismos mas é muito além disso. Vale comentar, num adendo, que não há a infame voz exagerada que o humorista faz quando tenta ser engraçado . O que é um alívio para o espectador.

A trilha sonora de Daniel Lopatin ainda é certeira. Seus sintetizadores por ora dissonantes e deixam a trama respirar (mesmo que em sua respiração ansiosa) e somente a calçam, sem perder a melodia.

Tudo isso faz de Joias Brutas um filme ansioso, que jamais perde tempo, confuso em si mesmo e capaz de desenvolver sua tensão do início ao fim. Construído em volta da melhor atuação de Adam Sandler até o momento e amparado por ótimas interpretações de Julia Fox e Lakeith Stanfield, o longa abraça o caos de sua trama e permite acompanhar Howard por uma história divertida, na qual a tensão irrompe mais num jogo de basquete que numa confusão com a máfia. Uma boa surpresa para algum desavisado que espera de Sandler um Gente Grande atrás do outro. Volta e meia ele faz um filme bom.

Music

A Place To Bury Strangers – ao vivo

A sonoridade dos últimos momentos antes da morte devem ser assim como a banda de Oliver Ackermann e Dion Lunadon

aplacetoburystrangers2019spfabiosoares

Texto e foto por Fábio Soares

Sempre tive curiosidade (que muitos, gratuitamente, rotulariam como “mórbida”) em saber o que se passa na mente de um indivíduo momentos antes de sua morte. Já li diversas teorias a respeito: flashback de instantes felizes ao lado da família, admiráveis feitos individuais (completar uma maratona ou ter escalado uma montanha, por exemplo), a primeira transa, a hora do “sim” numa cerimônia de casamento…

Mas por que será que ninguém se ateve a estender esta curiosidade para quais sons um morimbundo levaria para eternidade num momento final? Quando Joey Ramone morreu de câncer em 15 de Abril de 2001, noticiou-se que no exato instante de sua morte, a canção do U2 “In A Little While” (do álbum All That You Can’t Leave Behind, de 2000) foi a trilha sonora de sua passagem. Em vez da suavidade da canção de Bono e sua turma, ainda acho que os átomos de minutos pré-morte são caóticos, perturbadores e inquietantes, como toda grave mudança de plano sugere. Traçando o devido paralelo, portanto, o som da banda A Place To Bury Strangers, vem a calhar: noise rock elevado ao limite de sua extremidade, fruto dos cérebros nervosos de Oliver Ackermann e Dion Lunadon traziam a expectativa de hecatombe nuclear muito antes de sua chegada a São Paulo. Sabia-se que os shows do grupo beiravam a exaustão sonora, fato este que comprovou-se no último 8 de maio, quando após executarem uma única canção no show extra agendado para a data, a parte elétrica da Sala Adoniran Barbosa, no Centro Cultural São Paulo não aguentou o tranco e pediu água, forçando a banda a se apresentar em duas sessões no dia seguinte.

Quem assistiu a estas duas sessões na sequência deve estar, neste momento, seguindo instruções de otorrinolaringologistas após o caos sonoro presenciado. A parte visual do espetáculo restringia-se à fumaça artificial que propositalmente preenche o espaço, deixando a plateia às cegas. A partir daí, um caminhão de distorções, efeitos de guitarras, batidas marciais e inexplicáveis camadas sonoras bombardearam o público num volume altíssimo. A sensação era de se estar em meio a uma catástrofe sem nenhuma saída para escapatória. A banda também demonstrava não ter qualquer apreço a seus bens materiais. Por mais de uma vez, Ackermann e Lunadon arremessam seus instrumentos ao ar que, agonizantes, chocaram-se ao solo para novamente serem empunhados e acionados como instrumentos de uma tortura da qual ninguém reclamava. Muito pelo contrário, aliás.

Ao fim da apresentação, uma agoniante nuvem sonora de microfonias permanecia no ambiente a enlouquecer os presentes. É extremamente difícil e inexato definir o show do A Place The Burn Strangers numa única palavra. Uma ópera da agonia que retorce os sentidos e nos entrega a um mundo de possibilidades. A trilha sonora do fim. Se a morte é precedida de uma barulheira dessas, o que vem depois só pode ser a tranquilidade de uma eternidade perene.

Seguindo essa linha se raciocínio, o show do APTBS pode ser rotulado como purgatório? Sim, por que não? Topamos!

Set List primeiro show: “Alone”, “You Are The One”, “Mind Control”, “Worship”, “Fear”, “Dissolved”, “Why I Can’t Cry Anymore”, “Revenge”, “And I’m Up”, “Slide” e “Leaving Tomorrow”.

Set List segundo show: “Ego Death”, “We’ve Come So Far”, “So Far Away”, “Deadbeat”, “Drill It Up”, “There’s Only One Of Us”, “Exploding Head”, “Fill The Void”, “Machine Jam #1”, “Never Coming Back”, “Keep Slipping Away”, “I Lived My Life To Stand In The Shadow Of Your Heart” e “Ocean”.

Movies

Hellboy

Reboot do herói levado inicialmente aos cinemas pelo diretor Guillermo Del Toro derrapa em diversos tons

Hellboy2019

Texto por Leonardo Andreiko

Foto: Imagem Filmes/Divulgação

O diretor mexicano Guillermo Del Toro, há 15 anos atrás, iniciou uma obra que desencadearia numa ruptura com o estúdio que o contratou e, após a frustrada expectativa de um novo filme, um reboot. Ron Pearlman é substituído por David Harbour no papel que dá nome à saga, John Hurt por Ian McShane e o icônico Abe Sapien de Doug Jones foi esquecido. Surge, então, o mais recente Hellboy (EUA/Reio Unido/Bulgária, 2019 – Imagem Filmes).

Não seria terrível um novo Hellboy sem seu idealizador original. Poderia, até, trocar Ron Pearlman por um ator mais jovem. Numa era pós-Stranger Things e de MCU, nasce um Frankenstein demoníaco de comédia, horror e jornada do velho herói. Dirigido por Neil Marshall, este Hellboy de 2019 tenta tudo e consegue, de fato, muito pouco. O diretor parece pouco investido em desenvolver uma linguagem concisa para o filme e acaba derrapando em diversos tons, incapaz de manter coesão narrativa ao longo da trama. Cada flashback tem sua estética e ritmo, enquanto o tempo presente é fortemente inconstante e muitas vezes caricato. É impossível não se lembrar de Jar Jar Binks e sua comédia corporal em cena segundos depois de uma grande tragédia.

A trama se inicia com um flashback extenso, narrado com obviedade. Repete-se a preguiçosa tentativa de contar-nos que Rei Arthur empunhou a Excalibur enquanto vemos… Rei Arthur empunhando a Excalibur! Adiante, acompanhamos Hellboy em sua missão na Inglaterra, indo ao auxílio do tradicional Clube Osiris. No entanto, o convite se torna uma enrascada – o protagonista é o causador premonitório do fim do mundo, motivo pelo qual o grupo britânico quer matá-lo. Somente com essa ameaça obliterada entramos de fato na trama principal do filme, desenvolvida desde o flashback. Hellboy deve impedir o retorno da maléfica bruxa Nimue, a Rainha de Sangue, que deseja instaurar o caos no mundo com sua praga. Ainda assim, o roteiro de Andrew Cosby insiste em atirar seu espectador para um conflito rasamente desenvolvido entre o protagonista e seu pai, o Professor Broom de Ian McShane, e uma sequência morosa e desnecessária com mais uma vilã, Baba Yaga, interpretada por Emma Tate e Troy James (voz e corpo, respectivamente).

Os personagens são, graças ao roteiro, unidimensionais ou puramente entregas de informações para o desenvolvimento da história, como é o caso de Baba Yaga. David Harbour interpreta, de modo eficiente, uma versão diferente do demônio, focando em sua imaturidade adolescente ainda que esta não seja explicitada no universo do filme, mas lhe falta carisma. Ian McShane cria um tutor desinteressante e desinteressado, cuja função é expositiva. Alice Monaghan (Sasha Lane) é uma estranha amiga/par romântico de Hellboy, por mais que ele a tenha resgatado de fadas quando bebê e a visto crescer.

Além de arrastado, o longa é inconstante em seus efeitos visuais, apresentando ora boas animações e texturas, ora figuras escabrosas e mal finalizadas. Há uma memorável cena de luta, inventiva e dinâmica, entre Hellboy e gigantes, porém ela é a única de todo o filme. A trilha sonora é extremamente ineficaz, utilizando ostensivamente hinos do rock do século 20 mesclados com aleatórios fortes riffs distorcidos.

Hellboy derrapa em todos seus aspectos, incapaz de desenvolver seus personagens, universo e cativar seu público – seja por ação, horror (no terceiro ato) ou por comédia, onde falha em completude. Uma tentativa desesperada de bilheteria fácil, aposto na completa frustração da produtora em alavancar uma sequência, desejo explícito em toda a história. É preciso um ótimo filme para o prenúncio de uma boa continuação. Estamos longe disso neste “primeiro” e, espero, mais ainda do segundo.

Music

Gang Of Four – ao vivo

Renovada gangue de Andy Gill divide opiniões com seu baile pós-punk nas cidades de Ribeirão Preto e São Paulo

gangofofur2018rpreto_regismartins

Textos por Regis Martins (Saturno Pop/Cia Fantasma/Motormama) e Fábio Soares

Foto de Regis Martins

Às vésperas do show da banda inglesa Gang Of Four no SESC Ribeirão Preto (SP) no último 24 de novembro, a piada era de que o grupo deveria mudar o nome para “Gangue de Um”. Tudo porque o guitarrista Andy Gill era único remanescente da formação original.

Maldades à parte, o fato é que a nova formação do quarteto não deixou nada a desejar, tanto nas duas apresentações no Sesc Pompeia, nas noites anteriores, quanto nesta no interior paulista. Pelo contrário: os jovens escalados por Andy chegam a ser musicalmente superiores aos originais tecnicamente falando.

O funk punk do G4 é matemático, cru e pulsante e ainda mais pesado ao vivo. O público que lotou o Galpão de Eventos do Sesc gostou do que viu e saiu com a certeza de que não estava sendo enganado por uma banda cover. Desde o momento em que Andy, o Jimi Hendrix do pós-punk, subiu ao palco esmurrando e jogando ao chão uma cópia genérica de sua Stratocaster, várias gerações de fãs na plateia perceberam que estavam diante de uma lenda do rock inglês.

O set list começou com algumas músicas mais recentes de discos como  o álbum What Happens Next (2015) e o EP Complicit (2018, com Ivanka Trump na capa) deixando o público um tanto confuso. A coisa realmente engrenou quando a banda soltou seus clássicos.

“Damaged Goods” foi uma das primeiras do álbum clássico Entertainment! – que completa 40 anos em 2019 – a alegrar a plateia. É incrível como essa canção é atualíssima na forma e no conteúdo.

Daí em diante, vieram “At Home He’s a Tourist”, “To Hell With The Poverty”, “I Love a Man In a Uniform”, “Not Great Men” e a longa e hipnótica “Ether” (que abre Entertainment!) no bis. O som muito bem equalizado colaborou para que todos os detalhes dos instrumentos não se perdessem numa maçaroca inaudível.

A música do G4 não é facilmente palatável. O grupo faz parte do núcleo duro do pós-punk inicial, que inclui bandas como PIL e Killing Joke, pioneiros na busca por um som árido, radical e sem concessões. Ver essa turma no interior paulista é algo realmente surpreendente.

E mais surpreendente foi ver Andy Gill e asseclas pós-show, encerrando a noite de sábado num botequim rocker do centro de Ribeirão Preto, o já cultuado Bar do Xapa. Simpáticos com todo mundo, os músicos dançaram e beberam a noite inteira, encerrando esta microturnê brasileira de forma única. That’s entertainment! (RM)

Set list: “Love Like Anthrax”, “Where The Nightingale Sings”, “Not Great Men”, “Isle Of Dogs”, “Toreador”, “Paralysed”, “I Parade Myself”, “What We All Want”, “Natural’s Not In It”, “Lucky”, “Damaged Goods”, “Do As I Say”, “Why Theory?”, “I Love a Man In a Unform”, “At Home He’s a Tourist” e “To Hell With Poverty”. Bis: “Ether”, “Return The Gift” e “I Found That Essence Rare”.

***

Muita expectativa cercava a apresentação do Gang Of Four, no palco do Sesc Pompeia, na noite de 22 de novembro. Os ingressos, disputados a tapa tanto virtual quanto fisicamente nas bilheterias, esgotaram-se em pouquíssimos minutos dez dias antes das apresentações. Em sua terceira passagem por aqui, Andy Gill e sua trupe (os jovens John Sterry, nos vocais; Thomas McNice, no baixo; e Tobias Humble, na bateria) prometiam um apanhado da carreira de quase 40 anos a ser comemorada com um novo disco, Happy Now, previsto para ser lançado em fevereiro. Atmosfera favorável, alguns famosos na plateia (Sandra Coutinho, das Mercenárias; BNegão, dos Seletores de Frequência e Planet Hemp; e Clemente, dos Inocentes e da Plebe Rude), noite agradável. Enfim, um pano de fundo quase perfeito para uma celebração que começou doze minutos atrasada com os primeiros acordes de “Love Like Anthrax”, faixa de Entertainment!, seminal estreia do grupo formado na cidade inglesa de Leeds.

Numa encenação particular, Gill arrancava microfonias de uma guitarra figurativa e a atirava ao chão repetidas vezes. Já na primeira faixa, ganhava destaque a performance de McNice. O baixista, sem parar um segundo sequer, mostrava que é, disparado, o melhor músico do quarteto. Em “Not Great Men”, pulava de um lado para o outro, preenchendo os espaços sem perder a concentração. Já Sterry, transpassava insegurança. Mais preocupado em fazer caras e bocas do que ter boa performance vocal, passaria muito bem como um cover de Ian Curtis cantando num karaokê da Rua Augusta numa madrugada paulistana qualquer. Nem o petardo “What We All Want” fez o vocalista ficar à vontade. Parecia que ele estava contando quantas faixas faltavam para a apresentação acabar. Aqui, nova boa performance de McNice. Ao menos parecia estar numa festa. Ao menos…

Já Andy Gill, sabia que todas as atenções estariam voltadas a ele. Bendito fruto dentre as lendas do pós-punk, ostentava seu ar blasé durante todo o tempo. Longe de ser virtuoso à guitarra, ele procurava ser econômico na medida certa para não comprometer. E aí é que estava o problema: faltava punch ao Gang Of Four 2018. O eterno “fantasma” da presença de seu fundador, Jon King, parece afetar a banda até hoje.

Justamente esse freio de mão puxado prejudicou a recepção das novas faixas apresentadas em São Paulo. “Toreador”, em nenhum momento, levantou a plateia e até “Lucky”, pré-fabricada para as pistas, sofreu com a irregularidade do grupo. Aliado ao cenário desfavorável, a má equalização do som se fez sentir até para quem estava muito próximo ao palco (eu, inclusive). Por muitas vezes, o baixo de McNice encobria a guitarra de Gill que, por sua vez, inibia a voz de Sterry. Só o batera Humble parecia alheio ao caos técnico dos equipamentos.

Quando os acordes de “Damaged Goods” se iniciaram na guitarra, um sentimento de “agora vai!” instalou-se na choperia do Sesc. Doce ilusão! Com timidez e descompasso atrozes, John Sterry mais parecia um funcionário de cartório ansioso pelo final do expediente. Aí joguei a toalha! Se não pegou no tranco com um trator como “Damaged Goods”, ele não se soltaria mais. Dito e feito. Os vinte minutos finais da apresentação do Gang Of Four, encerrada com a execução da dançante (bem, pelo menos deveria ser) “To Hell With Poverty”, foram burocráticos e protocolares.

Triste é constatar quando o final da apresentação de um artista que admiramos causa alívio ao invés de comoção. Saldo positivo: a performance de McNice, ver Andy Gill de perto, reencontrar amigos queridos e degustar um chope gelado. Se bem que estes dois últimos aspectos podemos fazer num boteco qualquer ou em casa mesmo, né, não? Afinal, este foi um show esquecível numa noite mediana. Mas ninguém vai morrer e, por isso, segue o baile. (FS)

Set list: “Love Like Anthrax”, “Where The Nightingale Sings”, “Not Great Men”, “Toreador”, “Paralysed”, “I Parade Myself”, “Isle Of Dogs”, “What We All Want”, “Natural’s Not In It”, “Lucky”, “Damaged Goods”, “Do As I Say”, “Why Theory?”, “I Love a Man In a Unform”, “At Home He’s a Tourist” e “To Hell With Poverty”. Bis: “Ether”, “Return The Gift” e “I Found That Essence Rare”.