News

OSCAR 2019

25.02.2019

Oito motivos para você não se esquecer da cerimônia de entrega dos prêmios Academy Awards deste ano

oscar2019queen01

Texto por Abonico R. Smith

Foto: Reprodução

Queen

Muita gente pode ter se perguntado: o que diabos o Queen faria lá no palco do Dolby Theatre em Los Angeles na cerimônia do Oscar em 2019? Afinal, até então, o privilégio para a apresentação de números musicais ao vivo era dado somente às canções originais concorrentes na categoria. A dúvida se desfez logo após a primeira batida da noite deste 24 de fevereiro, dando abertura à festa. Sob o comando de Roger Taylor, o “tum-tum-tá” típico de “Will We Rock” colocou de pé as estrelas de Hollywood e todos os especialistas nos bastidores da sétima arte. Logo depois viriam Adam Lambert na voz e Brian May no matador solo de guitarra que conclui o arranjo. Era o Queen (ou o que sobrou dele; ou, para muitos, apenas um cover oficial da própria banda) abrindo alas para Bohemian Rhapsody brilhar na noite faturando o mais alto número de prêmios para um único filme (quatro, no total, incluindo o de ator para Rami Malek, no papel de Freedie Mercury). Logo em seguida, o trio Taylor-May-Lambert emendou a balada “We Are The Champions”, que, originalmente também vem na sequência de “We Will Rock You”, no álbum News Of The World). Jogo ganho. Não só in locomas também ao redor do mundo inteiro. Já que o Oscar quis fazer desta noite uma aposta mais popular e chamativa, conseguiu logo de cara. De quebra, o filme sobre Mercury e Queen ainda uniu novamente a dupla de Quanto Mais Idiota Melhor (Mike Myers e Dana Carvey, eternamente populares pela cena em que seus personagens batem cabeça no carro ao som da parte mais pesada de “Bohemian Rhapsody”) para fazer o anúncio do videoclipe que apresentava a obra como uma das indicadas ao prêmio máximo da noite.

Heróis e vilões

Muito de falou nas últimas semanas sobre quem poderia ser o apresentador oficial do Oscar. Contudo, nenhum ator ou comediante acabou fechando contrato para o papel de âncora. A Academia, então, anunciou que as aberturas dos envelopes seriam feitas por “heróis e vilões do cinema”. Contudo, quem esperava que alguém pudesse surgiu caracterizado com uniformes, roupas, cabelos e maquiagens típicas dos personagens encarnados nas telas, errou redondamente. Por conta de direitos autorais, isso não foi realizado. Entraram, sim, atrizes e atores vestidos formalmente (com exceção da dupla Melissa McCarthy e Bryan Tyree Henry, que partiram de vez pro escracho misturando exageros e símbolos referentes aos longas A Favorita e Pantera Negra). A “Rainha Anne” de Melissa estava com dezenas de coelhos adornando uma capa de cauda longuíssima, por exemplo. Um dos poucos momentos de humor debochado da noite. Valeu a pena.

Lady Gaga e Bradley Cooper

Já era prevista a vitória de “Shallow” como a canção original da temporada cinematográfica. Contudo, o número musical protagonizado pela dupla de atores de Nasce Uma Estrela foi comovente. A balada poderosa – que entre seus compositores, além da Gaga, tem o DJ e produtor Mark Ronson (responsável por muitos discos de primeira, entre eles Back To Black, de Amy Winehouse) e o guitarrista Anthony Rossomando (cujo currículo traz serviços prestados a excelentes bandas indie como Libertines e Dirty Pretty Things) – começou com um playback instrumental na medida para Gaga e Cooper soltarem o gogó de forma franca, sincera e emocional. De quebra, a cantora e atriz ainda tocou piano na parte final do arranjo. Como diz o Faustão, quem sabe faz ao vivo.

Spike Lee

Justiça foi feita a um dos diretores e roteiristas mais importantes do novo cinema autoral norte-americano das últimas décadas. Infiltrado na Klan, uma das obras mais interessantes desta temporada, concorria nas categorias filme, direção e roteiro adaptado. Pode ter perdido nas duas primeiras, mas pelo menos abocanhou uma “consolação de luxo” por contra a história do policial negro que consegue, do modo mais absurdo e inteligente possível, ser aceito nos quadros da organização fascista e racista que tocava o terror nos estados do Sul dos Estados Unidos até bem pouco tempo atrás. Vestido de chofer com a cor violeta dando o tom dos pés ao quepe, ele chegou no palco pulando no colo do apresentador Samuel L Jackson e ainda fez um belo discurso cheio de conteúdo sóciopolítico.

Olivia Colman

Quem também brilhou no discurso foi a atriz britânica Olivia Colman. Ou melhor, no não-discurso. Visivelmente transtornada de emoção e surpresa por ter superado “a favorita” (não dá para escapar do trocadilho infame!) Glenn Close na categoria, ela não sabia se falava, chorava, gaguejava ou mandava beijos para as concorrentes superadas. Com a estatueta na mão, protagonizou informalmente um dos mais espontâneos e engraçados momentos da cerimônia. De quebra quase se pôs de joelhos aos pés de Lady Gaga, que, sentada na fila da frente, retribuiu o carinho também de forma histriônica. E convenhamos: o trabalho de Colman como a Rainha Anne da A Favorita está espetacular. E nem é pela transformação física, de ter ganhado quinze quilos a mais para fazer o papel.

Pantera Negra

Antes de começar a cerimônia, o filme já havia quebrado uma escrita e entrado na História: foi a primeira produção baseada em um super-herói dos quadrinhos a concorrer à premiação máxima da noite. Se o drama com elenco negro e vivido quase que inteiramente na África (no fictício país de Wakanda) não foi agraciado como o melhor longa-metragem da noite, pelo menos saiu com três importantes prêmios técnicos: trilha sonora, figurinos e design de produção (categoria antigamente chamada direção de arte). Sinal de que uma produção caprichada nicho do grandioso público nerd pode, sim, rimar arte com altas bilheterias.

Alfonso Cuarón

Produtor, diretor, roteirista, fotógrafo. Alfonso Cuarón foi praticamente um faz-tudo nas funções mais importantes de Roma. Seu trabalho competentíssimo – e carregado de emoção e lembranças de sua vida na infância – garantiu a ele um excesso de bagagem para a volta para casa: faturou três estatuetas na noite, referentes às categorias filme em língua não inglesa, cinematografia e direção. Não levou a de melhor filme, é bem verdade, embora merecesse também. Entretanto, ninguém pode sair reclamando da falta de reconhecimento de seu múltiplo talento. Muito menos o México, o país onde nasceu. Afinal, a dinastia mexicana de direção no Oscar continua nas mãos de Cuarón, Iñarritú e Del Toro, vencedores dos prêmios nas últimas cinco edições.

Green Book

Como era de esperar, o filme mais mediano – e agradável à maioria das pessoas – foi agraciado com o prêmio principal da noite. Tocando de modo light na questão do racismo (a história se passa no início dos anos 1960, quando a luta pelos direitos civis nos EUA ainda não estava em momento explosivo e tenso) e também passando superficialmente por outros temos polêmicos, incluindo a homossexualidade, Green Book (esqueça o subtítulo pavoroso que o filme ganhou de sua distribuidora no Brasil) favoreceu-se do critério de votação dos membros da Academia. Vale lembrar que desde 2010, quando o número de concorrentes a melhor filme passou de cinco para até dez (são sempre oito ou nove, dependendo do coeficiente de corte na listagem apurada para o anúncio das indicações), todo votante precisa numerar esta lista de um a oito ou nove, segundo sua preferência pessoal. Portanto, aquela produção que fica ali no meio, entre segundo e quarto, justamente por ter o menor índice de rejeição, acaba sendo projetada no cômputo geral dos pesos e levando a estatueta. Foi o que aconteceu agora à história do branco bronco italiano de Nova Jersey que, por necessidade, durante algumas semanas do ano de 1962, trabalha como motorista de um renomado músico de jazz de Nova Yordurante uma turnê por cidades racistas ao sul dos Estados Unidos – e, ao fim da convivência cheia de diferenças culturais e ideológicas, um acaba sendo modificado pelo outro. Nada mais água com açúcar para agradar à maioria das pessoas. E, de quebra, Green Book faturou outros dois prêmios importantes da noite: roteiro original e ator coadjuvante (Mahershala Ali). Pode não ter sido o mais premiado na noite, mas saiu do Oscar 2019 como o principal filme da temporada pela importância das categorias.

VEJA OS GANHADORES DE CADA CATEGORIA

Filme: Green Book: O Guia

Direção: Alfonso Cuarón (Roma)

Atriz: Olivia Colman (A Favorita)

Ator: Rami Malek (Bohemian Rhapsody)

Canção original: “Shallow” (Nasce Uma Estrela)

Trilha Sonora: Pantera Negra

Roteiro adaptado: Infiltrado na Klan

Roteiro original: Green Book: O Guia

Curta-metragem de ficção: Skin

Efeitos visuais: O Primeiro Homem

Documentário em curta-metragem: Period. End Of Sentence

Animação em curta-metragem: Bao

Animação: Homem-Aranha no Aranhaverso

Ator coadjuvante: Mahershala Ali (Green Book: O Guia)

Montagem: Bohemian Rhapsody

Filme em Língua não inglesa: Roma

Mixagem de som: Bohemian Rhapsody

Edição de som: Bohemian Rhapsody

Fotografia: Roma

Design de produção: Pantera Negra

 

POPLOAD FESTIVAL 2018

19.03.2018

Blondie e Death Cab For Cutie vêm pela primeira vez ao Brasil; Lorde, MGMT e At The Drive-In também se apresentarão no evento

lorde2017

Texto por Abonico R. Smith

Fotos: Divulgação/Reprodução

A tarde desta segunda,19 de março, foi de agitação entre os fãs do indie rock no Brasil. O Popload Festival anunciou de uma tacada só o line-up da edição de 208 deste que é o único remanescente dos grandes festivais alternativos brasileiros do segundo semestre. Nesta temporada, vários dos nomes chamam a atenção, o que promete fazer da tarde e noite do feriado de 15 de novembro uma série de momentos inesquecíveis.

Aproveitando a ocasião, o Mondo Bacana faz uma análise do que promete cada um dos shows deste próximo PF, que mais uma vez ocupará o espaço do Memorial da América Latina, no bairro da Barra Funda (bem ao lado da estação de metrô do mesmo nome), cidade de São Paulo.

LORDE

É muito raro um artista do segmento pop/rock pode ser visto por uma plateia brasileira no auge de sua carreira. Esta garota neozelandesa integra este seletíssimo grupo. Depois da fenomenal estreia, que emplacou o hit mundial “Royals”, ela levou quatro anos para lançar o tão esperado segundo álbum. Melodrama chegou em 2017 para espantar a expectativa de quem achava que o sucesso seria fogo-de-palha Incluído em quase todas as mais importantes listas dos melhores discos do ano passado, o trabalho reafirma a verve de boa letrista da moça e ainda conduz o ouvinte a uma série de pensamentos confessionais e reflexões acerca das dores e sofrimentos de uma adolescente alçada ao megaestrelato de uma hora para outra e que tem que aprender com a famigerada come of age bem mais cedo do que previa. De quebra, ainda aprofunda a música de Lorde a uma ambi6encia mais experimental e menos pop do que no álbum anterior.

Veredito: show imperdível, ainda mais por se tratar do único em toda a América do Sul em 2018.

blondie000

BLONDIE

Cânone da new wave norte-americana que inexplicavelmente nunca havia vindo tocar no Brasil em quase cinco décadas completas de carreira. A turnê baseada no mais recente álbum, Pollinator, vem para corrigir este atraso histórico e até então imperdoável para os fãs da trupe comandada pela eterna sex-symbol do underground Debbie Harry. Mas não se engane com o set list: uma ou outra faixa do novo disco serão incluídas lá, claro. O grosso, porém, fará um belo passeio pela galeria de hits da banda. “One Way Or Another”, “Maria”, “Atomic”, “Heart Of Glass”, “Rapture” e “Dreaming” são exemplos de canções que nunca deixam de ser tocadas em quaisquer apresentações do sexteto, que hoje conta com apenas três integrantes da formação original: a vocalista, o guitarrista Chris Stein e o baterista Clem Burke.

Veredito: depois de quase meio século será imperdoável deixar de ver o Blondie em ação em solo brasileiro, mesmo que a idade dos integrantes já comece a pesar sobre os ombros.

mgmt2017

MGMT

E já se vai uma década do tempo em que a dupla de amigos de faculdade Ben Goldwasser e Andrew VanWyngarden irrompeu no cenário alternativo com uma bela proposta de unir o psicodelismo californiano ao pop eletrônico. Contando com um arrasador trabalho de estreia, do qual saíram os ainda hoje hits “Time To Pretend” e “Kids”, o MGMT tornou-se ícone da imprensa alternativa e dos fãs dos bons sons, mesmo se arriscando em trabalhos mais complexos, confusos e difíceis de digerir na sequência discográfica. Em fevereiro deste ano, porém, a dupla lançou Little Dark Age, seu quarto álbum, simulando a intenção de retorno à sonoridade de seus primeiros anos. As melodias não são tão poderosas quanto as de outrora, mas pelo menos a dupla mantém um pé bem fincado nos sons sintetizados de teclados e bateria que marcaram a primeira metade da década de 1980, o que pode estimular quem gosta de qualquer resquício de pós-punk nas bandas de hoje.

Veredito: assistir a um show do MGMT é sempre uma incógnita, já que a performance entregue no dia pode ir do fascínio completo ao tédio mortal, o que bem provou a participação da dupla em duas edições do Lollapalooza Brasil. De qualquer forma, vale a pena arriscar por causa qualidade do primeiro e do mais recente álbum.

atthedrivein2017

AT THE DRIVE-IN

Entre 1994 e 2001, este grupo texano arrebentou no circuito alternativo, com shows disputadíssimos e três ótimos discos. Depois seus integrantes passaram a se dedicar a projetos paralelos (como o Mars Volta e o Sparta) até que voltaram a reunir no ano passado, para a gravação e o lançamento do álbum, mais a proposta de retomar a carreira deste que é um dos ícone do chamado post-hardcore. O que para os fãs da união de potentes vocais ora cantados ora berrados, guitarras pontiagudas e batidas quebradas se tornou uma noticia a ser bastante celebrada.

Veredito: se em disco o som já é uma pancada só, ao vivo o ATDI costuma ser ainda mais arrebatador. Ainda mais pela performance de entrega total do vocalista Cedric Bixler-Zavala, que costuma fazer malabarismos segurando o microfone no palco.

deathcabforcutie2015

DEATH CAB FOR CUTIE

Formado em 1997, quando o rock alternativo já estava em baixa nos EUA, o DCFC soube enfrentar a maré contrária e já em seus primeiros anos conquistou seu espaço definitivo na galeria das grandes bandas norte-americanas daquele período. Tudo por causa do carisma do vocalista Ben Gibbard (que não tardaria ase casar com uma musa do alt-rock, a também atriz Zooey Deschanel) e o talento versátil em vários instrumentos de Chris Walla. Passadas duas décadas, o DCFC mantém-se firme e forte na carreira, com uma sólida e extensa discografia (oito bons trabalhos) e já sem Walla na formação. Kintsugi (2015) é o mais recente trabalho fonográfico e chegou a ser indicado ao Grammy, o que significa pertencer de vez ao mainstream da ndústria da música. Mesmo assim, Gibbard e sua banda nunca haviam tocado no Brasil.

Veredito: O grupo faz a linha cancioneiro pop discreto e com ligeiro verniz alternativo. Suas performances são competentes mas, para quem não é muito fã, podem soar repetitivas e monótonas.

mallumagalhaes2017

timbernardes2017

MALLU MAGALHÃES & TIM BERNARDES

Pela primeira vez juntos, os dois farão um show exclusivo para o festival. Ambos vêm na esteira de lançamento de discos, ele o primeiro de sua carreira solo, todo executado e gravado de maneira solitária, sem a ajuda de ninguém. Mallu faz linha mais emotiva e confessional nas suas letras. Já Tim, distante dos companheiros do Terno, adotou uma postura mais íntima e pessoal, tanto no formato musical quanto nos versos.

Veredito: Mallu já participou de um projeto de criação colaborativa, com o marido Marcelo Camelo, sob o nome Banda do Mar. Tim sempre tocou em banda mas sendo a cabeça pensante central. Talvez os dois rendam uma boa mistura nesta tarde na Barra Funda.

letrux2017

LETRUX

Leticia Novaes era a metade cantante da dupla/casal Letuce até a parceira com Lucas Vasconcelos se desfazer por inteiro. No ano passado ela lançou-se em carreira solo sob o nome de Letrux, ganhando altos elogios da imprensa nacional e já engatando novas colaborações com outras cantoras, como Marina Lima, Ana Claudia Lomelino e Martha V. Os arranjos se dividem entre o flerte com as pistas de dança e o intimismo pós-relacionamento.

Veredito: Levar um bom disco para um palco não depende apenas do talento de artista e da qualidade das canções. Requer também a confluência de uma boa escalação de horários e shows no mesmo local, ainda mais em se tratando de um festival. Corre o rsico de ser um ótimo show visto por muito pouca gente ou ainda ser ignorado por boa parte de quem estiver por lá, mais interessado em ver as atrações estrangeiras posteriores.

>> Mais informações sobre o Popload Festival 2018 você encontra aqui

 

OSCAR 2018

05.03.2018

Nonagésima edição dos Academy Awards é marcada pela tendência da previsibilidade, a limitação do improviso e a pulverização de prêmios

oscar2018deltoro

Texto por Abonico R. Smith

Foto: Academy Awards/Divulgação

Os Academy Awards, já em sua edição de número 90, confirmaram uma tendência que vem se acentuando ao longo dos últimos anos: a cerimônia de entrega da maior premiação da indústria cinematográfica, se já era chata, agora está ficando cada vez mais chata.

Cinéfilos, críticos e estudiosos de cinema têm como acertar quase todos os vencedores da noite. Os discursos foram cada vez mais uniformizados em virtude não só desta previsibilidade (neste ano, os quatro vencedores nos quesitos de atuação foram repetidos em todas as premiações da temporada, por exemplo) como da limitação de tempo (cada vez que a orquestra começa a tocar uma musiquinha no fosso é sinal de que o laureado está se estendendo demais). Quem vence sobe ao palco com discursos prontos e o nome dos agradecimentos em um papel, sem dar aquele espetáculo de outrora, com choros, soluços e improvisos. As apresentações musicais ficaram também mais curtas e teatrais e, por isso, menos impactantes. As piadas do apresentador Jimmy Kimmel, bem menos viscerais. Até os vestidos, outrora surpreendentes desde a entrada no tapete vermelho, ficaram ais discretos e menos escandalosos. E o “momento surpresa” (em 2018, nomes como Guillermo Del Toro, Mark Hamill, Emily Blunt, Lupita Nyongo’o, Gal Gadot, Lin-Manuel Miranda e Margot Robbie foram convocados por Kimmel para sair do teatro, atravessar a rua, invadir uma sessão de cinema, paralisar o filme e surpreender a incauta plateia que estava lá e de nada sabia ao distribuir sanduíches, chocolates e outras guloseimas), pelo menos para quem assiste à transmissão mundo afora, via satélite, já não é mais tão surpresa assim. Tão como a presená (em mais uma temporada!) de Meryl Streep e Denzel Washington entre os indicados, mesmo que em trabalhos de menor expressão e ausentes em quase todas as outras categorias.

Poucas são as margens para que surja algo diferente do esperado. O tom sócio-político do momento apareceu, com a Academia pedindo (em vídeo e no anúncio dele, feito por três das atrizes que acusaram o executivo Harvey Weinstein de assédio sexual e estupro – Ashley Judd, Annabella Sciorra e Salma Hayek) mais respeito às diferenças e representatividade às mulheres, aos negros, à sigla LGBT. Mas foi Frances McDormand quem acabou roubando a cena, já no final da premiação, ao subir no palco do Dolby Theatre para receber a estatueta de melhor atriz. Ela mandou, na lata, sem apoio de qualquer papel, um recado reto à indústria cinematográfica, ressaltando a força de trabalho feminina e o devido respeito que todas as profissionais desejam no tratamento dispensado a elas nos bastidores.

Surpresa também ocorreu na “participação” do indie rock na festa da Academia. Eddie Vedder, empunhando uma guitarra, tocou sozinho uma canção do cantor e compositor Tom Petty (morto no final do ano passado) enquanto o telão anunciava e homenageava os falecidos mais importantes da indústria cinematográfica nesta última temporada. Sufjan Stevens subiu ao palco para apresentar “Mystery Of Love”, tocante balada composta para a trilha de Me Chame Pelo Seu Nome. Atrás dele quatro músicos de apoio, inclusive uma completamente incógnita e inesperada St Vincent, toda discreta, de preto, também na guitarra.

Dois vídeos “oficiais” de agradecimento também foram feitos pela Academia para a exibição durante a festa. No primeiro, era para agradecer a todo mundo que vai aos cinemas nestes últimos noventa anos de Oscar. Além de deixar transparecer a guerra que Hollywood anda empreendendo contra as novas tecnologias como a Netflix (que, segundo dizem, anda afastando o público das salas de projeção), a iniciativa também mostro cenas de três recentes filmes de super-heróis (Pantera Negra, Batman – O Cavaleiro das Trevas, Mulher Maravilha). Talvez seja um indicativo da aceitação definitiva deste filão para as indicações e prêmios dos próximos anos. No segundo, porém, a surpresa tornou-se negativa. Depois de mostrar cenas de vários longas de guerra produzidos ao longo das décadas, surgiu no telão um “muito obrigado” a todos os combatentes que lutaram pelo país também durante todo este tempo. Foi o lado republicano, armamentista e white trash da Academia se sobrepondo a democratas, pacifistas e não-políticos. Em tempos de Donald Trump na presidência significou uma forma de também puxar o saco da Casa Branca e do governo dos EUA.

Por fim, a divisão dos prêmios neste ano mostrou-se bastante pulverizada. Apenas dois títulos receberam mais do que duas estatuetas. A fantasia “de monstro” A Forma da Água ficou com a principal, batendo seu maior concorrente Três Anúncios Para um Crime. Com um total de treze indicações, acabou levando apenas outras três (diretor, trilha sonora e design de produção, todas já devidamente previstas). Dunkirk, por sua vez, abocanhou três das oito categorias às quais concorria, todas técnicas (montagem, edição de som, mixagem de som). O Destino de Uma Nação (cabelo & maquiagem, ator), Viva: A Vida é uma Festa (animação em longa-metragem, canção original) e Blade Runner 2049 (fotografia, efeitos especiais) ficaram com dois. Outros filmes de destaque na temporada se contentaram com apenas uma estatueta (Corra!, Trama Fantasma, Me Chame Pelo Seu Nome e Eu, Tonya). Já o vencedor na categoria não falada em inglês foi, mais uma vez um sul-americano, Uma Mulher Fantástica, sobre a luta de uma transexual chilena para ser respeitada pelas pessoas que gravitam ao seu redor no dia a dia).

Em tempos de luta contra incorreções sociais de qualquer tipo e a tentativa desenfreada de mostrar um cinema cada mais universalizado (embora a produção ainda se concentre nos todos-poderosos da indústria cinematográfica dos EUA), o Oscar joga suas fichas na seriedade, na fórmula e no mostrar anteriormente suas mais sérias e respeitosas intenções. Quem perde, contudo, é o público que fica três horas sentado no sofá esperando para ver algo que realmente o surpreenda.

 

VEJA OS GANHADORES DE CADA CATEGORIA

Filme

Me Chame Pelo Seu Nome

O Destino de uma Nação

Dunkirk

Corra!

Lady Bird – A Hora de Voar

A Trama Fantasma

The Post: A Guerra Secreta

A Forma da Água

Três Anúncios para um Crime

 

Diretor

Christopher Nolan (Dunkirk)

Jordan Peele (Corra!)

Greta Gerwig (Lady Bird – A Hora de Voar)

Paul Thomas Anderson (A Trama Fantasma)

Guillermo Del Toro (A Forma da Água)

 

Atriz

Sally Hawkins (A Forma da Água)

Frances McDormand (Três Anúncios Para um Crime)

Margot Robbie (Eu, Tonya)

Saoirse Ronan (Lady Bird – A Hora de Voar)

Meryl Streep (The Post: A Guerra Secreta)

 

Ator

Timothée Chalamet (Me Chame Pelo Seu Nome)

Daniel Day-Lewis (A Trama Fantasma)

Daniel Kaluuya (Corra!)

Gary Oldman (O Destino de Uma Nação)

Denzel Washington (Roman J. Isreal, Esq.)

 

Atriz coadjuvante

Mary J Blige (Mudbound – Lágrimas Sobre o Mississipi)

Allison Jenney (IEu Tonya)

Lesley Manville (A Trama Fantasma)

Laurie Metcalf (Ladybird – A Hora de Voar)

Octavia Spencer (A Forma da Água)

 

Ator coadjuvante

Willem Dafoe (Projeto Flórida)

Woody Harrelson (Três Anúncios Para um Crime)

Richard Jenkins (A Forma da Água)

Christopher Plummer (Todo Dinheiro do Mundo)

Sam Rockwell (Três Anúncios Para um Crime)

 

Roteiro original

Doentes de Amor

Corra!

Lady Bird – A Hora de Voar

A Forma da Água

Três Anúncios Para um Crime

 

Roteiro adaptado

Me Chame Pelo Seu Nome

O Artista do Desastre

Logan

A Grande Jogada

Mudbound – Lágrimas Sobre o Mississipi

 

Filme estrangeiro (em língua não inglesa)

Uma Mulher Fantástica (Chile)

O Insulto (Líbano)

Loveless (Rússia)

Corpo e Alma (Hungria)

The Square – A Arte da Discórdia (Suécia)

 

Animação

O Poderoso Chefinho

The Breadwinner

Viva: A Vida é uma Festa

O Touro Ferdinando

Com Amor, Van Gogh

 

Documentário

Abacus: Small Enough To Jail

Faces Places

Icarus

Os Últimos Homens em Aleppo

Strong Island

 

Curta-metragem

DeKalb Elementary

The Eleven O’Clock

My Nephew Emmett

The Silent Child

Watu Wite/All Of Us

 

Animação em curta-metragem

Dear Basketball

Garden Party

Lou

Negative Space

Revolting Rhymes

 

Documentário em curta-metragem

Edith + Eddie

Heavy Is a Traffic Jam On The Road 405

Heroin(e)

Knife Skills

Traffic Stop

 

Direção de arte

A Bela e a Fera

Blade Runner 2049

O Destino de uma Nação

Dunkirk

A Forma da Água

 

Figurino

A Bela e a Fera

O Destino de uma Nação

A Trama Fantasma

A Forma da Água

Victoria e Abdul – O Confidente da Rainha

 

Maquiagem e cabelo

O Destino de uma Nação

Victoria e Abdul – O Confidente da Rainha

Extraordinário

 

Fotografia

Blade Runner 2049

O Destino de Uma Nação

Dunkirk

Mudbound – Lágrima Sobre o Mississipi

A Forma da Água

 

Montagem

Baby Driver – Em Ritmo de Fuga

Dunkirk

I, Tonya

A Forma da Água

Três Anúncios Para im Crime

 

Efeitos visuais

Blade Runner 2049

Os Guardiões da Galáxia, Vol.2

Kong: A Ilha da Caveira

Star Wars: Os Últimos Jedi

Planeta dos Macacos: A Guerra

 

Edição de som

Baby Driver – Em Ritmo de Fuga

Blade Runner 2049

Dunkirk

A Forma da Água

Star Wars: Os Últimos Jedi

 

Mixagem de som

Baby Driver – Em Ritmo de Fuga

Blade Runner 2049

Dunkirk

A Forma da Água

Star Wars: Os Últimos Jedi

 

Trilha Sonora

Dunkirk

A Trama Fantasma

A Forma da Água

Star Wars: Os Últimos Jedi

Três Anúncios Para um Crime

 

Canção original

“Might River” (Mudbound – Lágrimas Sobre o Mississipi)

“Mystery Of Love” (Me Chame Pelo Seu Nome)

“Remember Me” (Viva: A Vida é uma Festa)

“Stand Up For Something” (Marshall)

“This Is Me”( O Rei do Show)

 

OSCAR 2018 – INDICAÇÕES

23.01.2018

Dezoito curiosidades sobre os concorrentes do ano em que A Forma da Água lidera a lista com presença em treze categorias

shapeofwater2018

Texto por Abonico R. Smith

Foto: Fox/Divulgação

Às onze e meia (horário de Brasília) desta terça 23 de janeiro, os atores Andy Serkis e Tiffany Haddish apresentaram os indicados para a nonagésima edição dos Academy Awards. Em 2018, a cerimônia será realizada novamente no Teatro Dolby, em Los Angeles, na noite de 4 de março.

Aqui estão algumas das curiosidades sobre os indicados deste ano à estatueta mais cobiçada da temporada de prêmios do cinema norte-americano.

>> O recordista de indicações do ano é A Forma da Água. São no total treze indicações havendo um equilíbrio entre as principais categorias e as técnicas. A fantasia de Gullermo del Toro, que reafirma sua grande paixão por monstros e outras criaturas esquisitas, concorre a filme, direção, atriz, atriz coadjuvante, ator coadjuvante, roteiro adaptado, direção de arte, figurino, fotografia, edição, edição de som, mixagem de som e trilha sonora. Ficou a apenas uma indicação de igualar o recorde de 14, obtido por A Malvada, Titanic e La La Land. Depois de A Forma da Água, a lista com maior número de indicações segue com Dunkirk (oito), Três Anúncios Para um Crime (sete) e Trama Fantasma (seis).

>> É de praxe nas cerimônias do Oscar que o filme vencedor da noite tenha concorrido também na categoria de direção. Em 2018, Três Anúncios Para um Crime pode quebrar esta regra. O britânico Martin McDonagh, que também assina o roteiro, só concorre por esta função. Curiosamente ele não ficou entre os cinco diretores finalistas. Seu filme é o mais forte concorrente de A Forma da Água na corrida para a principal estatueta, tendo levado agora neste mês janeiro, inclusive, o Globo de Ouro e o conjunto de elenco no prêmio dado pelo sindicato dos produtores de Hollywood (por sinal, o mais forte termômetro para a eleiçãoo de melhor filme dos Academy Awards)

>> Na lista dos cinco longas de língua não–inglesa, a grande surpresa ficou para a ausência do alemão Em Pedaços, vencedor do Globo de Ouro deste ano e considerado até então o favorito para o Oscar. Desta maneira, o principal candidato ao prêmio passa a ser o sueco The Square – A Arte da Discórdia, que no ano passado já ficara com a Palma de Ouro do Festival de Cannes.

>> Quem andava reclamando nos últimos anos sobre a ausência de filmes de super-herói nas listas de concorrentes ao Oscar já pode parar com o mimimi. Logan, a obra de despedida do ator Hugh Jackman como o mutante Wolverine, abocanhou uma das vagas na disputa para roteiro adaptado e quebrou um tabu de 87 anos sem a presença de um filme vindo dos quadrinhos entre os concorrentes. E mais uma vez a Marvel vence a batalha particular com a eterna rival DC Comics, já que a badalada estreia de Mulher Maravilha nas grandes telas não levou qualquer indicação.

>> James Franco ficou de fora da festa. O ator e diretor de O Artista do Desastre há vários dias vem recebendo acusações de assedio sexual por parte de atrizes com quem já trabalhara e este pode ter sido o fator decisivo da ausência de seu nome na lista de atores concorrentes, antes dado como certo, assim como a inclusão na disputa por melhor filme. O longa, que já tinha sido um desastre de bilheteria nos EUA, acabou também sendo um desastre de total de indicações: recebeu apenas uma, para roteiro adaptado. Este é mais sinal de fracasso na carreira de Tommy Wiseau, misterioso ator/diretor/produtor a quem Franco interpreta na cinebiografia.

>> O papel da socialite e empresária da comunicação Kay Graham em The Post: A Guerra Secreta garantiu a vigésima primeira indicação ao Oscar de Meryl Streep, vencedora em três ocasiões. Recorde absoluto na indústria dos cinemas nas categorias de interpretação, aliás. Entre os representantes masculinois, Denzel Washington obteve a sua oitava inclusão entre os finalistas, por sua atuação como o advogado idealista cujo nome dá título ao filme Roman J. Israel, Esq. No ano passado ele também concorrera à estatueta de ator principal.

>> Lady Bird – A Hora de Voar deu a Greta Gerwig a quinta indicação feminina ao prêmio de direção em toda a História do Oscar. Bem pouco para noventa anos de cerimônia, aliás. Muito pouco. Além de ser o filme que recebeu mais críticas positivas em toda a História do cinema americano, Lady Bird abocanhou cinco indicações no total (filme, direção, atriz, atriz coadjuvante e roteiro)

>> Dois monstros do indie rock estão entre os indicados ao Oscar neste ano. Jonny Greenwood, guitarrista do Radiohead, assina a trilha sonora original de Trama Fantasma. E uma das duas faixas inéditas compostas e gravadas por Sufjan Stevens colocou Me Chame Pelo Seu Nome para concorrer também na categoria de Canção Original.

>> Já faz vinte anos que um filme brasileiro não concorre ao Oscar mas em 2018 o país não ficou de fora da cerimônia. O produtor Rodrigo Teixeira pode ser um dos nomes a receber a estatueta se Me Chame Pelo Seu Nome levar o prêmio principal da noite. Carlos Saldanha, criador de obras como Rio e A Era do Gelo, voltou a ser indicado em animação de longa-metragem por O Touro Ferdinando.

>> Todos os dez atores e atrizes coadjuvantes indicados neste ano já passaram dos 40 anos de idade.

>> Daniel Day-Lewis anunciou que Trama Fantasma será seu filme de despedida da indústria cinematográfica. Por este filme ele recebeu a sua sexta indicação, tendo vencido em duas ocasiões.

>> A aversão do diretor Christopher Nolan a imagens criadas por computador impulsionou a grandiloquência de Dunkirk, considerado por muitos críticos o melhor filme de 2017. Para contar a história da evacuação dos militares francesas da praia de Dunquerque durante a Segunda Guerra Mundial, ele contou com cerca de seis mil extras no set de filmagem. O filme também foi rodado no antigo formato de 70mm para dar mais amplidão às cenas em terra, no mar e no ar.

>> Submerso em uma tonelada de próteses e maquiagens, Gary Oldman fica irreconhecível como o primeiro-ministro Winston Churchill em O Destino de uma Nação. Sua atuação impecável em gestos e interpetação o colocam como favorito disparato para o prêmio de melhor ator da noite. O filme – que também deve levar a segunda estatueta no quesito “maquiagem e cabelo” – também retrata a retirada estratégia das tropas militares do Reino Unido da praia francesa de Dunkirk. Contudo, o foco fica nos bastidores do poder no parlamento britânico.

>> Azarão da noite, Corra! obteve o feito de ser um filme de terror indicado à principal categoria. A obra também concorre a outros três prêmios (direção, ator e roteiro original). Bastante badalado pela imprensa mundial à época de seu lançamento, a produção custou apenas cinco mil dólares (baixíssimo orçamento para os padrões normais de filmes oscarizáveis) e arrebatou mais de 250 milhões nas bilheterias.

>> Curiosamente, as categorias edição de som e mixagem de som apresentam os mesmos cinco finalistas. A primeira categoria cuida da captação – através de microfones – dos sons em uma cena, como as falas dos atores envolvidos como a captação do ambiente. Entretanto, pode haver a melhoria deste trabalho na pós-produção, desde que não derrube a verossimilhança do filme. Já a segunda indica todo o trabalho de design feito para dar a identidade sonora a uma obra, incluindo músicas e efeitos.

>> Sempre que um desenho da Disney ou da Pixar está entre os indicados de melhor longa-metragem de animação ele automaticamente se torna o franco favorito da categoria. Neste ano quem ocupa o cargo é Viva: A Vida é Uma Festa, que tem como tema central a morte e celebra a cultura mexicana do Dia de Los Muertos. Entretanto, na mesma categoria, um outro título chama muito a atenção. Produção divida entre a Polônia e o Reino Unido, Com Amor, Van Gogh remonta os últimos dias do pintor holandês através da investigação da possibilidade dele ter sido assassinado. Para homenagear o artista, cada um dos frames rodados com atores reais ganhou um meticuloso processo de pintura à mão feita por pinceladas de aquarela. Isto dá a impressão de eterno movimento às cenas filmadas com atores em estúdio (Saoirse Ronan, protagonista e indicada por Lady Bird, participa do elenco).

>> Às vésperas de completar 90 anos de idade, a cineasta belga Agnes Varda recebe a indicação ao Oscar por seu trabalho no documentário Faces Places. Ao lado do amigo e fotógrafo JR, ela viaja por várias cidades rurais francesas com um caminhão e o objetivo de capturar imagens da forma mais mágica possível.

>> Às vésperas dos Jogos Olímpicos de Inverno de 1994, a jovem patinadora Tonya Harding viu seu talento ficar para segundo plano nas manchetes da imprensa mundial. Ela tornou-se mais conhecida pelo ataque covarde feito à rival Nancy Kerrigan, como fruto de um misto de insegurança, inveja e medo de perder a disputa na competição para a qual estava se preparando. Kerrigan teve a perna direita quebrada pelo marido de Tonya e o segurança do casal. Na cinebiografia Eu, Tonya, Allison Jenney interpreta a mãe que impõe a Harding desde criança uma obsessiva rotina de maus-tratos e humilhações. Por esta performance, Jenney vem ganhando todos os prêmios de atriz coadjuvante da temporada.

A LISTA COMPLETA DOS INDICADOS

Filme

Me Chame Pelo Seu Nome

O Destino de uma Nação

Dunkirk

Corra!

Lady Bird – A Hora de Voar

Trama Fantasma

The Post: A Guerra Secreta

A Forma da Água

Três Anúncios para um Crime

Diretor

Christopher Nolan (Dunkirk)

Jordan Peele (Corra!)

Greta Gerwig (Lady Bird – A Hora de Voar)

Paul Thomas Anderson (A Trama Fantasma)

Guillermo Del Toro (A Forma da Água)

Atriz

Sally Hawkins (A Forma da Água)

Frances McDormand (Três Anúncios Para um Crime)

Margot Robbie (Eu, Tonya)

Saoirse Ronan (Lady Bird – A Hora de Voar)

Meryl Streep (The Post: A Guerra Secreta)

Ator

Timothée Chalamet (Me Chame Pelo Seu Nome)

Daniel Day-Lewis (Trama Fantasma)

Daniel Kaluuya (Corra!)

Gary Oldman (O Destino de uma Nação)

Denzel Washington (Roman J. Isreal, Esq.)

Atriz coadjuvante

Mary J Blige (Mudbound – Lágrimas Sobre o Mississipi)

Allison Jenney (Eu, Tonya)

Lesley Manville (Trama Fantasma)

Laurie Metcalf (Ladybird – A Hora de Voar)

Octavia Spencer (A Forma da Água)

Ator coadjuvante

Willem Dafoe (Projeto Flórida)

Woody Harrelson (Três Anúncios Para um Crime)

Richard Jenkins (A Forma da Água)

Christopher Plummer (Todo Dinheiro do Mundo)

Sam Rockwell (Três Anúncios Para um Crime)

Roteiro original

Doentes de Amor

Corra!

Lady Bird – A Hora de Voar

A Forma da Água

Três Anúncios Para um Crime

Roteiro adaptado

Me Chame Pelo Seu Nome

O Artista do Desastre

Logan

A Grande Jogada

Mudbound – Lágrimas Sobre o Mississipi

Filme estrangeiro (em língua não inglesa)

Uma Mulher Fantástica (Chile)

O Insulto (Líbano)

Loveless (Rússia)

Corpo e Alma (Hungria)

The Square – A Arte da Discórdia (Suécia)

Animação

O Poderoso Chefinho

The Breadwinner

Viva: A Vida é uma Festa

O Touro Ferdinando

Com Amor, Van Gogh

Documentário

Abacus: Small Enough To Jail

Faces Places

Icarus

Os Últimos Homens em Aleppo

Strong Island

Curta-metragem

DeKalb Elementary

The Eleven O’Clock

My Nephew Emmett

The Silent Child

Watu Wite/All Of Us

Animação em curta-metragem

Dear Basketball

Garden Party

Lou

Negative Space

Revolting Rhymes

Documentário em curta-metragem

Edith + Eddie

Heavy Is a Traffic Jam On The Road 405

Heroin(e)

Knife Skills

Traffic Stop

Direção de arte

A Bela e a Fera

Blade Runner 2049

O Destino de uma Nação

Dunkirk

A Forma da Água

Figurino

A Bela e a Fera

O Destino de uma Nação

A Trama Fantasma

A Forma da Água

Victoria e Abdul – O Confidente da Rainha

Maquiagem e cabelo

O Destino de uma Nação

Victoria e Abdul – O Confidente da Rainha

Extraordinário

Fotografia

Blade Runner 2049

O Destino de Uma Nação

Dunkirk

Mudbound – Lágrima Sobre o Mississipi

A Forma da Água 

Edição

Baby Driver – Em Ritmo de Fuga

Dunkirk

I, Tonya

A Forma da Água

Três Anúncios Para im Crime

Efeitos visuais

Blade Runner 2049

Os Guardiões da Galáxia, Vol.2

Kong: A Ilha da Caveira

Star Wars: Os Últimos Jedi

Planeta dos Macacos: A Guerra

Edição de som

Baby Driver – Em Ritmo de Fuga

Blade Runner 2049

Dunkirk

A Forma da Água

Star Wars: Os Últimos Jedi

Mixagem de som

Baby Driver – Em Ritmo de Fuga

Blade Runner 2049

Dunkirk

A Forma da Água

Star Wars: Os Últimos Jedi

Trilha Sonora

Dunkirk

A Trama Fantasma

A Forma da Água

Star Wars: Os Últimos Jedi

Três Anúncios Para um Crime

Canção original

“Might River” (Mudbound – Lágrimas Sobre o Mississipi)

“Mystery Of Love” (Me Chame Pelo Seu Nome)

“Remember Me” (Viva: A Vida é uma Festa)

“Stand Up For Something” (Marshall)

“This Is Me” (O Rei do Show)

 

DOLORES O’RIORDAN (1971-2018)

15.01.2018

Anunciada a morte, aos 46 anos de idade, da vocalista do grupo irlandês Cranberries

doloresoriordan_gigante

Texto por Abonico R. Smith

Foto: Reprodução

Na tarde desta segunda, 15 de janeiro de 2018, o mundo do rock foi abalado com a divulgação da notícia da morte da cantora Dolores O’Riordan. Ela estava hospedada em um hotel em Londres e iria gravar os vocais na releitura heavy metal de “Zombie”, hit dos Cranberries, feita pela banda inglesa Bad Wolves. Não foram divulgadas mais informações sobre o acontecimento, tampouco o que teria provocado o falecimento da artista irlandesa, aos 46 anos de idade

À frente do quarteto Cranberries, Dolores tornou-se um nomes mais importantes da música pop radiofônica produzida durante os anos 1990. Impulsionado por uma série de videoclipes emplacados em série nas filiais continentais da MTV (a recém-inaugurada emissora brasileira, inclusive), o grupo encaixou-se com perfeição da avidez da indústria fonográfica por novos grupos alternativos, depois que o Nirvana mostrou-se um ponto fora da curva e levou o underground ao conhecimento da massa de milhões de pessoas mundo afora.

Formado em 1989 na cidade de Limerick, o quarteto foi formado pelos irmãos Noel (guitarra) e Mike Hogan, mais o baterista Fergal Lawler e o vocalista Niall Quinn. Um ano depois, após o desligamento de Quinn, Dolores foi adicionada por ter deixado o resto da banda estupefato com seus vocais potentes e rasgados para a principal canção da banda até então, “Linger”.

Três anos depois depois, ao lado de “Dreams”, a mesma “Linger” se tornaria o carro-chefe do álbum de estreia do Cranberries, batizado Everybody Else Is Doing It, So Why Can’t We?. Um ano depois, com o segundo álbum No Need To Argue, mais duas faixas se transformariam em outros hits em larga escala (“Ode To My Family” e “Zombie”). Em 1996, veio o terceiro disco em três anos, To The Faithfull Departed, e mais um sucesso massivo (“Salvation”). Isto porque, apesar de pegar carona na onda do rock alternativo, o Cranberries mostrava um misto de letras sentimentais, sofisticação harmônica e melodias pegajosas que o faria ampliar seu público junto ao filão da música pop de alta qualidade, ávido por novidades e consumidor da bandas oitentistas como INXS, Eurythmics e A-ha. E à frente de tudo estava a potente voz de Dolores, que ainda explorava um efeito um tanto desconhecido por astros pop: a influência do yodel, oriundo da região dos Alpes, que explora sílabas fonéticas e criam mudanças rápidas e repentinas nos vocais, que vairam entre o registro de peito e o falsete.

Com o Cranberries, Dolores gravou um total de sete álbuns e vendeu mais de 40 milhões de eemplares somente durante os anos 1990. O mais recente, Something Else, foi lançado em abril de 2017. O repertório de treze músicas resgatou os principais sucessos espalhados pela carreira, refeitos em versões acústicas e gravados com o acompanhamento da Orquestra de Câmara da Irlanda na mesma cidade na qual a banda nasceu. Entre 2004 e 2008, durante um hiato da banda para seus integrantes se dedicarem a outros projetos, O’Riordan gravou mais dois discos solo. Em 2016, ela também fez os vocais de Science Agrees, do projeto paralelo D.A.R.K., criado pelo produtor nova-iorquino Olé Koretsky e o inglês Andy Rourke, mais conhecido por ter sido o baixista dos Smiths entre 1983 e 1988.

Ultimamente O’Riordan vinha enfrentando alguns problemas de saúde que aos poucos afetavam sua carreira. Em 2014, foi a protagonista de um incidente em um avião que vinha de Nova York para a Irlanda do Norte. Antes do pouso, agrediu uma comissária de bordo por se negar a retornar ao assento na classe executiva. Já em Belfast, desacatou, derrubou e cuspiu em uma oficial da polícia e acabou sendo detida por um dia. No mesmo ano, revelou ter sofrido constantes abusos sexuais dos 8 aos 12 anos de idade e que isso teria provocado o distúrbio da anorexia nela. No mesmo ano, ela anunciou o divórcio do marido Don Burton, ex-tour manager do grupo Duran Duran, com quem estava casada desde 1994 e teve três filhos.

Em 2016, a série de shows programa pelo D.A.R.K. para divulgar o disco do projeto foram cancelados por sua causa. Durante a bateria de entrevistas para o lançamento de Something Else, no começo do ano passado, ela abriu o jogo sobre estar lutando constantemente contra a desordem bipolar, diagnosticada recentemente. Já a turnê europeia referente ao novo álbum do Cranberries precisou ser abruptamente interrompida, oficialmente por causa de um sério problema de coluna da vocalista. Entretanto a própria Dolores reconhecia publicamente que não vinha se tratando do modo adequado e previamente indicado pelos médicos que a tratavam. Em outra entrevista de 2017, admitiu ter tentado se matar por overdose de medicamentos.

Leia aqui a resenha do show realizado pelo Cranberries em Belo Horizonte em 2010, durante a primeira vinda da banda ao Brasil

 

GOLDEN GLOBE AWARDS 2018

08.01.2018

Filme Três Anúncios Para um Crime, minissérie de TV Big Little Lies e discurso de Oprah Winfrey são os grandes destaques da noite marcada pelas roupas pretas

goldenglobes2018oprah_gigante

Texto por Abonico R. Smith

Foto: NBC/Reprodução

Inconformada pela estúpida ineficácia da polícia para achar quem estuprou e matou a sua filha, Mildred Hayes parte para uma atitude insólita: aluga três outdoors em uma erma estrada na cidade de Ebbing, no estado norte-americano de Missouri. Neles, escreve frases que questionam a investigação. Isso, então, passa a afetra diretamente a sua vida e também a do xerife ligado ao caso.

Marcado por uma farta dose de muito humor negro e fantásticos atores em seu elenco (como a dupla de protagonistas Frances Mc Dormand e Woody Harrelson e ainda o coadjuvante Sam Rockwell), o longa Três Anúncios Para um Crime saiu dos Golden Globe Awards 2018 como o principal vencedor nas categorias dedicadas às produções cinematográficas. Foram quatro vitórias para a obra do diretor e roteirista britânico Martin McDonagh – conhecido por pérolas da comédia ainda pouco conhecidas no Brasil como Na Mira do Chefe (2008) e Sete Psicopatas e um Shih Tzu (2012).

Com direito ao recorde de indicações da noite (oito, no total), A Forma da Água, de Guillermo Del Toro, também foi outro destaque da noite, com direito a dois prêmios, um deles para o próprio cineasta. O mesmo número dado, aliás, ao surpreendente Lady Bird – A Hora de Voar, considerado o título com mais críticas positivas da imprensa em toda a História do cinema.

O veterano ator Gary Oldman, que coleciona boas interpretações na carreira mas pouquíssimas indicações aos principais prêmios da indústria, não passou em branco e bateu outros concorrentes de peso com sua performance como o primeiro ministro birtânico da Segunda Guerra Mundial, Winston Churchill, em O Destino de Uma Nação. Mais duas cinebiografias (O Artista do Desastre e Eu, Tonya), a nova animação da Pixar e um filme alemão sobre a intolerância do neonazismo completaram a lista de obras feitas para as grandes telas que não saíram de mãos abanando.

Já no segmento dedicado ao ano televisivo, o maior vencedor dessa edição foi Big Little Lies, minissérie produzida pelas suas protagonistas Reese Witherspoon e Nicole Kidman e com a primeira temporada exibida em 2017 pela HBO. Além do prêmio principal da noite para o seu formato, arrebatou outros três de atuação. Também em sua primeira temporada, The Marvelous Mrs Marvel (assinado pela criadora da cultuada Gilmore Girls, Amy Sherman Palladino) ficou com dois globos de ouro nas categorias dedicadas às séries de comédia ou musical, o mesmo número de troféus concedidos à dramática The Handmaid’s Tale. Atores de This Is Us, Master Of None e Fargo completaram a lista de vencedores de seriados e minisséries.

Realizada em Los Angeles na noite do primeiro domingo de 2018 (7 de janeiro), a 75ª edição dos Golden Globes foi marcada pelo maciço protesto de atrizes, diretoras, produtoras e outras profissionais da indústria cinematográfica contra o assédio sexual e o machismo ainda dominante não apenas em Hollywood como também em outras áreas e no mundo inteiro. O que se viu foi um grande desfiles de vestidos pretos no tapete vermelho como forma de adesão às campanhas #MeToo e #TimesUp, que se espalharam pela internet nos últimos meses.

A apresentadora, empresaria, atriz e produtora Oprah Winfrey emocionou a todo mundo com seu discurso incisivo a favor da força feminina, não apenas contra o assédio mas também o preconceito racial. Oprah tornou-se a primeira mulher negra a receber o prêmio especial Cecil B. DeMille pelo conjunto de sua obra e foi aplaudida de pé por todos os presentes ao Golden Globes Internatinal Ballroom. Quem tamb;em causou comoção geral no palco foi o ator Kirk Douglas, de cadeira de rodas e lúcido aos 102 anos. Ele estava ao lado da nora Catherine Zeta-Jones, com quem formou a dupla que anunciou o prêmio dado ao melhor roteiro ao ano.

O Golden Globe Awards é a premiação anual concedida pela associação de jornalistas estrangeiros que cobrem o dia a dia da indústria cinematográfica em Los Angeles.

Vencedores de 2018

Atriz de minissérie ou filme de TV: Nicole Kidman (Big Little Lies)

Ator coadjuvante: Sam Rockwell (Três Anúncios Para um Crime)

Atriz de série de TV (comédia ou musical): Rachel Brosnahan (The Marvelous Mrs. Marvel)

Atriz de série de TV (drama): Elisabeth Moss (The Handmaid’s Tale)

Ator de série de TV (drama): Sterling K. Brown (This is Us)

Série de TV (drama): The Handmaid’s Tale

Ator coadjuvante de minissérie ou filme de TV: Alexander Skarsgard (Big Little Lies)

Trilha sonora original: Alexander Desplat (A Forma da Água)

Canção original: “This Is Me” (O Rei do Show)

Ator (comédia ou musical): James Franco (O Artista do Desastre)

Atriz coadjuvante de minissérie ou filme de TV: Laura Dern (Big Little Lies)

Animação: Viva: A Vida é uma Festa

Atriz coadjuvante: Allison Janney (Eu, Tonya)

Roteiro: Três Anúncios Para um Crime

Filme estrangeiro: In The Fade (Alemanha)

Ator de minissérie ou filme de TV: Ewan McGregor (Fargo)

Série de TV (comédia ou musical): The Marvelous Mrs Maisel

Ator de série de TV (comédia ou musical): Aziz Ansari (Master Of None)

Prêmios especial Cecil B. DeMille: Oprah Winfrey

Diretor: Guillermo Del Toro (A Forma da Água)

Minissérie ou filme de TV: Big Little Lies

Atriz (comédia ou musical): Saoirse Ronan (Lady Bird – A Hora de Voar)

Filme (comédia ou musical): Lady Bird – A Hora de Voar

Ator (drama): Gary Oldman (O Destino de uma Nação)

Atriz (drama): Frances McDormand (Três Anúncios Para um Crime)

Filme (drama): Três Anúncios Para um Crime