Movies

Pokémon: Detetive Pikachu

Longa-metragem renova franquia fantástica e abre as portas para expansões do universo criado nos anos 1990

detetivepikachu2019

Texto por Leonardo Andreiko

Foto: Warner/Divulgação

Pokémon se iniciou em 1995, com o anime original lançado em 1997. De lá pra cá, vinte e quatro anos depois, a franquia ainda move milhões de fãs ao redor do mundo, obstinados por card games ou pela mais nova saga eletrônica. Aparentemente, com o prenúncio do sucesso de Pokémon: Detetive Pikachu (Pokémon Detective Pikachu, EUA/Japão/Reino Unido, 2019 – Warner), a horda de fãs Pokémon será transferida, também, para as salas de cinema.

A trama deste longa-metragem gira em torno de Tim Goodman (Justice Smith), um jovem adulto incapaz de conectar-se com um parceiro Pokémon. Quando seu pai morre misteriosamente, vítima de um acidente de carro, Tim deve ir para Ryme City, uma encantadora cidade onde Pokémon e humanos vivem em comunhão, para lidar com a burocracia do falecimento. Ao entrar em seu apartamento, no entanto, o protagonista se depara com um Pikachu falante (Ryan Reynolds), inteligível apenas para ele e focado em resolver a morte de seu ora parceiro Harry (pai de Tim).

A química entre a dupla é instantânea, rendendo uma dinâmica estrutural interessante. Se, por um lado, Pikachu é desenvolto e altivo, Tim é retraído e não encaixa no mundo em que pulou de cabeça. Tal é a razão para que a construção de mundo lembre muito a empregada nos primeiros filmes de Harry Potter, quando, assim como o protagonista, víamos o universo mágico de Hogwarts (aqui, Ryme City) pela primeira vez. Assim, somos imersos num universo que, à primeira vista, lembra estética e fotograficamente um Blade Runner com mais constraste e menos sujeira, homenageando o neonoir com inovadores esquemas de cores, marca registrada da era dos super-heróis. Ainda assim, a direção e a fotografia logo se anuviam, sem deixar a parcela infantil de seu público de lado. Este, inclusive, é o público-alvo da maioria das piadas e cenas de ação, mas o público adulto, embriagado na nostalgia do universo Pokémon, tem seus momentos reservados ao longo do filme.

Rob Letterman, que já havia dirigido Monstros Vs Alienígenas e O Espanta Tubarões, parece ter encontrado uma estética competente a si, imprimindo a marca Pokémon sem um esmero pelo hiper-realismo ou comicidade escrachada, orbitando entre a verossimilhança e a característica fantástica de seu universo. Parte deste crédito, no entanto, vai ao incrível departamento de CGI, que presenteia o filme com sua principal peça, e a direção de arte, que constrói e conceitua toda Ryme City e cada um das centenas de Pokémon que figuram o filme.

É uma tristeza, no entanto, que não possamos analisar este longa em sua língua original. Aqui, 90% das cópias são dubladas – o que incapacita um detalhado balanceamento de atuações e longas frases sobre o timing cômico da obra – que, em sua versão brasileira, tem momentos fracos. Ainda assim, o elenco conta com nomes de peso, como Bill Nighy no papel do visionário elo entre Pokémon e humanos, Howard Clifford.

Seu roteiro, escrito a quatro mãos, não deixa a desejar, trazendo referências aos clássicos arcos do anime sem plasticidade. A reviravolta no final do segundo ato, no entanto, surpreende massivamente a plateia. Claro, não no nível de Vingadores: Ultimato, mas esta não é uma comparação justa.

Pokémon: Detetive Pikachu é um presente aos fãs adultos da saga que, levando seus filhos ao cinema, poderão dividir a nostalgia com as novas gerações com sólidos motivos para ter amado o filme. Da música à narrativa, é uma ótima surpresa para quem não esperava muito e, ainda mais importante na indústria dos últimos anos, torna-se prato cheio para expansões deste universo. Isto sem perder, nem por um segundo, sua independência fílmica.

Movies

Vingadores: Guerra Infinita

Terceiro longa do grupo prepara o terreno para o encerramento de um grandioso ciclo cinematográfico produzido pela Marvel

avengers2018thanos01

Texto por Abonico R. Smith

Fotos: Marvel/Disney/Divulgação

Orçamento estimado em 300 milhões de dólares. Total de 22 super-heróis na tela. Mais de 70 personagens Marvel juntos em uma mesma história. Duração de 2 horas e 36 minutos. Encerramento da fase 3 de um ciclo que já contabiliza 19 longas-metragens nos últimos 10 anos. Exibição em mais de 4 mil salas somente nos Estados Unidos, o que levou à maior estreia da História no país (250 milhões de dólares). Arrecadação de 640 milhões de dólares em todo mundo – exceto a China, onde o filme só chegará no do 11 de maio. Presença garantida entre as 10 maiores bilheterias em todos os tempos já a partir das próximas semanas.

Todos estes são dados referentes ao furacão cinematográfico chamado Vingadores: Guerra Infinita (Avengers: Infinite War, EUA, 2018 – Marvel/Disney). Muito se especulava sobre este épico da Marvel desde o início do ano. Só se fala no filme desde a última semana, quando a nova obra com a assinatura dos diretores e irmão Anthony e Joe Russo (que já haviam assinado os dois mais recentes filmes da saga de três do Capitão América) fez a nerdarada toda unida tomar de assalto os cinemas ao redor do planeta. Uma coisa impressiona de cara nesta terceira obra sob a grife dos Vingadores na já extensa saga do Universo Cinematográfico Marvel instituído em 2008. São exatamente os números. Números, números e mais números. Que saltarão ainda mais aos olhos a partir da segunda semana do filme em cartaz.

Independentemente de entrar na questão qualitativa do longa, chegar a esta conclusão é um melancólico retrato do que se tornou o cinema. Executivos ligados aos estúdios Marvel e Disney podem estar dando pulos de alegria. Fãs do mundo dos super-heróis – conquistados desde os áureos tempos das HQs da editora, devem estar satisfeitos pela chegada do maior épico do gênero – e aqueles que ainda não saíra de casa para assistir muito provavelmente tentam conter a ansiedade extrema até chegar a hora H. Entretanto, o extremo sucesso obtido por Vingadores: Guerra Infinita em seus números coroa a vitória do CGI na sétima arte. Imagens geradas por computação. Isto é, qualquer coisa que possa vir a passar longe da realidade pode acontecer diante de seus olhos (e óculos 3D) na poltrona das salas de projeção. Com certeza, uma conquista possibilitada pelo avanço tecnológico das últimas décadas. Mas que passa longe de quem procura entretenimento com um mínimo de humanidade (e todas as suas limitações, imperfeições e erros) na junção de imagem, som e movimento. É hiperrealismo em demasia para quem ainda acredita que a imaginação ainda possa servir para alguma coisa.

Já quanto ao filme em si, Vingadores: Guerra Infinita realmente entrega toda a grandiloquência majestosa que os fãs estavam esperando. É uma bela história, repleta de momentos de ação intercalados com doses de humor, suspense e dramas pessoais. Também traz novidades a um filme do UCM, como o fato da trama estar centrada em um vilão, sendo os heróis os “coadjuvantes” da vez. Aliás, também pudera… Com tanto super aparecendo, de fato fica difícil de destacar somente um ou dois ou dar um bom espaço de tempo para que todos eles apareçam de modo satisfatório. No trecho final, inclusive, quase nenhum grande integrante original dos Vingadores é visto lutando em cena. Aliás, durante toda a trama pouco se vê dos três personagens principais (Capitão América, Thor e Homem de Ferro), protagonistas dos principais filmes “solo” anteriores produzidos pelos estúdios Marvel. Muito provavelmente seja pelo fato do contrato assinado lá atrás com os respectivos atores (Chris Evans, Chris Hemsworth, Robert Downey Jr) estar chegando perto ao seu encerramento.

avengers2018heroes

O mote é inspirado na trilogia da Saga do Infinito, conhecida pelos fãs dos quadrinhos por ter sido publicada nos anos 1990. Guerra Infinita recebe o mesmo nome da segunda parte e leva às telas o que foi lido até ela. O titã Thanos (Josh Brolin), envolto por sua sede de conquista, flerte com a morte e o objetivo de destruição de boa parte da população interplanetária, embarca no intento pessoal de conseguir as seis joias do universo. Uma de cada cor, todas para serem acopladas à sua manopla – objeto que lhe garante indestrutibilidade. Para obter os objetos, viaja para todos os planetas e lugares sem tomar conhecimento de quem possa tentar a vir impedir o seu feito. Sobra para todos. Até o gigantesco Hulk (Mark Ruffalo, desta vez aparecendo quase todo instante como o alter-ego Bruce Banner) é massacrado. Nem mesmo a filha Gamora (Zoe Saldaña) é poupada pelo pai irado.

O final, como já era de se esperar, é enigmático e engata uma montanha de teorias a respeito do próximo longa dos Vingadores, previsto para 2019 e que deve encerrar de vez este ciclo grandioso da empreitada da Marvel como um estúdio produtor de filmes blockbuster. Aficionados pela arte sequencial e colecionadores de longa data já traçam suas expectativas para que o que venha a ser apresentado esteja relacionado à conclusão da Saga do Infinito, embora não haja qualquer informação oficial a respeito da obra que logo chegará às telas. O que se sabe, mesmo, é que a próxima heroína a entrar em cena deve ter participação importante na história. Afinal, a sequência pós-créditos já introduz no Universo a personagem da atriz Brie Larson chamada Miss Marvel – e que também ganhará um filme “solo” programado para estrear alguns meses ates desse novo longa dos Vingadores.

Enfim, tudo isso se transformou em um negócio altamente calculado. E que – independentemente de sua qualidade – continua passando longe do que se convencionou a ser chamado de cinema.