Movies

It: Capítulo Dois

Clássica trama de Stephen King ganha sequência na qual amigos de adolescência voltam a enfrentar o palhaço Pennywise 27 anos depois

itchaptertwo01MB

Texto por Janaina Monteiro

Foto: Warner/Divulgação

Enfrentar medos, lutar contra fobias e espantar traumas que muitas vezes nos impedem de arriscar e mudar o rumo da vida são os maiores desafios do ser humano. As cicatrizes deixadas por casos de bullying, desamparo ou frustração, sobretudo na infância, moldam nosso caráter e personalidade e assombram a mente, como se fôssemos perseguidos eternamente por monstros.

Em It – A Coisa, todos esses medos e sequelas do passado, conscientes e inconscientes, personificam-se numa figura ambígua e que de engraçada não tem nada: o terrível palhaço Pennywise, do clássico de mais de mil páginas escrito pelo mestre do terror Stephen King. O livro foi publicado em 1986 e ganhou a primeira adaptação no formato de telefilme em 1990. Três décadas depois, a história reapareceu desmembrada em dois capítulos a fim de cativar desde a geração X até os millennials que já nasceram na era dos efeitos especiais computadorizados.

A primeira parte do remake estreou em 2017, trazendo para as telas a história de sete amigos (Bill, Richie, Stan, Mike, Eddie, Ben e Beverly, que formaram o Clube dos Losers) e enfrentaram na virada para os anos 1990 o palhaço devorador de criancinhas. A continuação desta trama assustadora chegou nesta quinta aos cinemas brasileiros. Em It: Capítulo Dois (It: Chapter Two, EUA/Canadá/Argentina, 2019 – Warner) os amigos da adolescência fazem jus ao pacto de sangue e revivem os traumas e medos do passado ao se reencontrarem, 27 anos depois, para lutar contra o mesmo fantasma – ou melhor, o mesmo palhaço dos balões vermelhos. A criatura é tão horripilante que talvez só outro palhaço seja capaz de desbancá-lo em bilheteria e terror: o Coringa encarnado por Joaquin Phoenix, que chega no mês que vem aos cinemas.

Em se tratando de Stephen King é desnecessário informar que o filme é longo, com quase três horas de duração. Mas nada que um roteiro e direção sintonizados garantam uma experiência agradável e prazerosa, apesar de aterrorizante, como uma sessão de psicanálise. Para adaptar um “catatau” do rei Stephen só mesmo um roteirista expert em filmes de terror (Gary Dauberman, de A Freira, A Maldição da Chorona Annabelle) e a parceria impecável com o diretor portenho Andy Muschietti. A dupla consegue manter uma sincronia especial para segurar o público na poltrona até o fim, mesmo quando aborda clichês como a cena de início do filme, ambientada num parque de diversões. Lá é onde o medo e a diversão se encontram. Em vez de um casal heterossexual, a história já coloca de cara dois namorados sofrendo o ataque homofóbico de uma gangue de valentões.  O roteiro também se preocupa em situar aqueles que não assistiram ao primeiro capítulo de It, através de uma série de flashbacks muito bem coordenados na trama e que por diversas vezes retomam a narrativa de forma até poética.

Nesta segunda parte, a aventura revivida pelos amigos, agora adultos, traz um ar nostálgico, um misto de Goonies com Indiana Jones e Stranger Things (um dos membros do grupo teen é vivido por Finn Wolfhard, que também está no elenco da série da Netflix) ao som de New Kids On The Block. A escolha dos atores e a construção das personagens, por si só, garantem a empatia do público. Difícil não se identificar com o perfil deles, que acumulam defeitos como todo loser. Ben (Jay Ryan), que sofria bullying pelos quilinhos a mais, virou atleta mas ainda tem o pensamento estereotipado de “gordinho”. A doce Beverly (que na fase adulta é interpretada pela ruivíssima Jessica Chastain) casou-se com um marido possessivo, bem aos moldes de seu pai, e precisa ser durona para enfrentar as agressões. Outro exemplo, Bill (James McAvoy), tornou-se escritor e roteirista de cinema mas é mestre em fazer finais ruins, porque assim é a realidade, repleta de finais infelizes.

Dos sete, apenas um componente do Clube dos Losers permaneceu em Derry, a cidade fictícia que fica no estado de Maine e onde se passa a trama. E quem é fã do “iluminado” Stephen King sabe que o cenário de suas histórias só pode ser onde o escritor de 71 anos mora até hoje. Maine é marca registrada da obra do rei do terror, estado que abriga suas cidades fictícias, com atmosfera nebulosa, como Chamberlain de Carrie, a Estranha, ou Ludlow, de Cemitério Maldito.

O Capítulo 2 de It tem início quando Mike (Isaiah Mustafa) monitora uma série de mortes atribuídas a Pennywise (Bill Skarsgård). A partir disso e por 2h49 para ser precisa (por isso, um conselho: vá ao banheiro antes da sessão começar), assistimos a um thriller psicológico que mistura humor negro e pitadas de melancolia que só a mente fértil de King é capaz de proporcionar.

A trama é recheada de cenas sangrentas, obviamente explícitas, nuas e cruas. Quando Pennywise ataca as criancinhas, babando de fome, ele abocanha sem dó nem piedade. E a direção não poupa esse choque e escancara a violência, nos levando a tomar sustos mas não ao ponto de pular da poltrona – mesmo porque já estamos habituados a ver coisas semelhantes nos telejornais diários.

Outras cenas um tanto trash trazem diálogos tão bem-humorados e criativos que, em vez de medo, instigam o riso. Resta saber quem vai rir por último dessa vez: Pennywise ou os amigos da adolescência?

Music

Judas Priest + Alice In Chains + Black Star Riders – ao vivo

Festival mostra em Curitiba que o hard rock e o heavy metal são duas vertentes do rock que sobrevivem do passado de glórias

judaspriest2018cwb

Judas Priest

Texto por Abonico R. Smith

Fotos de Priscila Oliveira (CWB Live)

Volta e meia alguém diz por aí que o rock virou coisa de velho. De certa forma isto não deixa de estar correto. Pelo menos em cima do palco. Pelo menos no que depender da dobradinha hard rock/heavy metal. Calcados na mistura de guitarras pesadas construídas com base em riffs cíclicos e refrãos potentes, daqueles que têm o poder de comandar o uníssono de uma multidão em estádios e arenas, esses gêneros andam mostrando que ainda não souberam se renovar muito neste início de século. Poucas bandas de popularidade e representatividade sonora surgiram e os grandes baluartes que solidificaram a fama das vertentes durantes os anos 1970 e 1990 continuam por aí, firmes e fortes, carregando hordas de fãs para vê-los por onde passam. Aliás, com o império do formato MP3, anteriormente em troca de arquivos P2P e já há algum tempo como sucesso de plataformas de streaming, parece que ficaram ainda mais fortes, já que toda música mais antiga está sendo descoberta e consumida como novidade para uma geração que não conhece direito que função tem (ou tinha) um disco de vinil ou a laser. Isso explica o que se viu na Pedreira Paulo Leminski, em Curitiba, na noite de 8 de novembro de 2018.

Na nova edição do festival Solid Rock – que reúne bandas de som pesado com a carreira já solidificada – quem era o headliner era o Judas Priest. Quinteto inglês que pode ser considerado o marco de transição entre o hard rock e o heavy metal, com “somente” quase meio século de carreira. Nos vocais, uma figura lendária do gênero, Rob Halford, já com 67 anos – mesma idade do baixista Ian Hill, o único remanescente da formação original. Antes dos britânicos, os americanos do Alice In Chains, banda formada há 31 anos na cidade de Seattle e um dos nomes responsáveis pelo hype e torno da cidade e do rótulo grunge no início dos anos 1990. Somando os dois já são oito décadas de trajetória.

Quem abriu os trabalhos da noite foi o Black Star Riders, banda relativamente nova – foi formada em 2012, mas que surgiu das quase cinzas do Thin Lizzy, histórica formação de hard rockque deu seus primeiros passos na capital irlandesa Dublin em 1969 e que teoricamente continua em atividade. Um de seus guitarristas, Scott Gorham, entrou para o grupo em 1974 e gravou do quarto ao décimo segundo (e último) álbum do grupo, lançado em 1983, um pouco antes do encerramento das atividades. Em 1996, o Thin Lizzy decidiu voltar de forma não regular, reunindo-se apenas para shows. Dois dos integrantes recrutados nesta nova “fase da banda” (o vocalista Ricky Warwick e o também guitarrista Damon Johnson) montaram o BSR com Gorham quando decidiram não usar mais o nome da antiga banda. Resumindo: quase todo mundo ali nas três bandas já atingiu a quinta dezena na idade e quem ainda não o fez está quase lá. Exceções apenas para os “bebês” Chad Szeliga (baterista do BSR, que soprará 42 velinhas em dezembro) e Richie Faulkner (que completará 39 quando os fogos de artificio anunciarem a chegada do próximo ano).

Com três álbuns lançados entre 2013 e 2017, o BSR pode não usar oficialmente o nome do Thin Lizzy mas se dedica a manter viva a chama da banda irlandesa. Não por acaso tocam alguns covers. Na capital paranaense apareceram no set list megahit “The Boys Are Back In Town” e “Jailbreak”, ambas faixas do álbum Jailbreak, de 1976, que ganhou disco de ouro pelas vendagens nos mercados do Reino Unido, Estados Unidos e Canadá. De resto, tocam músicas bem recentes que poderiam estar muito bem no repertório de outrora, com melodias fortes, pitadas de blues e arranjos que desfilam aquele hard rock clássico setentista.

aliceinchains2018cwb

Alice In Chains

O Alice In Chains subiu ao palco determinado a privilegiar a primeira fase da banda, quando o cantor ainda era o doidão Layne Staley, morto por overdose em 2002. Das quinze músicas do set list, dez foram gravadas pela banda entre 1990 e 1995. Somente cinco representam o período da retomada da carreira, quando o guitarrista, compositor e covocalista Jerry Cantrell encontrou um vocalista à altura (William DuVall, vindo do circuito do hardcore norte-americano) e pôs um fim ao hiato de seis anos da banda, que durou entre 1996 e 2002. Apenas duas vieram representando o disco mais recente, Rainier Frog, lançado em agosto último. Grande parte do público nem estava aí se DuVall é mais técnico no gogó e também um bom instrumentista. Esses se esbaldaram nos velhos hits como “Man In The Box”, “Them Bones, “Down In A Hole” e “Would?”.  O grunge parecia uma revolução feita aqui e agora na Pedreira.

Já o Judas Priest foi ainda mais além no mergulho rumo ao passado. Quatro faixas do repertório vieram do novo álbum Firepower (lançado em março último) e as outras quinze do período entre 1976 e 1990, quando a banda abriu os caminhos do heavy metal para toda uma grande e nova geração britânica (Iron Maiden, Venom, Motörhead, Saxon, Def Leppard), americana (Metallica, Slayer, Exodus, Anthrax, Pantera, Testament) e de outros países como Brasil e Alemanha. A nova dupla de guitarristas mostrou não temer o peso de substituir lendas como KK Downing (que optou por deixar a formação em 2011) e Glenn Tipton (afastado por sofrer do Mal de Parkinson). O “protagonista” dos solos William Faulkner, apesar da “pouca” idade, apredneu direitinho com seus deuses e ídolos do instrumento. Já Andy Snead, produtor de Firepower, revela-se totalmente integrado à turma na atual turnê. Rob Halford, por sua vez, compensa com os fatos de ter carisma e cantar muito a falta de uma performance mais incisiva. Também volta e meia troca de figurinos a la Katy Perry (abusa de muitas capas e casacos, indo do prateado de excessivo brilho ao couro preto sadomasô, passando pelo inevitável jeans) e guarda para o final a triunfante entrada no palco ao som do ronco de uma moto Harley Davidson.

Os clássicos matadores “Breaking The Law” e “Living After Midnight” foram estrategicamente guardados para encarrar o set em uma noite que provou que gêneros como hard rocke heavy metal parecem estar ficando que nem vinho: quanto mais antigos, melhor. O que também pode significar uma grande maldição para os próximos anos, quando toda essa turma de pioneiros e grandes heróis não estiverem mais em disponíveis.

Set list Black Star Riders: “All Hell Breaks Loose”, “Jailbreak”, “Finest Hour”, “Heavy Fire”, “The Killer Instinct”, “Before The War”, “When The Night Comes In”, “The Boys Are Back In Town”, “Kingdom Of The Lost” e “Bound For Glory”.

Set list Alice In Chains: “Check My Brain”, “Again”, “Never Fade”, “Them Bones”, “Dam That River”, “Hollow”, “Down In a Hole”, “No Excuses”, “We Die Young”, “Stone”, “Angry Chair”, “Man In The Box”, “The One You Know”, “Would?” e “Rooster”.

Set list Judas Priest: “Firepower”, “Running Wild”, “Grinder”, “Sinner”, “The Ripper”, “Lightning Strike”, “Desert Plains”, “No Surrender”, “Turbo Lover”, “The Green Manalishi (With The Two Prong Crown)”, “Night Comes Down”, “Rising From Ruins”, “Freewheel Burning”, “You’ve Got Another Thing Comin’”, “Hell Bent For Leather”, “Painkiller”, “Electric Eye”, “Breaking The Law” e “Living After Midnight”.

Movies

Millenium: A Garota na Teia de Aranha

Claire Fox assume o papel da mítica Lisbeth Salander em adaptação de nova história da franquia literária sueca

millenium garota teia aranha 2018

Texto por Abonico R. Smith

Foto: Sony Pictures/Divulgação

Hollywood é uma indústria cinematográfica que, como não poderia deixar de ser, visa a lucros ao invés de arte. O mais importante aqui é se produzam, constantemente, filmes com grande apelo de público para que se obtenha o máximo retorno financeiro possível. Por isso, também, a regra é procurar não gastar muito. Se inovação, ousadia e boas ideias em roteiros não seduzem muito os grandes estúdios, salários altos também são item a ser evitado. Por isso, melhor contratar jovens nomes em ascensão no mercado mundial para que o lucro seja ainda maior.

Isto pode resumir a decisão de bancar mais um livro da série Millenium transformado em filme. Depois da trilogia sueca e de uma não tão bem sucedida adaptação norte-americana (2011), a clássica personagem Lisbeth Salander está de volta às telas em uma nova aventura. Millenium: A Garota na Teia de Aranha (The Girl In The Spider’s Web: A New Dragon Tattoo Story, Reino Unido/Alemanha/Suécia/Canadá/EUA, 2018 – Sony Pictures) é baseado no mais recente livro da série, escrito após a morte de seu autor original, Steig Larsson, em 2004.

Contratado para escrever mais dois volumes do universo de Salander, o jornalista e biógrafo – também sueco – David Lagercrantz fez do primeiro, publicado em 2015, um mergulho profundo de Lisbeth em relação ao seu passado ainda misterioso. Por isso, Hollywood viu uma ótima alternativa para zerar a franquia e iniciar uma nova tentativa de emplacar a carreira cinematográfica da agora transformada em uma versão feminina (e feminista) de James Bond.

A hacker Salander agora é conhecida popularmente como uma justiceira underground. Caça os homens que agridem e oprimem as mulheres de todas as formas para devolver a eles todo o mal feito às suas vítimas. O que não a impede de continuar ganhando dinheiro fazendo seus trabalhinhos informais invadindo computadores alheios e aprontando coisas ilegais por trás de uma tela. Para viver a protagonista foi convocada uma nova atriz, a britânica Claire Foy, alçada ao estrelado pela série televisiva The Crown.  O corpo franzino e o olhar tão frio quanto o sangue da personagem fazem Claire se distanciar das duas intérpretes anteriores (Noomi Rapace e Rooney Mara). Sua Lisbeth é mais quieta e muito mais enigmática. Na expressão facial, na sexualidade, nas atitudes. No passado de sua família, principalmente.

O diretor uruguaio Fede Alvarez – também um dos roteiristas – tenta dar saídas interessantes à mera proposta oficial de um filme de estética sombria com cenas de ação. Traça metáforas nervosas com a câmera para dar um pouco mais de sensorialidade ao espectador. Aposta ainda em algumas perspectivas que fogem da cartilha tradicional dos filmes de ação.

Embora as presenças de Foy e Alvarez enriqueçam este novo Millennium (o nome brasileiro da franquia vem da revista editada pelo jornalista Mikael Blomkvist, cujas reportagens sobre Lisbeth servem de alicerce a uma subtrama de tensão sexual, o longa esbarra em uma história fraca e previsível. Nela, tudo se encaminha para algo que já pode ser antevisto com olhares mais perspicazes durante a sequência inicial. E também por humanizar demais uma protagonista em detrimento do fraco desenvolvimento dos personagens secundários. Inclusive do próprio Blomqvist, bem relegado desta vez. Basta notar que o papel, outrora do atual James Bond Daniel Craig, agora voltou a ser de um ator sueco, ainda bem desconhecido em Hollywood.

Como o principal objetivo era mesmo reiniciar a franquia cinematográfica com novos nomes, o resultado final do filme é o que menos importa. Com isso, Milleniumabre todas as portas em seu caminho para se consolidar ao posto de mais nova série de longa-metragens centrados em fortes personagens de grande respaldo literário. Em breve, a segunda trama bolada por Lagercrantz deverá estar nas telas. E com Claire Foy – agora com a carreira consolidada também nos cinemas – à frente do elenco.

Music

Roger Waters

A história por trás dos muros que o ex-Pink Floyd quer derrubar em seus polêmicos shows em época de eleições presidenciais no Brasil

rogerwaters2018usandthem01

Texto por Abonico R. Smith

Foto: Kate Izor/Divulgação

Observação: O texto abaixo foi publicado pelo MONDO BACANA, com exceção de seus três últimos parágrafos no dia 24 de setembro de 2015

A fama deu um nó na cabeça de Roger Waters. Enquanto o Pink Floyd crescia cada vez mais no decorrer dos anos 1970, ele se fechava. Construía seus próprios muros regidos pelo egocentrismo, intransigência e uma vontade louca de deter sempre o controle de tudo. Afastava-se assim de todos, inclusive dos próprios companheiros de banda. Conforme a década chegava ao seu final, unidade era uma palavra que pouco existia. Obcecado pelo controle artístico e criativo e guiado por rigidez e inflexibilidade, Roger acabou dando o maior passo para transformar o quarteto em uma disfarçada carreira solo sua. Dave Gilmour, Rick Wright e Nick Mason, sem muito espaço, praticamente viraram músicos de apoio em The Wall, uma ópera rock concebida solitariamente pelo baixista, mergulhado nos fantasmas de sua própria trajetória de vida. Tanto que o guia da turnê do disco ressaltava bem a divisão: “escrito e dirigido por Roger Waters; executado pelo Pink Floyd”.

A grandiloqüência de The Wall, lançado em 1979, tratou de esfacelar o que ainda restava da banda. A turnê – que procurava reproduzir visualmente toda a história contada pelas canções do álbum duplo – resumiu-se em apresentações em quatro cidades europeias separadas por um considerável intervalo de tempo. Construir um gigantesco muro separando banda da plateia para depois derrubá-lo deu prejuízo. Financeiro e emocional. Tanto que o Pink Floyd fez mais apenas mais um disco antes da relação interna azedar de vez. Waters saiu da banda esperando que a tal atitude levasse ao seu fim. Gilmour, Wright e Mason decidiram continuar em frente sem seu principal compositor que, revoltado, processou os ex-companheiros pelos direitos do nome. A cisão judicial terminou com um acordo entre as partes: a trinca poderia seguir em frente sob a alcunha de Pink Floyd desde que concordasse em repassar os direitos integrais de The Wall para o seu criador.

Se a criação de The Wall serviu como uma terapia pessoal para o baixista enfrentar de frente todos os problemas da vida, ela desembocou em uma carreira solo modesta e assombrada pela rixa com os velhos amigos da adolescência. Os quatro só voltariam a se reunir no mesmo palco em uma única vez e por um motivo especial: o festival beneficente Live 8 (leia aqui a resenha do evento), que em 2005 celebrava em alguns pontos do mundo os vinte anos do Live Aid. Foram apenas algumas canções, mas o suficiente para fazer brilhar os olhos dos fãs de todos os tempos da banda, que ansiavam por ver os integrantes em paz e tocando juntos novamente.

O Live 8 serviu também como ponto de partida de um processo de aproximação de Roger com a obra do Pink Floyd. No ano seguinte, o baixista resolveu levar para a estrada um espetáculo no qual executava na íntegra a grande obra-prima da banda, The Dark Side Of The Moon (lançado em 1973 e o álbum de rock mais vendido de todos os tempos). Com boas respostas de público e crítica, ele partiu para um passo ainda mais ambicioso: refazer a antiga proposta da malfadada turnê de The Wall, desta vez passando por vários países de quatro continentes e contando com todos os benefícios e possibilidade obtidos através da evolução da tecnologia com o passar dos anos. No dia 15 de setembro de 2010, a cidade canadense de Toronto tornou-se o ponto de partida para uma excursão que duraria três longos anos e ultrapassaria a marca das duas centenas de apresentações (leia aqui a resenha sobre um dos shows realizados no Brasil, em abril de 2012). O espetáculo, estimado em orçamento de quase 40 milhões de dólares somente para ser levado ao palco, bateu todos os recordes destinados a um artista solo na história do showbiz e, apenas durante as escalas nos EUA e Canadá, obteve retorno de quase 200% de todo o investimento.

Claro que a gloriosa segunda chance dada à turnê de The Wall não ficaria nisto. Waters e o diretor visual do show Seth Evans documentaram em filme diversos shows (o áudio foi gravado na Inglaterra; as imagens foram captadas no Canadá, Argentina e Itália). Junto ao mergulho musical do baixista em sua vida, a dupla provdenciou ainda um documentário, não exatamente de bastidores dos shows, mas de pequenos intervalos da perna europeia, nos quais o artista vai literalmente em busca de seu passado. Visita o túmulo do avô (morto em combate na Primeira Guerra Mundial) e do pai que também não chegou a conhecer (Eric Fletcher Waters faleceu na batalha da praia italiana de Anzio, durante a Segunda Guerra, apenas cinco meses após o nascimento de Roger) e refaz alguns dos passos dele e de colegas militares pela França e Itália. Aproveita também para reencontrar alguns parentes mais próximos para reconstituir um pouco da história da família e tentar entender um pouco mais sobre o que aconteceu e todos os reflexos provocados em sua vida desde a mais tenra infância. Então, depois ser exibido em alguns festivais, Roger Waters The Wall, misto de musical de documentário, chega aos cinemas de todo o mundo no final de setembro em 2015. No Brasil, a rede de cinemas UCI fechou a distribuição e exibição da obra em três sessões.

Durante quase três horas o espectador é convidado a entrar no clima de terror e tensão de The Wall. O cardápio temático envolve relações familiares, bombardeios de aviões de guerra, governos autoritários, personagens grotescos (representados por grandes balões e conservando os traços da criação original assinada por Gerald Scarfe), boa dose de dramaturgia ligada à música, a construção gradual de um muro que se estende por 73 metros de comprimento, homenagens a recentes vítimas do terrorismo sob todas as suas formas e manifestações (o brasileiro Jean Charles de Menezes é citado em imagens, discursos e versos de canções) e iconografias atuais (claro que as câmeras de segurança da CCTV que espionam Londres inteira não poderiam faltar!). E, claro, composições clássicas como “Another Brick On The Wall” (em três partes), “Mother”, “Is There Anybody Out There?”, “Comfortably Numb” e “Run Like Hell” dão um molho ainda mais especial a tudo.

E se as imagens do show são grandiosas, a narrativa costurada pela viagem pessoal de Roger pelo seu passado ajudam a decodificar signos, intenções e mistérios por trás da concepção de The Wall. De quebra, para aqueles mais fanáticos pela história do Pink Floyd, Waters ainda oferece uma interessante “coda” logo após os créditos. Durante dez minutos, ele e Mason se juntam para responder perguntas enviadas pela internet por floydmaníacos dos quatro cantos do planeta. Claro que o bom humor e da ironia (sobretudo por parte do baixista) se constituem em itens providenciais para que os pontos mais polêmicos da trajetória da banda sejam abordados de forma superficial e fiquem apenas na tangente. Contudo, o falatório proporcionado pela dupla não deixa de ser um ótimo complemento posterior para entender melhor todo que foi e significa até hoje aquela  obra que, de forma grandiloquente e autoexplosiva, pôs fim à carreira criativa da banda e marcou todo um período em que o rock flertou mais com egos e arenas do que com os ouvidos e a intimidade de quem realmente ama o gênero.

Corta para 2018

Durante todo o mês de outubro, Roger Waters está no Brasil para faze vários shows de sua atual turnê, Us + Them, na qual apresenta algumas canções de seu mais recente álbum, Is This The Life We Really Want? (2017). Produzido por Nigel Godrich (Radiohead, Beck, U2, R.E.M., Paul McCartney), este é o primeiro trabalho de estúdio do músico depois de um longo intervalo de 25 anos. Contudo, não abre mão de tocar os velhos clássicos gravados por ele no Pink Floyd. E mais: persegue obsessivamente o ideal de luta contra o fascismo pelo mundo, inclusive agora nomeando no telão alguns líderes da extrema direita. Claro que o nome de um certo candidato à presidência brasileira entrou na lista, o que acabou dividindo o público e gerando altas polêmicas, inclusive com o absurdo fato de gente saindo do show para fazer um BO na delegacia de polícia contra Roger. Apenas pelo fato dele ter se posicionado politicamente.

Até a publicação deste texto, Us + Them já passou por estádios de futebol de São Paulo (Allianz Parque), Brasília (Mané Garricha), Salvador (Fonte Nova) e Belo Horizonte (Mineirão). Falta passar ainda por três cidades: dia 24 no Rio de Janeiro (Maracanã), 27 em Curitiba (Couto Pereira – ingressos já esgotados) e 30 em Porto Alegre (Beira-Rio). Vai pegar a semana decisiva anterior ao segundo turno das eleições e acabará nos dias seguintes ao pleito marcado não apenas por discursos de ódio, acusações de fake newsdisparadas em massa pelo WhatsApp e opiniões polarizadas como ainda uma possível intervenção do poder judiciário que poderá mudar seu resultado.

Portanto, além de colocar mais lenha na fogueira, Roger Waters ainda corre o sério risco de ir embora do Brasil e fazer as pessoas não pararem de pensar no título de seu novo disco um dia sequer pelos próximos anos. Afinal, depois das urnas, será mesmo aquela vida que nós realmente queremos?

>> Mais informações sobre todos os shows da parte brasileira da turnê Us + Them você encontra aqui